Ensine seu filho(a) a lidar com as emoções

Ensine seu filho(a) a lidar com as emoções

Atualizado em 15/01/2021
Por Redatora Casule

Ensine seu filho(a) a lidar com as emoções

Atualizado em 15/01/2021
Por Redatora Casule
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Ensine seu filho(a) a lidar com as emoções

Aperte o play para escutar este conteúdo.

As crenças dos pais e cuidadores influenciam diretamente em como as crianças irão enxergar o mundo, o outro e principalmente a si mesmas. Todos nós temos nossos medos, ansiedades, sentimos raiva, tristeza e para cada um de nós as emoções têm uma intensidade, um significado e um motivo para que elas se expressem. Ensinar os pequenos a reconhecer as emoções, é muito importante para que tenhamos pessoas mais inteligentes emocionalmente.

Para que nós possamos ensinar os pequenos a lidar com o que nos é tão natural como as emoções, precisamos entender como nós mesmos lidamos com elas e assim transmitir esse ensinamento na prática.

Nossa vida sem emoções seria como uma vida sem cor, sem graça. As emoções precisam ser valorizadas para que recebam a devida atenção, afinal de contas são elas que nos mostram nossas necessidades, nos conectam com as outras pessoas, nos alertam para o que pode ser perigoso além de outras importantes funções.

Por exemplo, sentir um pouco de medo e ansiedade antes de uma apresentação nos impulsiona a fazer uma palestra melhor porque nos leva a nos preparar e estudar sobre o assunto sobre o qual vamos falar.

 “O que estou sentindo? Por que eu estou sentindo isso? O que causou a emoção?”

Este é um exercício mental que deveria fazer parte do nosso cotidiano. Perceber as emoções antes que elas transbordem em explosões de raiva ou em uma resposta mal-educada a uma pessoa próxima traz essa conscientização para reconhecer o que se passa internamente e a partir daí aprender a se conectar consigo mesmo.

Afinal, o que é educar crianças emocionalmente?

Educar as crianças emocionalmente é ensiná-los a aceitar, respeitar, receber e entender o que se passa com suas emoções. Ao invés de mandá-las engolir o choro ou parar de sentir raiva do amiguinho, podemos acolhê-las em seus momentos emotivos e perguntar o que aconteceu para estarem daquela forma, o que estão sentindo e a partir daí deixá-las se expressarem. Fazendo assim, você os ensinará a identificar as emoções e os gatilhos para que possam aprender a lidar com as situações que virão.

Quando você valida o que se passa com uma criança, você a ensina a lidar com o problema e com o que ele causa ao invés de jogar para debaixo do tapete. Você ensina que o que se passa internamente com ela é importante e que ela não é a vítima de suas emoções e sim um sujeito ativo que pode escolher como agir. Ser um sujeito que se sente capaz de encarar as situações da vida, trará a esta criança uma sensação de potência em relação ao seu ambiente. Potência no sentido de se sentir apta para lidar com o que o mundo ao seu redor lhe causa.

terapia-online-casule-banner

Na prática isso significa que o problema existe, mas não é por isso que ela precisa sofrer e se entregar às emoções como se fosse impotente diante delas. O problema é real e está aí sem que possamos controlá-lo, mas o sofrimento é a parte que podemos administrar! Isso é diferente de ser onipotente ou impotente.

A onipotência neste caso nos traz a ideia de negar o problema. Ensinar a onipotência seria invalidar as emoções do pequeno, minimizar e negar o problema ou até mesmo ignorar o que causa desconforto nele. Ensinar a ser onipotente perante uma situação de stress é invalidar o sentimento de raiva ou frustração dizendo que perder o jogo não é motivo para chorar, sem nem querer saber como ele estaria processando aquela perda. O ensinamento aqui é de que é melhor reprimir os sentimentos porque eles não são importantes e não é disso que se trata a educação emocional. 

Já impotência é quando assumimos uma postura vitimista diante do problema. No exemplo do jogo, ensinando-o a ser impotente diante da derrota, o adulto poderia tê-lo culpado pela perda ou apontar suas falhas no jogo e ele iria aprender a ser vítima do mundo ao seu redor, trazer a culpa para si mesmo ao invés de perceber o contexto e aprender! 

Ensinar a ser potente é ajudar ao seu filho a enfrentar, pensar e aprender com o problema, mas não ser levado e dominado por ele. Assumir uma postura ativa em relação aos obstáculos que fazem parte de vida vai trazer uma sensação de segurança e de autoconfiança. Ensine-o a acreditar em si e a valorizar a sua essência!

Terapia Casule

A Casule é uma clínica que pensa na sua saúde e no seu bem-estar que atende de forma presencial e online. Isso faz que possamos cuidar de pessoas em qualquer parte do Brasil e do Mundo!

Venha nos conhecer! Marque uma conversa com nossos terapeutas clicando aqui!

Curtiu o texto? Fica a vontade para relaxar com a gente, conheça nossos áudios de relaxamento, é GRÁTIS!

Compartilhe também a Casule em suas redes sociais, InstagramFacebook e Youtube

Guia com as 15 Técnicas para reduzir a ansiedade
Sou focada em achar o melhor conteúdo que já foi publicado na rede e trazer informações que são relevantes e agregam valor para você.
Casule Play

Ensine seu filho(a) a lidar com as emoções

Se você quiser saber mais ou conversar com um dos nossos profissionais sobre Ensine seu filho(a) a lidar com as emoções, você pode  agendar o seu horário clicando aqui. Ou você pode ver mais sobre Terapia Online, Acompanhamento semanal com nossa Nutricionista ou Como ter mais produtividade com o nosso Coach!
Redatora Casule, aqui no Blog.
Sou focada em achar o melhor conteúdo que já foi publicado na rede e trazer informações que são relevantes e agregam valor para você.

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários sua opinião sobre: Ensine seu filho(a) a lidar com as emoções.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Medo ou fobia?

Medo ou fobia?

O medo é uma emoção natural, inerente ao ser humano, todos nós temos e já sentimos em maior ou menor grau em algum momento da vida em diversas situações.

Transtorno de Personalidade Antissocial

Você sabia que a cada 100 pessoas que você conhece, 4 são psicopatas? Hoje vamos conversar um pouquinho sobre a personalidade antissocial mais comumente conhecida como psicopatia e sociopatia.
Leia mais

Autoestima na Infância

A autoestima da criança vai sendo estabelecida a partir do contato com o outro e sofre influência de fatores internos e externos.
Leia mais

Fobia Social

A fobia social é um tipo de Ansiedade que se manifesta diante da exposição a outras pessoas.
Leia mais
Tenha o total controle das suas emoções conte com a Casule para o seu bem-estar.
Share This