Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH)

Atualizado em 01/07/2015
Por Nayara Benevenuto

Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH)

Atualizado em 01/07/2015
Por Nayara Benevenuto
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH)

tdah-revista-professor

Transtorno do Déficit de Atenção / Hiperatividade (TDAH) é o termo que tem sido utilizado para denominar crianças que apresentam um padrão comportamental caracterizado por hiperatividade e/ou desatenção/impulsividade, acima do esperado para a faixa etária ou estágio de desenvolvimento.

O TDAH, considerado um problema neuropsiquiátrico, tem como principais manifestações a desatenção, a impulsividade e a hiperatividade. De origem biológica marcada pela hereditariedade, manifesta-se antes dos sete anos de idade, podendo persistir até a idade adulta.

Embora pacientes com diagnóstico de TDAH tenham características comuns, existe grande variabilidade na forma e no comportamento individual de crianças em vários contextos. Muitas destas crianças, entretanto, são alvos de críticas freqüentes e excessivas. Essas críticas e a falta de paciência, perfeitamente compreensíveis sob a perspectiva dos pais ou cuidadores, muitas vezes fazem com que a criança retraia-se, apresente auto-estima diminuída ou manifeste comportamento agressivo e impulsivo.

O tratamento medicamentoso tem sido freqüentemente indicado após o diagnóstico de TDAH. A medicação mais utilizada é o estimulante metilfenidrato (ritalina), o qual promove uma melhora significativa do problema. A inquietude sem um propósito definido torna-se mais dirigida a um objetivo, e a atenção sustentada melhora assim como a impulsividade. Respostas sociais positivas também foram observadas. Mas como funciona esse medicamento? Os estimulantes são assim denominados por causa da sua capacidade de aumentar o nível de atividade do cérebro. Por que então eles não fazem as pessoas mais hiperativas? Porque parece que a área cerebral que eles ativam é a responsável pela inibição comportamental e manutenção da atenção. Assim, aumenta o controle do cérebro sobre o comportamento. Esta área corresponde àquela onde se acredita estar as principais alterações responsáveis pelo TDAH

Além do tratamento medicamentoso, uma abordagem múltipla, que inclui intervenções psicossociais e farmacológica, tem sido relatada em estudos. Assim, é importante enfatizar a importância e o impacto positivo que o apoio familiar, escolar e social pode ter sobre o manejo do problema. Estimulada e apoiada, a criança participa ativamente do tratamento, evidenciando freqüentemente criatividade e entusiasmo no manejo das dificuldades associadas ao TDAH.

Características do TDAH

A característica básica do TDAH é a presença de desatenção e/ou hiperatividade/impulsividade, com freqüência e intensidade superiores às tipicamente observadas em crianças do mesmo sexo e nível de desenvolvimento, que comprometem o funcionamento em pelo menos dois contextos (na escola e em casa).

As principais dificuldades apresentadas por estas crianças incluem manter a atenção concentrada, esforçar-se de forma persistente e manter-se vigilante. Embora possam estar presentes em ambientes pouco restritivos (parquinhos, clubes), estas dificuldades ficam mais evidentes em situações que requerem atenção por longos períodos de tempo e durante a realização de tarefas repetitivas, como ocorre na escola.

A criança com TDAH pode demonstrar falha importante na produção escrita, devido ao déficit visual motor, causando desta forma, dificuldade de coordenação viso-motora e, conseqüentemente, baixa resposta motora. Pode apresentar dificuldades em tarefas nas quais tenha de escrever, desenhar, traçar e copiar. Ocasionalmente, a criança pode perseverar em uma mesma atividade por uma considerável quantia de tempo, tendo uma coordenação visual-motora pobre. Essas crianças apresentam também leitura deficiente, tendo dificuldade em associar compreensão fonética aos sons das letras do alfabeto e habilidades relacionadas, como também, dificuldade de compreensão, observada em exercícios de interpretação de textos, apesar de apresentar um bom vocabulário. Demonstra erros de memória. Esquece instruções, direções e lições. A retenção geral de informação é difícil para ela; demonstra dificuldades para lembrar informações, se não tiver pistas visuais, pois trabalha melhor em nível concreto. As dificuldades de atenção e a falta de controle, que caracterizam esse transtorno, intensificam-se em situações de grupo, dificultando, ainda mais, a percepção seletiva dos estímulos relevante, a estruturação e a execução adequada das tarefas (como observado na sala de aula e nas aulas de educação física, por exemplo).

Sintomas

Sintomas da desatenção:

  • Não presta atenção a detalhes, como, por exemplo, na escola, não copia da lousa uma frase completa, não acentua palavras corretamente, não pinga o i e não corta a letra t;
  • Ao fazer contas de somas, faz de subtrair. Não porque não sabia, mas porque não prestou atenção no sinal;
  • Pode apresentar o trabalho escolar confuso e desorganizado.
  • Escreve no caderno do final para o começo, pula folhas, passa o conteúdo de história para a parte que é de português, e seus cadernos, geralmente, não têm capas e as folhas destes possuem “orelhas”;
  • Os materiais para a realização das tarefas em geral ficam espalhados, manuseados com descuido ou se perdem e se danificam;
  • Sua mochila escola, assim como seu guarda-roupa, está sempre uma “bagunça”. Nunca encontra o que procura;
  • Evita atividades que envolvam atenção, como leitura ou brincadeiras de tabuleiro (dama, xadrez), pois considera difícil persistir em uma mesma tarefa até o seu término. Dá a impressão de estar com a mente em outro lugar, ou de não escutar o que acabou de ser dito, estando sempre perguntando O quê? O que você falou mesmo?;
  • Apresenta freqüentes mudanças de uma tarefa inacabada para outra;
  • Dificilmente consegue terminar o trabalho escolar, alegando que não tem tempo suficiente para acabar de copiar a lição da lousa, ou que o colega da frente conversou muito e acabou atrapalhando;
  • Evitam, ao máximo, deterem-se em atividades que exijam dedicação, organização e concentração e que tenham que “perder” tempo para “pensar”;
  • Distraem-se facilmente com estímulos sem importância e interrompem as tarefas que estão realizando para dar atenção aos barulhos e ruídos alheios, que são facilmente ignorados por outras crianças;
  • Tendem a esquecer coisas nas atividades diárias. Esquecem-se de levar lanche, de levar material necessário para a escola (lápis, borracha), de entregar os trabalhos, do dia da prova e de dar recados importantes.
  • Parecem estar sempre no “mundo da lua”;

Sintomas de hiperatividade (atividade motora excessiva):

  • A criança apresenta atividade corporal excessiva e desorganizada, geralmente sem ter um objetivo concreto;
  • Podem surgir, em função dessa atividade motora desorganizada, dificuldades em nível de motricidade grossa (por exemplo, dificuldades de coordenação visual-manual), observando-se movimentos involuntários de dedos que interferem na realização de certas tarefas;
  • Inquietação (remexer-se na cadeira, não permanecer sentado quando deveria, correr ou subir excessivamente em coisas quando inapropriado, dificuldade em brincar ou ficar em silêncio durante as atividades de lazer, parecer estar a “todo vapor” ou “cheio de gás”, ou ainda, falar em excesso);
  • Na fase adulta, os sintomas de hiperatividade assumem a forma de sensações de inquietação e dificuldade para envolver-se em atividades tranquilas, sedentárias e rotineiras.

Sintomas de impulsividade ou falta de autocontrole:

  • Observa-se uma tendência à satisfação imediata de seus desejos e pouca tolerância à frustração;
  • Impaciência
  • Dificuldade para adiar respostas, respondendo precipitadamente, antes que as perguntas tenham sido completadas;
  • Dificuldade para aguardar a sua vez na fila;
  • Interrupção freqüente ou intrusão nos assuntos de outros, a ponto de causar dificuldades em contextos sociais, escolares ou profissionais, ou ainda, dificuldade em se expressar adequadamente;
  • Fazem comentários inoportunos, interrompendo demais os outros, interferindo em assuntos alheios, pegando objetos dos outros, mexendo em coisas que não deveria tocar e fazendo “palhaçadas”;
  • Derrubar com facilidade objetos das mãos, não olhar por onde anda, tropeçar em objetos e colidir com pessoas, podendo se envolver em atividades perigosas sem analisar suas conseqüências;
  • Não tem medo do perigo;
  • Geralmente não pensam antes de agir;
  • Podem reagir emocionalmente a algum estímulo com choro, birra ou explosão de raiva, às vezes sob a forma de agressão direta ou atacando o outro verbalmente;
  • Para alguns, há um predomínio de um sintoma em relação ao outro, podendo haver pessoas que apresentam os sintomas tanto de desatenção quanto de hiperatividade e impulsividade; outras em que estão presentes principalmente sintomas de desatenção; e outras que apresentam principalmente sintomas de hiperatividade.

Prevalência, Evolução e Impacto do TDAH

A prevalência do transtorno é estimada de 3 a 7% em crianças em idade escolar, com maior freqüência para o sexo masculino. A proporção de menino para menina varia de 4:1 a 9:1.

Como o TDAH é um problema crônico, pode ter um impacto significativo ao longo da vida, atingindo o desempenho acadêmico e as relações sociais e familiares.

O TDAH pode dificultar os relacionamentos afetivos e sociais, e a impulsividade gerar rejeições entre colegas de escola e professores. Características negativas podem estar associadas aos diferentes estágios de desenvolvimento. São acumuladas, podendo levar a sérios comprometimentos futuros: baixa auto-estima até os sete anos, problemas de comportamento, atraso na aquisição do repertório acadêmico e déficit em habilidades sociais até os 11 anos. Dos 13 anos até a idade adulta, comportamento desafiador e opositivo, comportamento criminoso, expulsão da escola, abuso de substâncias, baixa motivação e dificuldades de aprendizagem.

Em síntese, o TDAH é um transtorno comum na infância e pode ter um impacto significativo sobre o desenvolvimento posterior. O tratamento requer uma abordagem sistêmica, uma vez que nenhum tipo de tratamento abrange todas as dificuldades experimentadas por estas crianças e adolescentes. Os enfoques terapêuticos importantes incluem educação sobre o transtorno para todos que têm contato com a criança, como família e professores. Orientações de como lidar com esse transtorno são necessárias para os pais e a escola, dois pilares essenciais para o desenvolvimento da criança.

A orientação e/ou aconselhamento de pais ou cuidadores e professores visam facilitar o convívio familiar, escolar e social. Não apenas porque auxiliam na compreensão do comportamento do portador do TDAH, mas também porque incluem o ensino de técnicas para auxiliar no manejo dos sintomas e prevenção de problemas.

Em Juiz de Fora, oferecemos tratamento especializado, de base cognitivo-comportamental, na Casule Saúde e Bem-estar. Acesse nosso site!

Nayara Benevenuto Peron

Psicóloga e Terapeuta Cognitivo-Comportamental da Casule Saúde e Bem-estar

Referências:

Transtorno de Déficit de Atenção / Hiperatividade: Atualização Diagnóstica e Terapêutica – Um guia de orientação para profissionais (Benczik, 2000) Casa do Psicólogo; e no artigo Transtorno de Déficit de Atenção / Hiperatividade(TDAH): uma orientação para a família (Desidério & Miyazaki). Revista Psicol. esc. educ. v.11 n.1 Campinas jun. 2007.

PSICÓLOGA Especialista em terapia cognitiva-comportamental com adultos e tem formação em terapia cognitiva sexual além de atuar na avaliação bariátrica. Clique para marcar uma consulta comigo
Casule Play

Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH)

Se você quiser saber mais ou conversar com um dos nossos profissionais sobre Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), você pode  agendar o seu horário clicando aqui. Ou você pode ver mais sobre Terapia Online, Acompanhamento semanal com nossa Nutricionista ou Como ter mais produtividade com o nosso Coach!
Nayara Benevenuto, aqui no Blog.
PSICÓLOGA Especialista em terapia cognitiva-comportamental com adultos e tem formação em terapia cognitiva sexual além de atuar na avaliação bariátrica. Clique para marcar uma consulta comigo

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários sua opinião sobre: Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH).

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

A mulher em cada fase do ciclo menstrual

Mulher, você sente que seu humor muda muito em cada momento do mês? Isso pode estar relacionado a cada fase do ciclo menstrual. Venha ver esse vídeo, se conhecer e entender como agir em cada momento desta fase.
Leia mais

Vivendo no piloto automático

Você sabia que você pode estar vivendo no piloto automático? No vídeo de hoje vamos falar sobre como podemos ter pensamentos, sentimentos e comportamentos sem mesmo nos darmos conta que eles estão lá!
Leia mais

As 5 linguagens do autoamor

Neste vídeo, Cris Schumann fala sobre as 5 linguagens do autoamor e a como desenvolver uma admiração e valorização maior sobre si mesmo.
Leia mais
Tenha o total controle das suas emoções conte com a Casule para o seu bem-estar.
Share This