Síndrome da Boazinha- Você já ouviu falar sobre ela

Síndrome da Boazinha: Você já ouviu falar sobre ela?

Atualizado em 24/03/2021
Por Redatora Casule

Síndrome da Boazinha: Você já ouviu falar sobre ela?

Atualizado em 24/03/2021
Por Redatora Casule
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Síndrome da Boazinha: Você já ouviu falar sobre ela?

Aperte o play para escutar este conteúdo.

Você conhece alguém que sempre precisa da aprovação do outro, que se colocam em segundo plano, necessitam agradar todos ao redor e sentem dificuldade em dizer não, mesmo que não tenha tempo ou não tenha interesse para atender tais solicitações? Se sim, talvez você sofra com a “Síndrome da Boazinha”.

Na verdade, apesar de não ser uma doença reconhecida em manuais de psiquiatria, a “Síndrome da Boazinha” é um padrão de comportamento proposto pela psicóloga Harriet B. Braiker em seu Best Seller. Ela utiliza essa metáfora para ilustrar as pessoas que criam a regra de agradar todo mundo a todo momento como forma de evitar conflitos ou por medo de serem rejeitadas, abandonadas ou não amadas, pois se eu desagrado alguém eu automaticamente perco o meu valor. Ou seja, para elas seu valor está nas coisas que fazem pelos outros e não em quem são.

Mas, de onde surge esse comportamento?

Vale destacar que apesar desse comportamento atingir mais as mulheres, uma vez que nossa sociedade ainda carrega a ideia de que as mulheres devem atender os desejos e necessidades do outro, os homens também podem sofrer com essa condição. 

Esse padrão de comportamento geralmente surge na infância devido a necessidades básicas que não foram atendidas, crenças limitantes ou educação extremamente rígida e agressiva. Nesse sentido, a criança cresce com a convicção de que se não atender os desejos dos pais não serão amados, pois para eles o amor está associado à obediência às regras, caso contrário serão punidos. Com isso, tornam-se adultos inseguros, com autoestima baixa, com dificuldade de expressar suas necessidades e sentimentos e sentem medo de serem mal vistos, de ficarem sozinhos ou de não atender as demandas alheias.

Quais prejuízos eu tenho com esse comportamento?

A princípio, não há nada de errado em querer agradar quem amamos. O problema é quando essa atitude começa a gerar na pessoa uma preocupação excessiva em sempre corresponder às expectativas alheias, estresse, sensação de esgotamento, sente-se sobrecarregada de atividades. Ela também negligencia as próprias necessidades e interesses, isto é, ela deixa de se ouvir, esquece seus objetivos, sente-se insatisfeita, angustiada e frustrada por não atingi-los. Tudo isso causa efeitos desastrosos sobre a sua saúde mental e física como, por exemplo, dores crônicas, doenças, transtornos psiquiátricos como ansiedade, depressão e até algumas compulsões como a alimentar e por compras.

Além disso, as pessoas que sofrem com a “Síndrome da Boazinha” também têm dificuldades nos relacionamentos familiares, profissionais e, principalmente, nas relações amorosas. Justamente por não se expressarem, não impor limites, frequentemente são enganadas, usadas e ainda correm o risco de sofrerem em relacionamentos tóxicos, abusivos ou de realmente serem abandonadas, pois nem todo mundo consegue tolerar esse comportamento por muito tempo.

Vale lembrar também que quando você tem vontade de dizer não pro outro, mas ainda assim você diz sim, na verdade, você está dizendo não para si mesmo(a). Dessa forma, nem você amadurece porque fica o tempo todo fazendo o que o outro espera de você,  nem o outro amadurece, pois lidar com não, lidar com a frustração faz parte do processo de amadurecimento.

Me identifiquei com esse comportamento, e agora?

Mudar esse padrão de comportamento nem sempre é um processo fácil, mas é possível. Contudo, algumas dicas paliativas também podem te ajudar a lidar melhor com essa situação:

terapia-online-casule-banner

Seja assertivo(a)

A primeira dica para começar a romper com esse padrão de comportamento é falar sobre você e não do outro, pois dessa forma a sua opinião não será interpretada como uma crítica, mas como mais uma possibilidade de interpretar a situação.

Pense antes de falar

Evite dar respostas imediatas e ensaie frases ou estratégias que possam te ajudar a ganhar tempo, por exemplo “Maria, no momento estou ocupada, te ligo em breve para te dar uma resposta.”. Assim, você evita responder no calor das emoções e ganha tempo para considerar todas as opções.

Identifique os prós e os contras de cada opção

Essa também é uma dica importante, portanto escreva num papel todos os benefícios e prejuízos de cada uma das suas opções. Dessa forma, você ficará muito mais seguro(a) para dar a sua resposta seja ela um “sim”, um “não” ou fazer uma nova sugestão.

Compreenda que o seu valor não está no que você faz

Pessoas que dizem não de forma assertiva sabem seu valor, sabem seus limites, é uma pessoa segura. Aprenda a dizer sim a você mesmo e não para aquilo que não é importante ou não faz sentido para você.

Por fim, ao perceber que essa situação está te causando algum sofrimento, procure imediatamente um profissional, psicólogo ou psicoterapeuta para te ajudar com essa dificuldade e realizar alguns ajustes para que as coisas voltem ao equilíbrio.

Terapia Casule

A Casule é uma clínica que pensa na sua saúde e no seu bem-estar que atende de forma presencial e online. Isso faz que possamos cuidar de pessoas em qualquer parte do Brasil e do Mundo!

Venha nos conhecer! Marque uma conversa com nossos terapeutas clicando aqui!

Curtiu o texto? Fica a vontade para relaxar com a gente, conheça nossos áudios de relaxamento, é GRÁTIS!

Compartilhe também a Casule em suas redes sociais, InstagramFacebook e Youtube.

Guia com as 15 Técnicas para reduzir a ansiedade
Sou focada em achar o melhor conteúdo que já foi publicado na rede e trazer informações que são relevantes e agregam valor para você.
Casule Play

Síndrome da Boazinha: Você já ouviu falar sobre ela?

Se você quiser saber mais ou conversar com um dos nossos profissionais sobre Síndrome da Boazinha: Você já ouviu falar sobre ela?, você pode  agendar o seu horário clicando aqui. Ou você pode ver mais sobre Terapia Online, Acompanhamento semanal com nossa Nutricionista ou Como ter mais produtividade com o nosso Coach!
Redatora Casule, aqui no Blog.
Sou focada em achar o melhor conteúdo que já foi publicado na rede e trazer informações que são relevantes e agregam valor para você.

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários sua opinião sobre: Síndrome da Boazinha: Você já ouviu falar sobre ela?.

1 Comentário

  1. Roberto Passos

    Muito bom. Gostei!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dicas para melhorar a concentração

A técnica de autoinstrução é utilizada na psicoterapia para ampliar a atenção em certos eventos, diminuir a impulsividade e aumentar o controle verbal para pessoas que possuem TDAH ou outras demandas.
Leia mais

Como desenvolver o autoconhecimento

O autoconhecimento é muito importante em todos os aspectos da nossa vida. Por isso, nesse vídeo eu trouxe alguns pontos que podem te ajudar a desenvolver o autoconhecimento.
Leia mais
Como desenvolver o autoconhecimento

Sinais de um relacionamento abusivo

Quando conhecemos alguém no início tudo são flores e amores, porém, com a convivência vem as brigas, os desentendimentos, as discordâncias... Mais até aí tudo bem, afinal, todo relacionamento tem dessas coisas, não é mesmo?
Leia mais
Aprenda a identificar um relacionamento abusivo

4 dicas para criar mais intimidade no seu Relacionamento

A intimidade nos relacionamentos é o resultado de uma série de interações entre duas pessoas onde são reveladas informações pessoais sobre aspectos centrais de suas vidas, ao mesmo tempo que ocorre uma atitude de validação e acolhimento por parte de quem recebe essas informações.
Leia mais
intimidade no relacionamento

Família tóxica: será que você vive em uma?

Viver com familiares tóxicos trazem diversos problemas a nossa saúde, muitas vezes são pessoas negativas que agem "sem perceber" e que acabam com nossa saúde mental. Neste vídeo, trouxe estratégias para te ajudar a conviver com uma família toxica.
Leia mais
Familia tóxica BLOG
Tenha o total controle das suas emoções conte com a Casule para o seu bem-estar.
Share This