fbpx
a-historia-da-reforma-psiquiatrica-psicologia-casule

A história da Reforma Psiquiátrica

Atualizado em 13/05/2019
Por Nayara Benevenuto

A história da Reforma Psiquiátrica

Atualizado em 13/05/2019
Por Nayara Benevenuto
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

A história da Reforma Psiquiátrica

A história da Reforma Psiquiátrica

A História da Loucura no mundo é repleta de distintas formas de abordagens ao longo dos tempos. Primeiramente, na Antiguidade e na Idade Média, a loucura dispunha de certo grau de liberdade, ou seja, muitas vezes eles tinham a oportunidade de circular entre as pessoas “normais”, fazendo parte do cenário e das linguagens sociais. Contudo, não podemos esquecer que existiam também, nessas épocas, formas de encarceramento dos loucos, ou formas mágicas e religiosas que abordavam a loucura. No entanto, nenhuma dessas formas de se relacionar com a loucura prevaleciam, ou seja, cada lugar ou cada época abordavam ela de forma distinta.

     No final do século XVIII a loucura passa a ser abordada, na sociedade ocidental, de forma hegemônica e universal, ou seja, os sujeitos que possuíam algum tipo de transtorno mental eram internados em instituições psiquiátricas. Muitas vezes, as internações ocorriam nos chamados hospitais gerais, que frequentemente eram de origem religiosa. Esses hospitais não possuíam funções curativas, eles limitavam o tratamento a uma forma punitiva do pecado da inatividade. “O louco não era percebido como doente, e sim como um dentre vários personagens que haviam abandonado o caminho da Razão e do Bem” (Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, 2006).

        Ao passar do tempo, mas ainda no final do século XVIII, entendia-se que os loucos não podiam circular entre as pessoas “normais”, devido ao risco que eles representavam para a sociedade. Eles passaram a não ser mais vistos como pecadores, e sim, como doentes que careciam de tratamento. Assim, com o objetivo de “curar” esses doentes foram criados os manicômios, que eram instituições onde os mesmos eram internados para tratamento da loucura.

        Segundo a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (2006), os manicômios tinham a função de trazer o doente à realidade, ou seja, eles acreditavam que a doença fazia com que a pessoa perdesse a distinção entre o bem e o mal, e que para ocorrer a cura o doente deveria reaprendê-la. Consequentemente, se um doente cometesse um ato impróprio ele deveria ser advertido e punido para que reconhecesse seus erros. No entanto, essas instituições que tinham um objetivo curativo não apresentavam qualquer avanço em termos terapêuticos, ou seja, os doentes mentais passaram a permanecer toda a sua vida dentro dos hospitais psiquiátricos.

        No século XX, as instituições de internação psiquiátrica tiveram um enorme crescimento em número e se tornaram cada vez mais repressivas. Elas passaram a ser uma espécie de depósito de “lixo da sociedade”, ou seja, o que não condizia com o padrão de normalidade imposta pela sociedade era jogado nessas instituições. O isolamento, o abandono, os maus-tratos, as péssimas condições de alimentação e de hospedagem, agravaram-se progressivamente nos manicômios.

Assim, posteriormente a Segunda Guerra Mundial, em meados da década de 50 nos EUA e na Europa, começavam a surgir os primeiros movimentos de Reforma Psiquiátrica. As claras limitações das instituições de internação psiquiátrica, concomitantemente com as frequentes denúncias de abandono, de violência, de isolamento e de cronificação dos doentes foram essenciais para a criação de propostas de reformulação no tratamento de pessoas portadoras de transtornos mentais.

A partir disso, dá-se início, em vários países, aos movimentos de desinstitucionalização, que propunham a transferência dos cuidados psiquiátricos do nível hospitalar para os serviços fundamentados na comunidade (Vidal, Bandeira, Gontijo, 2008). Segundo Vidal et al. (2008), a desinstitucionalização é definida com base em três componentes essenciais: a diminuição das admissões hospitalares pelo fortalecimento de serviços comunitários; a desospitalização, após preparação, de pacientes internados por longos períodos; e a criação e manutenção de uma rede de serviços na comunidade para atender a esses pacientes.

No EUA, a ideia da reforma psiquiátrica desenvolveu a ideia de um modelo preventivo, que se baseava na crença de que seria possível prevenir todas as doenças mentais, uma vez que elas poderiam ser detectadas precocemente. Para isso, foram construídos centros de saúde mental que ofereciam atendimento de emergência, hospitalização parcial e integral, ambulatório e educação para a comunidade. (Vidal, Bandeira, Gontijo, 2008). 

Assim sendo, a reforma psiquiátrica trouxe diversas mudanças no âmbito da saúde mental. Desde a década de 50 até hoje, o foco de assistência a portadores de transtornos mentais deslocou-se progressivamente do hospital para o âmbito comunitário, ou seja, cada vez mais está havendo o fechamento ou redução expressiva no número de leitos de hospitais psiquiátricos (Vidal, Bandeira, Gontijo, 2008). 

Diante disso, surgiu também a necessidade de acolher uma demanda de internos de hospitais psiquiátricos, que não tinham onde ficar, seja por não ter família, seja pela família não o querer em seu convívio familiar. De tal modo, foram criados os Serviços de Residências Terapêuticas com o intuito de abrigar essas pessoas desinstitucionalizadas. 

      Contudo, apesar da desinstitucionalização trazer vários resultados positivos e a possibilidade de recuperação e reinserção dos pacientes em vários países do primeiro mundo, ainda há muito o que se fazer. Muitas pessoas não se beneficiaram desse processo em razão de dificuldades, carência de recursos e equívocos na implantação e no desenvolvimento dos serviços comunitários, ou seja, apesar da proposta da reforma psiquiátrica ser ótima, ainda não foi possível uma efetivação dessas (Vidal, Bandeira, Gontijo, 2008).

Reforma Psiquiátrica Brasileira

terapia-online-casule-bannerPowered by Rock Convert

De acordo com a Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), a reforma psiquiátrica é considerada como processo histórico de formulação crítica e prática, com o objetivo de questionar e elaborar propostas que visem à transformação do modelo clássico, bem como do paradigma da psiquiatria (Amarante, 1995, citado por Tenório, 2002). O que se convencionou chamar reforma psiquiátrica corresponde ao movimento denominado desinstitucionalização, definido com base em três componentes essenciais: a diminuição das admissões hospitalares pela provisão de serviços comunitários; a desospitalização, após preparação, de pacientes internados por longos períodos; a criação e manutenção de uma rede de serviços na comunidade para atender a esses pacientes (Vidal, Bandeira, Gontijo, 2008).

Os primeiros movimentos da reforma psiquiátrica brasileira iniciaram-se na década de 1970, durante o período da ditadura militar, dado que houve enormes críticas ao caráter privatizante da política de saúde governamental e à ineficiência da assistência pública em saúde. Além disso, também surgiram as denúncias de fraude no sistema de financiamento dos serviços e, principalmente, as denúncias de abandono e maus-tratos que ocorriam nos hospitais psiquiátricos do País (Vidal, Bandeira, Gontijo, 2008).

Outro ponto importante concernente ao período histórico de início da reforma se refere às necessidades de mudanças nos âmbitos econômico, político e cultural do país, em um contexto de reivindicações de mudanças políticas e da luta dos movimentos sociais. Sendo assim, pode-se dizer que a Reforma Psiquiátrica segue alinhada ao processo de redemocratização do país (Ferreira, 2006). De acordo com Hirdes (2009), é possível observar na reforma psiquiátrica brasileira a interposição de períodos de intensificação das discussões e de surgimento de novos serviços e programas contrapondo-se a períodos de lentificação do processo.

As discussões acerca da Saúde Mental no Brasil surgiram ainda sob grandes influências dos movimentos reformistas que ocorriam na Europa e nos Estados Unidos; assim, vários setores da sociedade civil brasileira foram mobilizados em favor da luta pelos direitos dos pacientes, sendo a reflexão sobre a loucura integrada no quadro de discussões das universidades, dos meios intelectuais e dos profissionais de instituições psiquiátricas, envolvendo posteriormente outros setores da sociedade (Vidal, Bandeira, Gontijo, 2008).

A busca de superação do modelo manicomial tradicional encontra força nas políticas de saúde do Brasil que tiveram um marco teórico e político na 8ª Conferência Nacional de Saúde (1986), na 1ª Conferência Nacional de Saúde Mental (1987), na 2ª Conferência Nacional de Saúde Mental (1992), culminando na 3ª Conferência Nacional de Saúde Mental, em 2001 (Hirdes, 2009). Ainda que as discussões acerca das necessidades de mudanças no contexto da saúde mental já ocorressem desde os anos 70, somente em 1992, com a realização da 2ª Conferência Nacional de Saúde Mental, é que a Reforma Psiquiátrica passa a ter características mais definidas no campo sócio-político, visto que há uma maior representação dos usuários de serviços em saúde mental, bem como o questionamento do saber psiquiátrico e o dispositivo tecnicista frente a uma realidade que só eles de fato conheciam; assim, os usuários pedem o fim dos manicômios e a criação dos outros dispositivos de assistência em saúde mental (Ferreira, 2006).

Um outro ponto histórico importante para a saúde mental foi a Conferência Regional para a Reestruturação da Assistência Psiquiátrica, realizada em Caracas, em 1990. Neste encontro, no qual o Brasil foi representado e signatário, foi promulgado o documento final intitulado “Declaração de Caracas”, no qual os países da América Latina “comprometem-se a promover a reestruturação da assistência psiquiátrica, rever criticamente o papel hegemônico e centralizador do hospital psiquiátrico, salvaguardar os direitos civis, a dignidade pessoal, os direitos humanos dos usuários e propiciar a sua permanência em seu meio comunitário” (Hirdes, 2009). Ainda na perspectiva da ampliação do escopo e da importância do movimento, é instituído o dia 18 de maio como Dia Nacional da Luta Antimanicomial, visando a potencializar a conscientização e preocupação de diversos âmbitos da sociedade quanto à importância do movimento (Tenório, 2002).

Ainda que os hospitais psiquiátricos concentrassem mais 88% dos recursos orçamentários do SUS destinados à saúde mental, e do relatório da III Conferência Nacional de Saúde Mental prever que, até o ano 2004, fossem extintos todos os leitos em hospitais psiquiátricos no Brasil, reafirmando-se, assim, o projeto “Por uma Sociedade sem Manicômios”, o atual contexto com o qual nos deparamos ainda contempla, de certa forma, o hospital psiquiátrico. No entanto, um dado positivo diante de toda essa dificuldade diz respeito ao aumento dos investimentos nos serviços substitutivos, sobretudo a partir do ano de 2004 (Hirdes, 2009).

Referências:

Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (2006). Atenção em saúde mental: Saúde em Casa. 

Vidal, C. E. L., Bandeira, M., Gontijo, E. D. (2008). Reforma psiquiátrica e serviços residenciais terapêuticos. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 57(1).

Tenório, F. (2002). A reforma psiquiátrica brasileira, da década de 1980 aos dias atuais: história e conceito. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 9(1).

Ferreira, G. (2006). A Reforma psiquiátrica no Brasil: uma análise sócio-política. Revista Psicanálise e Barroco.

Hirdes, A. (2009). A reforma psiquiátrica no Brasil: uma (re)visão. Rio de Janeiro: Ciência e saúde coletiva, 14(1). 

banner-paisagem-ebook-manejo-da-ansiedade-v1.1-curtoPowered by Rock Convert
Casule Play

A história da Reforma Psiquiátrica

Se você quiser saber mais ou conversar com um dos nossos profissionais sobre A história da Reforma Psiquiátrica, você pode  agendar o seu horário clicando aqui.


Ou você pode ver mais sobre Terapia Online, Acompanhamento semanal com nossa Nutricionista ou Como ter mais produtividade com o nosso Coach!
Nayara Benevenuto, aqui no Blog.
Psicóloga, terapeuta cognitivo-comportamental, terapeuta do esquema, especialista em terapia cognitivo-comportamental com crianças e adolescentes. Atende adultos, adolescentes e faz avaliação bariátrica. Conheça o meu Instagram. | Clique para marcar uma consulta comigo

O que você achou deste conteúdo?
Conte nos comentários sua opinião sobre: A história da Reforma Psiquiátrica.


0 comentários

Saúde-mental-e-as-redes-sociais
Saúde mental e as redes sociais

Saúde mental e as redes sociais

Existem muitas pesquisas que relacionam problemas de saúde mental, principalmente depressão e ansiedade, com o uso excessivo das redes sociais. E não é pra menos que este assunto se tornou corriqueiro nas rodas de conversa. Mas o que acontece para que um número...

treine sua assertividade
Treine sua assertividade

Treine sua assertividade

Muito se fala sobre os tipos de comportamentos e a importância dos modelos de comunicação, sejam eles passivo, assertivo ou agressivo, mas você já parou para pensar como você costuma se posicionar?
Por-que-alguns-casais-se-recuperam-de-uma-traição-e-outros,-não
Por que alguns casais se recuperam de uma traição e outros não?

Por que alguns casais se recuperam de uma traição e outros não?

Descobrir que os votos de fidelidade foram quebrados causa muita dor. Esse sentimento é forte porque a relação amorosa é uma das mais íntimas que estabelecemos e isso faz com que tudo o que é vivenciado nela seja muito intenso. A infidelidade é ser traído naquilo que é mais íntimo e que gera tanta expectativa, ao mesmo tempo em que começamos a nos questionar aonde nós falhamos e se fomos incompetentes em cuidar da relação.
Você-sabe-o-que-é-consciência-emocional
Você sabe o que é consciência emocional?

Você sabe o que é consciência emocional?

Estamos o tempo todo prestando atenção nos sinais que o nosso corpo manda. É febre, dor de cabeça, prisão de ventre... A consciência emocional é quando agimos assim com as nossas emoções. É prestar atenção no que estamos sentindo, reconhecendo e dando nome às emoções que se manifestam com mais intensidade quando passamos por determinadas situações.
Autoestima
Autoestima

Autoestima

Tenho recebido mensagens de pessoas dizendo que em meio a quarentena estão com a autoestima baixa, que por estarem em casa não estão se arrumando, e por isso, eu quero compartilhar com vocês uma história da minha filha...

Alimentação pode minimizar os sintomas da menopausa

A menopausa é uma fase da vida das mulheres que pode trazer sintomas como ondas de calor, irritabilidade, ganho de peso, depressão, entre outros. A alimentação se torna importante no manejo destes sintomas e pode promover um bem-estar geral para as mulheres.
Leia mais
alimentação-pode-minimizar-os-sintomas-da-menopausa

Como lidar com a necessidade de controle?

A necessidade de controle é um mecanismo de enfrentamento utilizado por muitas pessoas que, normalmente,são perfeccionistas, inflexíveis, rígidas. O objetivo principal desse mecanismo é obter segurança e não se sentir vulnerável com os imprevistos.
Leia mais

Como resolver sua autoestima?

Nesse vídeo vou te fornecer um instrumento que vai te ajudar a solucionar seus problemas com a sua autoestima. Tá achando que é milagre? Não! O resultado vai depender das suas atitudes, porém será satisfatório.
Leia mais
Como-resolver-sua-autoestima

Como se posicionar?

Sabe aquela pessoa que sempre se comporta de forma rígida e agressiva? Você tem dificuldade em se posicionar quando isso acontece e acaba se sentindo constrangido ou com algum receio ou trava quando alguém te trata dessa forma? Se você quer aprender a se posicionar, esse vídeo é para você!
Leia mais

Ansiedade

O medo é um sentimento inato que nasce conosco. Já a ansiedade é um sentimento secundário oriundo do medo. Ela é um sentimento que todos nós temos, não há ninguém que tenha uma ansiedade zero. Assim sendo, a ansiedade basal de todos os seres humanos estão sempre maior que zero.
Leia mais

Como reduzir a celulite

A celulite é um processo de desestruturação em que a pele perde seu aspecto firme. Atualmente afeta cerca de 98% das mulheres de todo o mundo. Será que a alimentação pode contribuir na diminuição da celulite? A resposta é SIM e pode ser mais fácil do que você imagina! Assista ao vídeo completo e saiba como.
Leia mais
Como reduzir a celulite

Dicas para melhorar a sua Autoestima

Autoestima é uma auto avaliação positiva ou negativa, envolvendo o sentimento acerca de si próprio (como eu me sinto) e o autojulgamento a partir do que a sociedade impõe (como ''devo'' me sentir).
Leia mais
Dicas para melhorar a sua Autoestima

Você pensa sobre seus medos?

O medo é um estado emocional muito importante, associado ao nosso mecanismo de proteção, sobrevivência e adaptação. Os medos estão relacionados a característica do objeto, contexto ou situação temida, mas também a avaliação subjetiva desses fatores. A forma como pensamos as situações, impacta diretamente em como nos sentimos e lidamos com elas. O que acha de avaliarmos nossos medos?
Leia mais
Você-pensa-sobre-seus-medos

Compulsão por trair existe?

Muitos casais estabelecem um acordo em que se comprometem a permanecer fiéis ao amor que professam um pelo outro. Quando um dos dois rompe esse acordo, falamos de infidelidade. A pessoa que comete a infidelidade geralmente a oculta porque sabe o que significa, e intui algumas das consequências que pode ter, embora mais tarde possa confessar ou ser descoberta. Seja como for, a pessoa que é vítima da infidelidade sofre uma dupla sensação de traição: uma traição a ela e ao relacionamento.
Leia mais
Tenha o total controle das suas emoções conte com a Casule para o seu bem-estar.
Share This