Síndrome do Pensamento Acelerado

A síndrome do pensamento acelerado é uma alteração, identificada por Augusto Cury, na qual o pensamento se torna muito rápido e dificulta a concentração, provocando o aumento da ansiedade e desgastando a saúde física e mental do individuo. O problema desta síndrome não está relacionado com o conteúdo dos pensamentos, que geralmente são interessantes, cultos e positivos, mas sim com a sua rapidez.

Uma das principais causas desse distúrbio é o excesso de informação a que somos expostos nos dias de hoje

Tem dificuldade em relaxar a mente e acalmar os pensamentos? Está sempre em busca de novos estímulos e informações? Esse pode ser não apenas o caso de uma pessoa agitada, mas sim a representação de sintomas da síndrome do pensamento acelerado.

Essa é uma condição moderna que tem origem com o ritmo alucinante das grandes cidades, com overdoses diárias de informações e obrigações que afetam a saúde emocional de grande parte da população. Depressão, estresse, síndrome do pânico e nomofobia (medo de ficar sem celular) são outros exemplos de situações que ocorrem com muito mais frequência nas últimas décadas.

Especialistas dizem que a síndrome do pensamento acelerado não é uma doença, mas sim um sintoma vinculado a um quadro de transtorno de ansiedade. As pessoas mais vulneráveis geralmente são aquelas que são avaliadas constantemente por conta das suas obrigações profissionais, não podendo desligar um minuto sequer, caso contrário o trabalho fica comprometido. Bons exemplos são executivos, jornalistas, escritores, publicitários, professores e profissionais da saúde.

As possíveis causas, além dessa ansiedade devido à pressão profissional, são: o ritmo alucinado dos grandes centros urbanos; o excesso de estimulação (uso de celular, redes sociais, rapidez de informação); o excesso de brinquedos, atividades e informação.

Participe e aprenda mais sobre bem-estarPowered by Rock Convert

Este transtorno é algo novo e por isso nem consta nos manuais de psiquiatria de transtornos mentais utilizados atualmente, porém seus sintomas são capazes de causar bastante desgaste e sofrimento.

Principais sintomas

As principais características de uma pessoa com síndrome do pensamento acelerado são: acordar cansado; dificuldade para acalmar os pensamentos; dificuldade para relaxar/desacelerar; sofrer por antecipação; apreensão; déficit de atenção; dificuldade de concentração; irritabilidade; memória prejudicada; sono alterado; humor instável; esgotamento/cansaço mental e físico; sensação de que 24 horas não são suficientes para tudo o que se propõe a fazer e dores de cabeça ou muscular.

Tratamento

O excesso de informações que recebemos durante o dia e pelas mídias está dificultando a absorção e interiorização das mesmas e tudo isso interfere no gerenciamento dos pensamentos.
A psicologia pode nos ajudar a desacelerar, tratando a ansiedade e o estresse e fixando o tempo no presente (e não tanto no futuro, como costumamos fazer).
Uma das abordagens da Psicologia de maior eficácia comprovada é a terapia cognitivo comportamental (TCC). Ela trabalha bastante com a relação entre pensamentos, sentimentos e comportamentos e em como esses fatores estão relacionados. Qualquer mudança que fazemos em algum deles vai automaticamente influenciar nos demais.

Tendemos a ter muitos pensamentos distorcidos

Na terapia aprendemos sobre essas distorções cognitivas, a identificá-las e substituí-las por pensamentos mais adaptativos baseados em evidências.

Trabalha-se também com registros de pensamentos e com o fato de que não são as situações pelas quais o individuo está passando que geram suas angustias e sofrimentos, mas sim a forma como ele as enxerga. Aprender isso faz toda a diferença!

Além da terapia, existem outras dicas que podem deixar #vocebem:

  1. Treine sua mente para admirar algo que o dinheiro não compra, como observar seu filho a desenhar ou pintar, abraçar mais, beijar mais, trocar experiências com os filhos, dar carinho a quem se ama.
  2. Tenha mais contato com a natureza. Caminhe ao ar livre, admire as árvores e os animais, aprecie o silêncio e o vento no rosto.
  3. Faça alguma atividade lúdica. Vale praticar um esporte, ler um livro e contar histórias.
  4. Proteja a sua emoção. Não cobre demais dos outros (seja marido, filhos ou amigos) nem a si mesma, isso torna a vida angustiante. Não exija demais das pessoas. Ao contrário, elogie mais, aponte as características boas, os pontos fortes de quem está ao seu lado.
  5. Aprenda a relaxar. Pare um momento do dia, esqueça tudo ao redor, respire fundo, solte o corpo e esvazie a mente.
  6. Perdoe o outro e se auto perdoe.

Dê mais risada, não leve a vida tão a ferro e fogo. Sorria!

Share This