Processamento auditivo é um processo complexo que envolve diversas áreas cerebrais com a finalidade de perceber, organizar e integrar estímulos auditivos exclusivos ou concorrentes que permitem a identificação e a compreensão dos mesmos. Pessoas com o distúrbio de processamento auditivo escutam os sons, mas têm dificuldades de entendê-los, armazená-los e localizá-los.  O DPAC (Distúrbio do processamento auditivo central) é uma falha no sistema nervoso central. 

Algumas caraterísticas que pessoas com DPAC podem apresentar:

  • Dificuldade de ouvir o interlocutor na presença de ruído;
  • Dificuldade de localizar de onde vem o som;
  • Dificuldade de ler instruções e interpretá-las. Um exemplo é em relação às regras de jogos: há a capacidade de lê-las, mas a compreensão fica prejudicada;
  • Problemas em interpretar ritmo, ênfase e entonação;
  • Grande esforço para se manter concentrado;
  • Problemas de leitura, escrita e linguagem (dificuldade de contar uma estória, por exemplo).

O TDAH, por sua vez, é um distúrbio de atenção associado à hiperatividade e impulsividade, levando a problemas de atenção seletiva e sustentada, memória operacional e funções executivas com consequências na interação social, aprendizagem e organização temporal, espacial e executiva. Não existem exames específicos para seu diagnóstico, o qual depende da coleta de dados dos pais e da escola, sendo estes confrontados com os critérios do DSM-5 e escalas de avaliações específicas. 

TDAH---blog-Casule---fonoaudióloga-Maria-Rezende

Características que pessoas com TDAH podem apresentar:

  • Hiperatividade;
  • Desorganização motora e espacial;
  • Dificuldade de controle inibitório; 
  • Oscilação brusca de humor frente às frustrações;
  • Déficit de memória de trabalho não verbal e de funções executivas (pouca percepção de erros); 
  • Dificuldade em lidar com o tempo de cumprimento de tarefas, desorganização geral. 

Características comuns entre pessoas com DPAC e TDAH:

  • Desatenção auditiva;
  • Pouca memorização auditiva;
  • Dificuldades de leitura e de escrita e baixo rendimento escolar.

É importante que, em relação à criança a ser diagnosticada, na eminência de um destes dois transtornos, seja investigada a presença concomitante do outro. Como o diagnóstico do DPAC é realizado por meio de testes e exames bem específicos, muitas vezes descobre-se o DPAC e esquece-se da possibilidade da criança também ter TDAH. 

Participe e aprenda mais sobre bem-estarPowered by Rock Convert

Tratamento indicado:

Para Distúrbio de Processamento Auditivo

Todas as dificuldades que aparecem no DPAC podem ser revertidas se tratadas adequadamente por equipe multiprofissional. O trabalho específico do profissional de Fonoaudiologia é, de forma direta, a intervenção terapêutica denominada Treinamento Auditivo. O Treinamento Auditivo, baseando-se no fato de que o cérebro humano é um órgão capaz de modificar e reorganizar suas conexões neurais, é uma técnica terapêutica que busca produzir essa reorganização neural no paciente por meio da aplicação de exercícios específicos e estimulação verbal e não verbal em diferentes contextos clínicos. A intervenção indireta ocorre com a orientação aos pais e aos educadores quando a adaptações necessárias na rotina diária.

Para TDAH

Além do uso de medicação, na diminuição e controle dos sintomas de TDAH são utilizadas algumas eficientes terapias, muitas vezes com atuação de equipe multiprofissional, e que tendem a produzir melhora considerável nos pacientes. A atuação do profissional de Fonoaudiologia envolve, a depender do quadro clínico específico de cada paciente: o aprimoramento das habilidades comunicativas (organização do discurso e ampliação do repertório linguístico), o aprimoramento do processamento auditivo (principalmente em relação às habilidades de atenção auditiva), e a aquisição ou aprimoramento das habilidades de leitura e escrita.

Palavras chaves: Distúrbio de Processamento auditivo central, TDAH, sintomas, tratamento.

Fonte: scielo, Neurosaber