Reestruturação emocional:um caminho para a liberdade pessoal
16 de outubro de 2014
Anorexia
21 de outubro de 2014

Sentir medo faz parte da vida. Não temos como não sentir medo. Esta forte emoção que se faz sentir sempre de forma abrupta, serve-nos. O medo é protetor, ativa o nosso organismo para que rapidamente possamos monitorar o ambiente que nos rodeia à procura da possível ameaça, percebida ou imaginada. A resposta fisiológica de medo, ou seja, as sensações que se fazem sentir no nosso corpo, quando detetamos um “gatilho” que nos perturba, tem por função alertar-nos para algo e igualmente disponibilizar grandes quantidades de energia para a ação. Mas esta resposta, quando é disparada recorrentemente, causa-nos danos.

No mundo moderno o medo tem muitas “rostos”, e a qualquer momento deparamo-nos com os muitos rostos familiares que o medo adquiriu. Medo de não conseguir passar no exame, medo de falar com o chefe, medo de falar em público, medo de perder o relacionamento, medo de não ter dinheiro para pagar as despesas, medo do fracasso. Com tantos medos a serem disparados em nós, a tendência é que o medo, de uma forma geral, se apodere da nossa vida. Quando este processo se faz sentir, desenvolve-se medo de vir a ter medo. O que em muitos de nós se faz sentir na forma de ataques de pânico.

 

POEMA

O medo,
Sinto-o, experimento-o no meu corpo,
Chega abruptamente, invade-me a iniciativa, corta-me a confiança, aniquila-me a esperança,
Prende-me os passos, escurece-me os pensamentos,
Náuseas, nó na garganta, coração a sair pela boca,
O medo toma conta de mim,
Rouba-me os sonhos, enfraquece-me, acinzenta-me as habilidades,
Medo, sempre ele que me impede o sorriso, que me tolda a liberdade,
Medo de fracassar, medo de não falar a coisa certa,
Aquele medo que se transforma em vergonha, que verga a minha opinião, que me inibe de expressar as vontades,
Medo de perder o emprego, medo de deixar de amar, medo do que está para vir,
O medo enraizou-se, domina-me, pensa por mim, age em meu nome,
O medo nunca me defende,
Sim, devia defender-me, porque não o faz?
O medo paralisante, ostracizador, repugnante,
O medo sanguessuga,
O medo que perdeu a sua funcionalidade,
O medo que não me serve mais,
O medo que eu repugno,
O medo do qual eu me liberto,
Agitação, sudação, tensão, dor de barriga, pernas trémulas, não me amedrontam mais,
O medo e os seus sintomas, os seus pensamentos, não são mais o meu medo,
Renuncio ao meu medo,
Eu não sou o meu medo, não quero ser e não mais serei,
Liberto-me, abraço a possibilidade de caminhar tranquilo, confiante e otimista,
O otimismo pinta o meu dia, clarifica-me o pensamento, enaltece-me a vontade, injeta-me energia,
O otimismo promove-me a eficácia, liberta-me a criatividade,
Otimisticamente enfraqueci o medo,
Fortaleci-me, guiei-me, encaminhei-me para o espaço onde existe a possibilidade de aplicar o meu otimismo, sem medo.

– Miguel Lucas

Fonte:  http://www.escolapsicologia.com/um-breve-poema-para-libertar-se-do-medo-paralisante/

CONTEښDO VIP
Coloque o seu email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!
 
Enviar
100% livre de SPAM.

Comentários

comentários

Redatora Casule
Redatora Casule
Sou focada em achar o melhor conteúdo que já foi publicado na rede e trazer informações que são relevantes e agregam valor para você.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Marcar Consulta
CONTEښDO VIP
Coloque o seu email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!
 
Enviar
100% livre de SPAM.
Fechar
 E aí? Vamos conversar?

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.
close-link

Agende a sua Sessão aqui!
Primeira sessão R$ 100,00 (Psicologia, Fonoaudiologia e Nutrição)

PRÓXIMO PASSO →
fechar
Agendar Sessão