Sabe como controlar a ansiedade antes da prova? Confira essas dicas!
20 de outubro de 2015
Vencendo o medo da solidão!
22 de outubro de 2015

casule-psicologia-pensamento-suicida

De todos os pensamentos negativos que uma pessoa pode ter, considero que este pode ser o mais significativo. O pensamento suicida aparece com uma freqüência muito maior do que imaginamos, pois nem sempre este pensamento é declarado as pessoas ao redor, talvez por medo de ser interpretado erroneamente pelas pessoas ou por não conseguir elaborar o assunto a ponto de colocar para fora e compartilhar com alguém.

Um pequeno pensamento pode encher a nossa vida de valor e significado, quando lembramos de bons momentos sentimos uma leveza gratificante, da mesma forma, até mesmo um pequeno pensamento de morte pode significar muito sofrimento. O pensamento em sua própria destruição surge quando a pessoa acredita que não há solução para seus problemas. Esse tipo de pensamento pode vir à mente em momentos de crise. A crise é identificada em meio a desorganização mental, estresse e sensação de incapacidade de solucionar os problemas da vida.

Pensar em suicídio não se refere apenas aos planos de morte, pensar em como seria bom se não estivesse vivo ou pensar em como seria se tivesse um botão de desligar a vida também seria um pensamento suicida.

Esta pessoa pode ser beneficiada com a psicoterapia, pois mesmo que a pessoa se considere “medrosa demais”, como muitos declaram, para concretizar o suicídio, apenas o fato de pensar em não estar mais vivo já pode ser algo muito significativo, esta pessoa merece ajuda.

 

O que provoca o desejo de morte?

A origem do desejo de morte não está apenas nas coisas ruins que acontecem,  em psicologia chamamos de agentes estressores, como por exemplo a morte de um ente querido,  perda do emprego,  discussão com a vizinha, etc. O que realmente provoca a depressão seria a avaliação que a pessoa faz do quanto ela pode enfrentar isso tudo. O limite da capacidade de enfrentamento é que  pode causar a depressão. Cada um tem seu limite, para uns o limite pode ser mais elástico do que para outro, por isso não seria justo dizer: “Imagine ficar deprimido só porque aconteceu isso com ele, eu já passei por isso e não fiquei deprimido”.

 

 

Se há pensamento de suicídio mais cedo ou mais tarde esta pessoa se suicidará?

Nem sempre o ato é concretizado, muitas vezes o sofrimento se prolonga mas a pessoa, talvez por acreditar em alguma possibilidade me melhora, não chega ao suicídio. Costuma haver um aviso, algo foi dito ou feito que demonstrasse pensamento suicida. O impulso para agir tem um tempo limitado, as idéias de morte persistem por algum tempo, mas ainda assim, normalmente, a pessoa consegue resistir ao impulso de concretizar essa idéia. Mas só o fato do o pensamento ter existido já demonstra a importância dessa depressão.

Vale salientar que nem sempre há o desejo de morte, o desejo pode ser a eliminação do sofrimento e não da vida em si.

 

 

O que fazer quando percebemos este pensamento em um amigo ou familiar?

Não entrar em pânico, pode ser importante falar com esta pessoa de forma tranquila.  Faça-o saber que ele é importante e que há pessoas que se preocupam com ele. Convide-o para psicoterapia. Mesmo que você seja uma pessoa cuidadosa e saiba se relacionar muito bem, ainda assim devemos contar com atendimento psicológico profissional em casos como este. Muitas vezes o desejo declarado de suicídio pode ser referir muito mais à necessidade de saber o quanto se é amado pelas pessoas próximas. Muitas vezes o que impera pode ser a necessidade em se perceber querido:”Será que sentirão minha falta?” – portanto ofereça tratamento.

 

*O material deste site é informativo, não substitui a terapia  ou psicoterapia  oferecida por um psicólogo

 

FONTE:http://www.marisapsicologa.com.br/pensamentos-suicidas.html

 

Comentários

comentários

Redatora Casule
Redatora Casule
Sou focada em achar o melhor conteúdo que já foi publicado na rede e trazer informações que são relevantes e agregam valor para você.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Marcar Consulta