Psicologia infantil
27 de maio de 2015
Transtornos mentais: um tema mais abordado em cinema do que se imagina
28 de maio de 2015

post-p-blog

O medo de falar em público é, comprovadamente, de acordo com várias pesquisas já realizadas e amplamente divulgadas pela mídia, um dos maiores medos do ser humano, variando apenas o seu grau de intensidade de pessoa para pessoa.

Existem pessoas que, literalmente, travam na hora de falar ou expor suas ideias publicamente. Mesmo um palestrante “tarimbado” não irá negar que sente aquele “friozinho” incomodo no estômago antes de ficar diante de uma plateia.

É inegável a sensação de desconforto causada quando estamos totalmente expostos, sendo o centro das atenções, ainda mais se tivermos um holofote nos iluminando num palco.

E nem precisa ser um palco para nos causar este desconforto, pode ser até numa reunião de negócios ou mesmo numa ocasião social, quando estamos cercados de familiares ou amigos.

Quem é que já não foi exposto numa situação destas? Imagine você na sua própria festa de aniversário ou numa comemoração por uma promoção e, de repente, seus amigos começam com aquele corinho famigerado, o tal do “Discurso! Discurso! Discurso!”.

Você já vai sentindo aquele frio no estômago, aquele arrepio na espinha, a boca seca, o rosto vai ficando todo vermelho. É quase que, inevitável, que você sinta esse desconforto pelo menos uma vez na vida.

Eu costumo dizer que só há uma maneira de enfrentar este medo, que é você ter a real consciência do seu limite e a partir deste ponto, através de muita disciplina e determinação, você ir se desafiando aos poucos para vencer este medo, através do controle de suas emoções.

Existem hoje, inúmeras alternativas, desde processos como coaching, terapia comportamental e treinamentos específicos para melhorar a performance de comunicação interpessoal.

Esse “pavor” nada mais é do que a mesma sensação que você tem ao praticar um esporte radical ou quando está exposto em uma situação conflitante. Nas situações do dia-a-dia, ao qual somos desafiados ou expostos, temos essas sensações de medo, alegria, euforia e com o tempo até de prazer, pois nossos neurotransmissores, que são os responsáveis pelo nosso equilíbrio mental e fisiológico, acabam liberando certas enzimas e endorfinas que estimulam e aceleram nosso metabolismo nestas situações.

Quando isso acontece, sentimos nosso coração disparar, a temperatura do nosso corpo abaixar, entre outras sensações físicas. É nesse momento que você precisa aprender a se conhecer melhor, para a partir deste ponto superar seus limites com muito respeito e consciência.

Costumo dizer que o medo pode ser o nosso maior aliado ou nosso pior inimigo e que devemos respeitá-lo, mas não aceitá-lo. Quando você tem consciência de seus medos, o que você precisa fazer é negociar com eles, fazendo uma avaliação muito criteriosa de tudo o que você ganha ou perde quando sustenta seus limites.

O medo está diretamente ligado às nossas emoções e não é um processo racional ou lógico. Portanto, quando pensamos em algo que nos assusta ou nos desconforta, geramos naturalmente um sentimento ou sensação que reflete diretamente no nosso comportamento.

O medo pode gerar três comportamentos básicos que são a fuga, a inércia ou o movimento. Ao decidir movimentar-se para dominar o medo é necessário que você se conheça profundamente, ou seja, você precisar obter o autoconhecimento dos seus limites e também dos seus recursos e capacidades para aos poucos, aprender a controlar e transformar suas emoções em resultados positivos.

São utilizadas várias técnicas como programação neurolinguística, inteligência emocional, coaching comportamental que, basicamente, fazem com que você resinifique seus limites e aprimore seus recursos através do autoconhecimento.

São também utilizados alguns exercícios de repetição e dinâmicas vivenciais de moderação e controle emocional para que você, aos poucos, vá se sentindo mais confortável diante do público e não ser lançado diretamente na “cova dos leões”.

Os resultados são significativos, pois tudo é amparado e respaldado no exato momento em que é identificado um limite na comunicação, através de feedbacks pontuais e corretivos, ajustando positivamente a performance de comunicação.

Com o processo de Coaching de Comunicação você toma consciência da necessidade de dominar o assunto, assim como técnicas de posicionamento e postura, linguagem e comunicação adequadas, além da eliminação de gestos desnecessários e o bom uso do controle respiratório e da arte de cativar as pessoas com o olhar.

Para se comunicar é necessário agir com naturalidade, passar confiança e credibilidade no assunto, mas nada disso será válido se você não praticar constantemente.

Fonte: http://edsondepaula.com.br/blog/o-monstro-da-plateia-voce-tem-medo-de-falar-em-publico/

CONTEښDO VIP
Coloque o seu email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!
 
Enviar
100% livre de SPAM.

Comentários

comentários

Nayara Benevenuto
Nayara Benevenuto
Especialista em Terapia Cognitivo-comportamental com crianças e adolescentes. Atende: adultos, casais, famílias, crianças e adolescentes. Afiliada à Federação Brasileira de Terapias Cognitivas (FBTC).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Marcar Consulta
CONTEښDO VIP
Coloque o seu email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!
 
Enviar
100% livre de SPAM.
Fechar
 E aí? Vamos conversar?

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Agende a sua Sessão aqui!
Primeira sessão R$ 100,00 (Psicologia, Fonoaudiologia e Nutrição)

PRÓXIMO PASSO →
fechar
Agendar Sessão