Choque de realidade pode causar a depressão pós-casamento
15 de abril de 2015
Quais os sintomas da Dislexia?
17 de abril de 2015

Atenção plena: práticas para melhorar o bem-estar físico e emocional

Este é um mundo agitado. Você dobra a roupa enquanto mantém um olho nas crianças e outro na televisão. Planeja seu dia enquanto ouve o rádio e desloca-se para o trabalho e, em seguida, planeja seu fim de semana. Mas na pressa de realizar tarefas necessárias, você pode se ver perdendo sua conexão com o momento presente – perdendo o que está fazendo e como está se sentindo. Você notou se estava descansado esta manhã ou que havia margaridas ao longo do trajeto para o trabalho?

Atenção plena (mindfulness, em inglês) é a prática de, propositadamente, focalizar sua atenção no momento presente e aceitá-lo sem julgamento. Atualmente sob exame científico, ela já é considerada um elemento-chave para a felicidade e o bem-estar.

Uma técnica muito antiga está sendo resgatada pelas modernas ciências do comportamento com o objetivo de sanar ou pelo menos minimizar esse sério problema: é o método da atenção plena. O cultivo da atenção plena tem raízes no budismo, mas a maioria das religiões inclui algum tipo de oração ou técnica de meditação que ajuda a levar seus pensamentos das preocupações habituais para uma apreciação do momento e uma perspectiva mais ampla da vida.

O professor emérito Jon Kabat-Zinn, fundador e ex-diretor da Clínica de Redução de Estresse do Centro Médico da Universidade de Massachusetts (EUA), ajudou a trazer a prática da meditação da atenção plena para a medicina tradicional e demonstrou que praticar a atenção plena pode trazer melhorias nos sintomas tanto físicos quanto psicológicos, além de mudanças positivas nas atitudes e comportamentos e nas atitudes em termos de saúde.

A atenção plena melhora o bem-estar

Aumentar sua capacidade de atenção plena dá suporte a muitas atitudes que contribuem para uma vida feliz. Estar plenamente atento torna mais fácil saborear os prazeres da vida à medida que eles ocorrem, ajuda você a se engajar totalmente nas atividades e cria uma capacidade maior de lidar com eventos adversos. Ao se concentrarem no aqui e agora, muitas pessoas que praticam a atenção plena consideram que são menos propensas a ficar presas em preocupações sobre o futuro ou arrependimentos sobre o passado, inquietam-se menos com as preocupações sobre o sucesso e a autoestima e são mais capazes de estabelecer conexões profundas com os outros.

A atenção plena melhora a saúde física

Se um maior bem-estar não é um incentivo suficiente, os cientistas descobriram que os benefícios das técnicas de atenção plena ajudam a melhorar a saúde física de diversas maneiras. A atenção plena pode:

  • ajudar a aliviar o estresse
  • tratar doenças cardíacas
  • baixar a pressão arterial
  • reduzir dores crônicas
  • melhorar o sono
  • aliviar problemas gastrointestinais
  • A atenção plena melhora a saúde mental

Nos últimos anos, os psicoterapeutas têm se voltado para a meditação da atenção plena como um elemento importante no tratamento de uma série de problemas, incluindo:

  • depressão
  • abuso de substâncias
  • distúrbios alimentares
  • conflitos de casais
  • transtornos de ansiedade
  • transtorno obsessivo-compulsivo

Alguns especialistas acreditam que a atenção plena funciona, em parte, por ajudar as pessoas a aceitar suas experiências – incluindo emoções dolorosas – em vez de reagir a elas com aversão e fuga. Tem-se tornado cada vez mais comum combinar a meditação da atenção plena com a psicoterapia, sobretudo a terapia cognitivo-comportamental. Esse desenvolvimento faz sentido, uma vez que a meditação e a terapia cognitivo-comportamental partilham o objetivo comum de ajudar as pessoas a adquirir uma perspectiva sobre pensamentos irracionais, não adaptáveis e autodestrutivos.

Técnicas de atenção plena

atencao_plena_final cerebro

Há mais de uma forma de praticar a atenção plena, mas o objetivo de qualquer técnica de atenção plena é alcançar um estado de alerta, um relaxamento focado ao prestar atenção deliberadamente nos pensamentos e sensações, sem julgá-los. Isso permite que a mente se reconcentre no momento presente. Todas as técnicas de atenção plena são uma forma de meditação.

  • Meditação de atenção plena básica – Sente-se calmamente e se concentre na sua respiração natural ou em uma palavra ou mantra (sílaba, palavra ou verso religioso) que você repita em silêncio. Deixe os pensamentos irem e virem, sem julgá-los, e volte a focar na respiração ou mantra escolhido.
  • Sensações do corpo – Observe sensações corporais sutis, como uma coceira ou formigamento, sem julgamento, e deixe-as passar. Observe cada parte do seu corpo em sequência, da cabeça aos pés.
  • Área sensorial – Observe visões, sons, cheiros, gostos e toques. Nomeie-os “visão”, “som”, “cheiro”, “gosto” ou “toque” sem julgá-los e deixe-os ir.
  • Emoções – Permita que as emoções estejam presentes sem julgá-las. Pratique nomear as emoções de forma estável e descontraída – “alegria”, “raiva”, “frustração”, por exemplo. Aceite a presença das emoções sem julgá-las e deixe-as ir embora.
  • Navegar pelas compulsões – Encare as ânsias (para substâncias ou comportamentos de dependência) e deixe-as passar. Observe como seu corpo se sente conforme a ânsia se instala. Substitua o desejo para que a ânsia vá embora pela certeza de que ela vai diminuir.

Meditação e outras práticas que promovem a atenção plena

A atenção plena pode ser cultivada através da meditação de atenção plena, um método sistemático de concentrar sua atenção.

Você pode aprender a meditar por si mesmo, seguindo as instruções em livros, CDs ou fitas. No entanto, pode contar com o apoio de um instrutor ou um grupo para responder a perguntas e ajudá-lo a ficar motivado. Procure alguém que use a meditação de forma compatível com as crenças e objetivos que você tem.

Se você tiver alguma condição de saúde que exija cuidado especial, pode preferir um programa com orientação médica que incorpore meditação. Pergunte ao seu médico ou hospital sobre grupos locais. Muitos hospitais públicos e postos de saúde já incorporaram a técnica.

Começando por conta própria

Alguns tipos de meditação envolvem basicamente concentração – repetir uma palavra ou frase ou concentrar-se na sensação da respiração, permitindo que a série de pensamentos que inevitavelmente afloram venha e se vá. As técnicas de meditação de concentração, assim como outras atividades, como tai chi ou ioga, podem estimular a conhecida resposta de relaxamento, que é muito importante para reduzir a resposta do corpo ao estresse.

A meditação de atenção plena se baseia em práticas de concentração. Veja como funciona:

Siga o fluxo – Na meditação de atenção plena, depois de estabelecer a concentração, você observa o fluxo de pensamentos, emoções e sensações corporais sem julgá-los como bons ou maus.

Preste atenção – Você também percebe sensações externas, tais como sons, visões e toque, que compõem sua experiência do momento presente. O desafio é não se agarrar a uma determinada ideia, emoção ou sensação, ou ficar atolado pensando sobre o passado ou o futuro. Em vez disso, você assiste ao que vai e vem em sua mente e descobre quais hábitos mentais produzem uma sensação de bem-estar ou sofrimento.

Fique com ele – Às vezes, esse processo pode não parecer nada relaxante, mas com o tempo ele fornece uma chave para aumentar a felicidade e o autoconhecimento, conforme você se sentir confortável com uma gama cada vez mais ampla de experiências.

Pratique a aceitação

Acima de tudo, a prática de atenção plena envolve aceitar o que surge em sua consciência a cada momento. Trata-se de ser gentil e perdoar a si mesmo.

Algumas dicas para ter sempre em mente:

Redirecione gentilmente – Se sua mente vagueia em planejamento, devaneio ou crítica, observe aonde ela foi e gentilmente redirecione-a para sensações no presente.

Tente repetidas vezes – Se perder a sessão de meditação que planejava, simplesmente comece de novo.

Ao aceitar sua experiência durante a meditação, fica mais fácil para você aceitar o que lhe surgir à frente durante o resto do dia.

Cultive a atenção plena informalmente

Além da meditação formal, você também pode cultivar a atenção plena informalmente, concentrando a atenção em suas sensações a cada instante durante as atividades cotidianas. Isto é feito fazendo-se uma coisa de cada vez e dando-lhe toda a atenção. Enquanto você usar o fio dental, brincar com o cachorro ou comer uma maçã, por exemplo, desacelere o processo e esteja totalmente presente conforme ele se desenrola e envolve todos os seus sentidos.

Exercícios para tentar por sua conta

Se a meditação de atenção plena atrai você, ir a uma aula ou ouvir uma fita ou CD de meditação pode ser uma boa forma de começar. Enquanto isso, aqui estão dois exercícios de atenção plena que você pode tentar fazer sozinho. Este exercício ensina a meditação de atenção plena básica:

1) Sente-se em uma cadeira de espaldar reto ou de pernas cruzadas no chão.

2) Concentre-se em um aspecto de sua respiração, como as sensações do ar fluindo em suas narinas e fora de sua boca, ou sua barriga subindo e descendo enquanto você inspira e expira.

3) Uma vez que você tenha estreitado a abrangência de sua concentração dessa forma, comece a ampliar o foco. Conscientize-se de sons, sensações e suas ideias.

4) Abrace cada pensamento ou sensação e considere-o sem julgá-lo bom ou ruim. Se sua mente começa a fugir, volte seu foco para a respiração. Em seguida, expanda sua consciência novamente.

Invista em si mesmo

Os efeitos da meditação de atenção plena tendem a ser relacionados com a dose – quanto mais você faz, mais efeito tem normalmente. A maioria das pessoas acha que é preciso pelo menos 20 minutos para a mente começar a se acalmar, por isso essa é uma forma razoável para iniciar. Se você está pronto para um compromisso mais sério, Jon Kabat-Zinn recomenda 45 minutos de meditação, pelo menos seis dias por semana. Mas você pode começar praticando as técnicas descritas aqui por períodos mais curtos.

Aprendendo a permanecer no presente

Uma abordagem menos formal para a atenção plena também pode ajudá-lo a permanecer no presente e participar plenamente da sua vida. Você pode escolher qualquer tarefa ou momento para praticar a atenção plena informal, esteja comendo, tomando banho, andando, tocando um parceiro ou brincando com um filho ou neto. Atender a esses requisitos vai ajudar:

  • Comece trazendo sua atenção para as sensações em seu corpo
  • Respire pelo nariz, permitindo que o ar vá para a parte inferior da barriga. Deixe seu abdômen se expandir plenamente.
  • Agora respire pela boca
  • Observe as sensações de cada inspiração e expiração
  • Prossiga nessa atividade lentamente e com o firme propósito de concluí-la
  • Envolva seus sentidos plenamente. Observe cada visão, toque e som de forma que você saboreie toda sensação.
  • Quando notar que sua mente fugiu do que estava fazendo, traga delicadamente sua atenção de volta para as sensações do momento.

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/revista_oasis/168865/Aten%C3%A7%C3%A3o-plena-Pr%C3%A1ticas-para-melhorar-o-bem-estar-f%C3%ADsico-e-emocional.htm

Comentários

comentários

Nayara Benevenuto
Nayara Benevenuto
Especialista em Terapia Cognitivo-comportamental com crianças e adolescentes. Atende: adultos, casais, famílias, crianças e adolescentes. Afiliada à Federação Brasileira de Terapias Cognitivas (FBTC).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Marcar Consulta