fbpx

Terapia Cognitiva Comportamental e as Crenças Centrais: Desamparo, Desamor e Desvalor

Atualizado em 15/01/2020
Por Suelen Tebaldi

Terapia Cognitiva Comportamental e as Crenças Centrais: Desamparo, Desamor e Desvalor

Atualizado em 15/01/2020
Por Suelen Tebaldi
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Terapia Cognitiva Comportamental e as Crenças Centrais: Desamparo, Desamor e Desvalor

A terapia cognitiva foi desenvolvida por Aaron Beck, direcionada a resolver problemas atuais dos pacientes e a modificar os pensamentos e comportamentos disfuncionais dos mesmos. 

O modelo cognitivo levanta a hipótese de que as emoções e os comportamentos das pessoas são influenciados por sua percepção e interpretação dos eventos e não somente pelo evento em si. Ou seja, o modo como as pessoas sentem está associado ao modo como elas interpretam e pensam sobre uma situação, sendo suas respostas emocionais intermediadas por sua percepção da mesma.  Esses pensamentos são relacionados aos tipos de crenças que cada pessoa tem.

As crenças são ideias ou esquemas que as pessoas desenvolvem desde a infância sobre si mesmas, as outras pessoas e seus mundos. As crenças são uma forma que a criança tem de extrair sentido do seu ambiente. São entendimentos que são tão fundamentais e profundos que as pessoas frequentemente não os questionam e os consideram como verdades absolutas. Usualmente se valem dos ditos “sempre foi assim” ou ”eu sempre fui assim”.

As crenças centrais são as ideias mais centrais da pessoa a respeito dela mesma, de outras pessoas e seus mundos. São usualmente globais, supergeneralizadas e absolutistas. Quando ativadas, o paciente facilmente identifica informações que a apoiam e distorcem as que não se enquadram no estilo de sua crença.  

contestar a preocupação
Sempre foi assim?

Na Terapia Cognitiva, as crenças centrais podem ser: DESAMPARO, DESAMOR e DESVALOR e o que ativa cada crença é:

Na crença de DESAMPARO a pessoa tem uma certeza (irracional/inconsciente) de que é incompetente e sempre será um fracassado.

Na crença de DESAMOR a pessoa tem a certeza (irracional/inconsciente) de que será rejeitada.

Na crença de DESVALOR a pessoa acredita ser inaceitável, sem valor algum.

terapia-online-casule-bannerPowered by Rock Convert

Para verificar qual ideia está mais enraizada no seu funcionamento psicológico é possível analisar os tipos de pensamentos que você costuma ter com mais frequência.

Pensamentos automáticos da crença de desamparo:

  • Sou inadequado, ineficiente, incompetente;
  • Eu não consigo me proteger;
  • Eu não consigo mudar;
  • Eu não tenho atitude;
  • Sou uma vítima;
  • Sou carente;
  • Eu estou sem saída;
  • Não sou bom o suficiente;
  • Não sou igual aos outros.

Pensamentos automáticos da crença de desamor:

  • Sou diferente, indesejável, feio, monótono, não tenho nada a oferecer;
  • Não sou amado, querido; 
  • Sou negligenciado;
  • Sempre serei rejeitado, abandonado, sempre estarei sozinho;
  • Sou diferente, imperfeito, não sou bom o suficiente para ser amado.

Pensamentos automáticos da crença de desvalor:

  • Não tenho valor;
  • Sou inaceitável;
  • Sou mau, louco, derrotado;
  • Sou um nada mesmo, sou um lixo;
  • Sou cruel, perigosos, venenoso, maligno;
  • Não mereço viver.

As crenças tendem a se fortificarem quando a pessoa foca sua atenção para os dados que confirmam sua visão negativa e não conseguem perceber as situações da vida com outro ponto de vista. Esse processo ocorre involuntariamente e automaticamente, gerando sofrimento psicológico e/ou transtornos psicológicos significativos.

Essas crenças podem ser:

  1. Em relação a si mesmo: citado acima.
  2. Em relação aos outros: os outros são categorizados de maneira inflexível. São vistos como desprezíveis, frios, prejudiciais, ameaçadores e manipuladores.

Também é possível desenvolver uma crença positiva em relação aos outros e em detrimento a si mesmo: as pessoas são superiores, muito eficientes, amáveis e úteis (diferente de si mesmo).

  1. Em relação ao mundo: o mundo é injusto, hostil, imprevisível, incontrolável, perigoso.

Mas e aí? Como é possível nos libertarmos dessa ideia que nos acompanha desde a infância/adolescência?

Inscreva-se no nosso Canal no Youtube

 

O primeiro passo é a tomada de consciência da ativação das crenças. Somente à partir dessa nova percepção é que é possível operar mudanças.

E, neste sentido, a Terapia Cognitiva Comportamental possui ferramentas e técnicas capazes de habilitar a pessoa a desativar suas crenças e esquemas mentais, proporcionando assim, uma vida mais saudável.

Fontes:

BECK, Judith S., Terapia Cognitiva, Teoria e prática. Artmed, São Paulo, 1997 in https://psicologado.com.br/abordagens/psicologia-cognitiva/introducao-ao-modelo-cognitivo

https://noranadirsoares.site.med.br/index.asp?PageName=crencas-centrais

banner-paisagem-ebook-manejo-da-ansiedade-v1.1-curtoPowered by Rock Convert

Terapia Cognitiva Comportamental e as Crenças Centrais: Desamparo, Desamor e Desvalor

Se você quiser saber mais ou conversar com um dos nossos profissionais sobre Terapia Cognitiva Comportamental e as Crenças Centrais: Desamparo, Desamor e Desvalor, você pode  agendar o seu horário clicando aqui.


Ou você pode ver mais sobre Terapia Online, Acompanhamento semanal com nossa Nutricionista ou Como ter mais produtividade com o nosso Coach!
Suelen Tebaldi, aqui no Blog.
Psicóloga, terapeuta cognitiva comportamental, apaixonada pela escuta e pelo relacionamento com as pessoas. "Psicóloga da família" desde pequena, vive e ama essa profissão e todos os seus desafios. Conheça o meu Instagram. | Clique para marcar uma consulta comigo

O que você achou deste conteúdo?
Conte nos comentários sua opinião sobre: Terapia Cognitiva Comportamental e as Crenças Centrais: Desamparo, Desamor e Desvalor.


0 comentários

Você-pensa-sobre-seus-medos
Você pensa sobre seus medos?

Você pensa sobre seus medos?

O medo é um estado emocional muito importante, associado ao nosso mecanismo de proteção, sobrevivência e adaptação. Os medos estão relacionados a característica do objeto, contexto ou situação temida, mas também a avaliação subjetiva desses fatores. A forma como pensamos as situações, impacta diretamente em como nos sentimos e lidamos com elas. O que acha de avaliarmos nossos medos?
Compulsão por trair existe?

Compulsão por trair existe?

Muitos casais estabelecem um acordo em que se comprometem a permanecer fiéis ao amor que professam um pelo outro. Quando um dos dois rompe esse acordo, falamos de infidelidade. A pessoa que comete a infidelidade geralmente a oculta porque sabe o que significa, e intui algumas das consequências que pode ter, embora mais tarde possa confessar ou ser descoberta. Seja como for, a pessoa que é vítima da infidelidade sofre uma dupla sensação de traição: uma traição a ela e ao relacionamento.
A-importância-da-rede-de-apoio-no-processo-de-psicoterapia
A importância da rede de apoio no processo de psicoterapia

A importância da rede de apoio no processo de psicoterapia

Muito se fala sobre o acolhimento, alternativas de tratamento, estratégias, dicas e orientações necessárias para os pacientes que estão passando por um momento de sofrimento mental, ou possuem algum tipo de transtorno ou realizam psicoterapia. No entanto, pouco é abordado sobre a importância dos familiares e indivíduos que fazem parte do cotidiano e convívio do paciente, que compõem a rede de apoio, sendo considerados parte importante do processo terapêutico, também poder buscar por ajuda, cuidados e orientação.

Motivos que levam à obesidade

Você sabia que a obesidade é um quadro multifatorial? Isso mesmo! Não podemos colocar apenas na comida a responsabilidade de um ganho de peso. Por isso é importante não ter preconceito e não julgar o comportamento alimentar de uma pessoa que está nesta situação. O aconselhável é sempre buscar ajuda de profissionais que tenham empatia e que possam oferecer qualidade de vida e bem-estar à pessoa com obesidade. Assista a este vídeo completo e saiba mais!
Leia mais
Motivos-que-levam-à-obesidade

Você já ouviu falar em Pistantrofobia

O termo é complicado mas a explicação é simples. Pistantrofobia é o medo de confiar nas pessoas devido a experiências negativas ou decepções ocorridas no passado. Espero que esse vídeo possa te auxiliar a entender melhor sobre esse assunto.
Leia mais

Você tem medo de falar em público?

O medo de falar em público é muito comum. Ou você mesmo tem esse medo ou conhece alguém que tem, não é? É chamado de glossofobia quando esse medo tem proporções exageradas a ponto de paralisar e não permitir que a pessoa tente vencer este medo por si só.
Leia mais

As 5 Linguagens do Amor

Essas são as 5 formas de expressar e de experimentar o amor nas nossas relações. Vem descobrir qual a linguagem do amor que você fala e qual a linguagem que você mais escuta. Compartilha com uma pessoa querida para que vocês possam melhorar a qualidade do relacionamento!!
Leia mais
Linguagens do amor

6 dicas para se tornar uma pessoa mais resiliente

Você sabia que a resiliência é uma habilidade que conseguimos desenvolver e aprimorar? Não são todas as pessoas que já tem essa habilidade super desenvolvida e é por isso que, nesse vídeo, você vai aprender dicas simples de como se tornar uma pessoa mais resiliente e conseguir enfrentar melhor os obstáculos da vida.
Leia mais
6-dicas-para-se-tornar-uma-pessoa-mais-resiliente-BLOG

Você acha que autoestima é só cuidar da sua aparência?

A autoestima vai muito além da aparência, é a visão que você tem sobre você e quando ela está baixa afeta outras áreas da sua vida, seu relacionamento, vida profissional... No vídeo vou explicar o que é, porque é importante e dar dicas para aumentar sua autoestima.
Leia mais
Você acha que autoestima é só cuidar da sua aparência

Na sua dieta tem “dia do lixo”?

O dia do lixo é uma expressão usada para caracterizar o dia em que comemos em grandes quantidades, alimentos calóricos e super deliciosos! Mas será que essa prática é aconselhável? Contribui ou atrapalha o processo de emagrecimento? Saiba como agir assistindo a este vídeo completo.
Leia mais
Dia do lixo

A Saúde mental nos relacionamentos: como ajudar um parceiro que está passando por algum transtorno psicológico!

Quando falamos sobre os transtornos mentais, nos referimos a uma série de alterações significativas no que diz respeito aos aspectos cognitivos, emocionais e comportamentais dos indivíduos e que podem afetar qualquer pessoa durante algum momento de sua trajetória. É uma condição que muitas vezes interfere diretamente na capacidade do indivíduo de enfrentar problemas cotidianos e sentir prazer na vida.
Leia mais
A Saúde mental nos relacionamentos como ajudar um parceiro que está passando por algum transtorno psicológico!
Tenha o total controle das suas emoções conte com a Casule para o seu bem-estar.
Share This