Tratamento-de-doenças-crônicas---psicóloga---Suelen---Casule

O papel do psicólogo no tratamento de doenças crônicas

Atualizado em 05/12/2018
Por Suelen Tebaldi

O papel do psicólogo no tratamento de doenças crônicas

Atualizado em 05/12/2018
Por Suelen Tebaldi
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

O papel do psicólogo no tratamento de doenças crônicas

Muitos profissionais da saúde se uniram em diversas especialidades com o intuito de promover novas formas de cuidados e assistência  a pessoas com doenças crônicas e possibilitar uma melhor qualidade de vida.

A doença crônica se caracteriza como um estado patológico permanente, que produz alterações psicológicas irreversíveis e requer um longo processo de reabilitação, observação, controle e cuidados. Alguns exemplos de doenças crônicas são: diabetes, doença de Alzheimer, hipertensão, asma e doenças autoimunes.

As doenças crônicas podem acompanhar durante muito tempo a vida de uma pessoa ou toda a sua vida e, neste último caso, não há cura, apenas tratamentos periódicos, tornando-se assim numa ameaça ao bem-estar e à qualidade de vida. Além da parte física, as doenças crônicas também apresentam efeitos emocionais e psicológicos que podem ser devastadores e até influenciarem o processo de tratamento.

Cada doença tem as suas especificidades, seja o número de horas que a pessoa tem de passar em serviços de saúde, as alterações na alimentação, o tempo recomendado de descanso, a possível ausência do trabalho, menos rendimento, etc. Nas situações em que a pessoa precisa de alguém para se deslocar ou para realizar alguma atividade do quotidiano, as dificuldades emocionais da gestão da doença tendem a piorar.

A Psicologia contribui para ajudar esse paciente a manter equilíbrio e entender o funcionamento dos conflitos enfrentados devido a patologia vivenciada. É papel do psicólogo oferecer ao paciente instrumentos terapêuticos para ajudá-lo a diminuir seu sofrimento e ter uma compreensão mais ampla sobre sua desorganização psíquica e encorajá-lo a criar novas possibilidades de enfrentamento.

Conviver com uma doença que não tem cura não deve significar render-se, abdicando de sonhos e objetivos. Por mais grave que uma patologia seja, por mais cruel o seu diagnóstico, o paciente precisa sempre contar com o acompanhamento psicológico em busca de um caminho menos doloroso.

A finitude do ser humano provavelmente será para sempre a mais complexa das questões humanas. Ter uma doença crônica, muitas vezes, significa lidar de maneira muito direta com esse difícil conflito existencial.

São situações de instabilidade psicológica e emocional, em que toda a equipe médica, o meio social e familiar exigem atenção do psicólogo. É ele quem poderá direcionar todos para um tratamento mais humanizado e para uma melhor comunicação entre o paciente e os demais afetados.

Diferentes doenças, diferentes reações

Nem toda doença crônica ocasionará efeitos traumáticos sobre a vida e o bem-estar dos pacientes. Mesmo que exijam cuidados constantes, alguns distúrbios provocarão sintomas mais brandos, sem afetar gravemente o indivíduo.

Outros casos já exigem um acompanhamento psicológico mais cauteloso. A própria depressão e o transtorno bipolar podem ser doenças crônicas ou, ainda, se manifestar em pessoas que sofram de outras patologias irreversíveis.

Distúrbios que apresentem efeitos mais acelerados exigem bastante atenção para o emocional dos pacientes.

O psicólogo precisa, nesses casos, se aproximar do drama do paciente e da família, contribuindo para seu entendimento existencial, para a aceitação de tratamentos possíveis e, até mesmo, para uma compreensão menos dolorosa de um destino inevitável.

Os mecanismos de defesa

terapia-online-casule-banner

Ainda que cada reação às doenças crônicas seja única, alguns comportamentos são identificados com grande frequência. Ter que encarar um diagnóstico sem cura leva o paciente a refletir sobre aspectos muito complexos como sua própria existência, suas perdas e sua morte.

Diante desse quadro, ele pode disparar alguns mecanismos de defesa que o ajudarão a lidar com suas angústias. Alguns dos mecanismos mais comumente apontados são:

Regressão

Algumas enfermidades afetarão a independência dos pacientes. Por consequência das doenças crônicas, pode-se necessitar de cuidados mais constantes. Nesses casos é comum o paciente assumir uma postura infantilizada, embarcando em um jogo de atenção e cuidados.

Negação

Nota-se bastante a negação de alguns quadros essencialmente relacionados ao psicológico, como a dependência química e a própria depressão. Mas o mecanismo de recusa também se apresenta em outras doenças crônicas, independentemente de terem ou não sintomas muito facilmente detectáveis.

Negando o diagnóstico o paciente também recusará tratamentos, o que pode ocasionar uma progressão mais acelerada do seu distúrbio.

Aceitação

Aceitando seu diagnóstico, o paciente pode adquirir uma postura de investigação, explorando ao máximo os conhecimentos sobre a sua doença, sua condição pessoal e suas perspectivas. Esse mecanismo pode ser bem direcionado, mas precisa de atenção para que o paciente não adquira um comportamento obsessivo.

Perante esta situação, existem algumas questões fundamentais que ajudam a uma maior aceitação da doença e a uma maior procura de alternativas que aumentam o bem-estar do paciente:

  • Procurar um médico com o qual se identifique e seguir o tratamento de forma adequada;
  • Juntar-se a um grupo de apoio e assim perceber que não está sozinho com a doença e que há várias pessoas na mesma situação;
  • Manter um exercício físico regular adequado à sua situação clínica, um dieta equilibrada e cuidados preventivos, além do tratamento clínico;
  • Manter-se ativo socialmente, permitindo a aproximação de familiares e amigos, e participar em atividades que promovam o bem-estar psicológico;
  • Reconhecer e aceitar que, durante o tratamento, poderão haver dias bons e maus;
  • Lembrar-se sempre que as pessoas são muito mais do que a sua doença;
  • Procurar apoio psicológico, mesmo quando se tem um bom suporte familiar e de amigos. A ajuda de um profissional de saúde mental pode ser necessária e também muitas vezes aconselhável para os membros da família que lidam com a doença de um ente querido.

Fontes:

https://maismaismedicina.wordpress.com/2016/01/18/o-papel-do-psicologo-no-tratamento-de-doencas-cronicas/

http://actinstitute.org/blog/diagnostico-nao-e-sentenca-a-relacao-de-psicologos-e-doencas-cronicas/

http://www.psicologia.pt/artigos/ver_carreira.php?viver-com-uma-doenca-cronica&id=364

Guia com as 15 Técnicas para reduzir a ansiedade
Casule Play

O papel do psicólogo no tratamento de doenças crônicas

Se você quiser saber mais ou conversar com um dos nossos profissionais sobre O papel do psicólogo no tratamento de doenças crônicas, você pode  agendar o seu horário clicando aqui.


Ou você pode ver mais sobre Terapia Online, Acompanhamento semanal com nossa Nutricionista ou Como ter mais produtividade com o nosso Coach!
Suelen Tebaldi, aqui no Blog.
Psicóloga, terapeuta cognitiva comportamental, apaixonada pela escuta e pelo relacionamento com as pessoas. "Psicóloga da família" desde pequena, vive e ama essa profissão e todos os seus desafios. Conheça o meu Instagram. | Clique para marcar uma consulta comigo

O que você achou deste conteúdo?
Conte nos comentários sua opinião sobre: O papel do psicólogo no tratamento de doenças crônicas.


0 comentários

Mães-Narcisistas
Mães Narcisistas

Mães Narcisistas

O termo “narcisismo” já faz parte da cultura ocidental há mais de século. Tem origem no mito grego de Narciso, rapaz jovem e orgulhoso cuja beleza era admirada por todos. Em uma caminhada ao lado de um rio, Narciso vê seu reflexo na água pela primeira vez. Apaixonado pela própria imagem, ele se mantém junto ao rio para melhor apreciá-la. Por recusar-se a abandoná-la, Narciso morre no local, admirando a si mesmo.
Insonia
Insônia

Insônia

Algumas pessoas enfrentam dificuldades na hora de dormir, seja para iniciar ou manter o sono, como por exemplo, acordam muito mais cedo do que estão habituadas e não conseguem voltar a dormir, acordam no meio da noite ou dormem durante toda a noite e acordam com a sensação de cansaço. Assim, a insônia é caracterizada como a incapacidade de conciliar o sono, seja para adormecer ou permanecer dormindo. “É possível identificar suas causas?” Sim, em sua maioria são consideradas psicofisiológicas.

Compulsão por trair existe?

O que é traição para você? Será que quem trai uma vez, vai trair sempre? Isso é uma doença? Você perdoaria uma traição? E mais de uma?
Leia mais
Compulsão-por-trair-existe-BLOG

Os Efeitos Psicológicos da Pandemia

Muito se fala sobre os impactos físicos que o Covid-19 pode trazer ao corpo. Mas ainda é pouco falado sobre o agravamento dos quadros de transtornos mentais que a Pandemia gerou.
Leia mais

Metáfora do alarme desregulado e a ansiedade

Pra que serve um alarme em casa? Para dar segurança e avisar quando a casa é invadida, por exemplo. Imagina se esse alarme está desregulado e ele começa a disparar quando não tem invasão ou até mesmo quando um amigo seu vem te visitar.
Leia mais
Metáfora do alarme desregulado e a ansiedade blog casule

O que é a terapia de Aceitação e Compromisso (ACT) e como ela pode te ajudar

A Terapia de Aceitação e Compromisso ou ACT (Acceptance and Commitment Therapy) foi desenvolvida nos Estados Unidos pelo psicólogo Steven Hayes e por seus colegas Kelly Wilson e Kirk Strosahl. Ela tem se mostrado altamente eficaz na solução de uma série de problemas, desde depressão, ansiedade, dor crônica e até mesmo vício em drogas.
Leia mais

Por que não dá para fugir do que te causa ansiedade?

Um comportamento muito comum em quem sofre de ansiedade é fugir do que a causou. Para uma pessoa que tem medo de falar em público – que tem crises de ansiedade só de pensar que vai estar na frente de uma plateia falando sobre algum assunto – recusar um convite para dar a palestra vai trazer um alívio imediato dos sintomas. Mas será que o problema foi resolvido?
Leia mais

Quando eu devo perdoar meu parceiro?

A reposta para esta pergunta é SEMPRE! Sempre Cris? Mas ele não merece!!! O perdão não é para ele… porque ele merece… é para você! Porque você merece PAZ! Te explico melhor aqui neste vídeo. Vem Comigo!!!
Leia mais

Como ter inteligência emocional?

Quanto maior a inteligência emocional, maior a qualidade das relações e interações sociais. Você já parou para pensar como podemos ter mais inteligência emocional?
Leia mais

Rede Social x Saúde Mental

Existem muitas pesquisas que relacionam problemas de saúde mental, principalmente depressão e ansiedade, com o uso excessivo das redes sociais. Mas o que acontece para que um número cada vez maior de pessoas se sinta atraída como se estivessem hipnotizadas, mesmo sabendo o quanto esse hábito em excesso pode ser prejudicial à saúde mental?
Leia mais

Como lidar com a Ansiedade diante da chegada de um Novo Ano?

A chegada do Ano Novo traz consigo a ideia de Recomeço! Para muitas pessoas, representa esperança, prosperidade e expectativas positivas para ”uma nova vida”. Nessa época, também é comum nos sentirmos ansiosos pela vontade de renovação e mudança. Mas, não podemos nos esquecer que a Ansiedade é uma sensação normal e nem sempre ruim. Ela faz parte do nosso instinto de proteção e nos prepara para lidar com as situações de perigo ou estresse.
Leia mais
Como lidar com a Ansiedade diante da chegada de um Novo Ano
Tenha o total controle das suas emoções conte com a Casule para o seu bem-estar.
Share This