Tricotilomania: o que você deveria saber, mas ainda desconhece

Atualizado em 15/07/2015
Por Nayara Benevenuto

Tricotilomania: o que você deveria saber, mas ainda desconhece

Atualizado em 15/07/2015
Por Nayara Benevenuto
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Tricotilomania: o que você deveria saber, mas ainda desconhece

tricho_thumb

A característica essencial da tricotilomania pode ser entendida como o comportamento recorrente de arrancar os cabelos, o que resulta, na maioria dos casos, em uma perda capilar expressiva.

“A anorexia nervosa, por exemplo, é encontrada entre 1 e 3 por cento da população, e a tricotilomania, entre 2 e 5 por cento”, relata Jillian Corsie, diretor de um documentário importante a respeito do tema (“Trichster”) e que foi publicado no Jornal The Huffington Post. “Se você pensar sobre esses números, há quase o dobro das pessoas que têm esse transtorno que ninguém conhece.” (1)

Caso você ainda não saiba, a característica essencial da tricotilomania é que certas pessoas sentem uma tensão crescente antes do ato de arrancar cabelos e, quando finalmente o conseguem, descrevem uma enorme sensação de alívio, prazer ou até mesmo satisfação, criando assim um círculo vicioso incontrolável (tensão-prazer-alívio). (2)

Dados no Brasil ainda são escassos, entretanto, levantamentos apontam que apenas nos EUA, cerca de 15 milhões de pessoas sofrem com o problema.

Embora os cabelos sejam o alvo preferido, há muitos relatos de pessoas que arrancam, além do cabelo (80,6%), cílios (47%), sobrancelhas (43,5%), entre outras regiões do corpo (região púbica, axilas e, finalmente, o abdômen). (2)

Esse ritual de arrancar os cabelos pode levar alguns minutos ou vir a consumir muitas horas. E a “preferência” recai sobre fios que tenham uma textura ou qualidade diferente, o que confere ao ato uma qualidade quase que ritualística.

Curioso destacar que esse comportamento é descrito, muitas vezes, quase que “inconsciente”, automatizado e, em alguns casos, ocorrendo, inclusive, durante o sono.

E a consequência?…

Vergonha, embaraço e isolamento social, pois as marcas ficam tão evidentes que muitos tentam disfarçá-las através do uso de perucas, maquiagem excessiva, bonés, lenços ou até mesmo chapéus, o que obviamente pode resolver temporariamente o problema, entretanto, atividades como nadar, dançar, praticar esportes ou ainda aquelas que envolvem mais proximidade física ou até mesmo a intimidade, passam a ser totalmente evitadas (pois as falhas ficariam expostas), causando enorme constrangimento. (2)

A maior parte das pessoas que buscam tratamento são mulheres (90%), e o início ocorre usualmente na idade média de 13 anos.

O tratamento envolve psicoterapia e, em alguns casos, combinam-se técnicas comportamentais (como o condicionamento clássico e o operante) e medicação.

Relatos de pacientes (1), incluem:

“Eu estive sofrendo com tricotilomania desde que tinha 10 anos. Agora tenho 19 e se pudesse dar conselhos a outras pessoas que sofrem com isso, eu diria: você não está sozinha (…).”- Facebook da usuária Madison Nelson;

“Eu não estou doente, louca e também não me odeio. Também não preciso dos sentimentos de pena das outras pessoas. Eu sei que ainda sou bonita, apesar da tricotilomania.” – Facebook da usuária Caitlin Webster;

“Às vezes eu nem percebo que estou fazendo isso … ” – Facebook da usuária Judy Adams;

“Sempre pensei que era só eu. Eu amo meu cabelo. Apenas não posso parar.” – Facebook da usuária Yazmin LoGiudice;

“Eu sempre deixo as luzes apagadas quando vou ao banheiro em casa. Não posso puxar aquilo que eu não posso ver.” – Facebook da usuária Jennifer DiSabatino;

“Eu gostaria que as pessoas parassem de me dizer ‘para de fazer isso’, como se fosse tão simples assim… “- Facebook da usuária Laura Hanson;

“Realmente eu não quero fazer isso. Acredite em mim. Tenho muito medo que um dia eu possa ficar totalmente careca” – Facebook da usuária Lauren Vaught;

“Sim, eu espero muito que meus cílios cresçam de volta” – Facebook da usuária Rachel Devonne;

Na sequência, o documentário intitulado “Trichster”, no qual Rebecca Brown, diagnosticada com tricotilomania quando tinha 11 anos, tirou uma foto de si mesma, a cada dia, durante 6,5 anos para a montagem deste vídeo e para sensibilizar a sociedade da doença silenciosa.

Nele se percebe claramente a evolução do problema ao longo dos anos.

Para algumas pessoas, certos problemas podem ser devastadores. Assim sendo, não espere para buscar ajuda.

Fonte: http://cristianonabuco.blogosfera.uol.com.br/2015/07/15/tricotilomania-o-que-voce-deveria-saber-mas-ainda-desconhece/

 

 

PSICÓLOGA Especialista em terapia cognitiva-comportamental com adultos e tem formação em terapia cognitiva sexual além de atuar na avaliação bariátrica. Clique para marcar uma consulta comigo
Casule Play

Tricotilomania: o que você deveria saber, mas ainda desconhece

Se você quiser saber mais ou conversar com um dos nossos profissionais sobre Tricotilomania: o que você deveria saber, mas ainda desconhece, você pode  agendar o seu horário clicando aqui. Ou você pode ver mais sobre Terapia Online, Acompanhamento semanal com nossa Nutricionista ou Como ter mais produtividade com o nosso Coach!
Nayara Benevenuto, aqui no Blog.
PSICÓLOGA Especialista em terapia cognitiva-comportamental com adultos e tem formação em terapia cognitiva sexual além de atuar na avaliação bariátrica. Clique para marcar uma consulta comigo

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários sua opinião sobre: Tricotilomania: o que você deveria saber, mas ainda desconhece.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

8 Dicas para melhorar a sua autoestima

8 Dicas para melhorar a sua autoestima

Tem dias que você acorda e não se sente satisfeito com o que é? Não consegue sentir orgulho do que faz e das suas conquistas? Tem dificuldade de enxergar seus pontos fortes e suas qualidades? Pois é, você pode estar com baixa autoestima e isso é muito comum de acontecer. Buscar meios para melhorar a autoestima é um grande passo. Seja através da leitura de um livro sobre o assunto, pesquisas, assistindo vídeos ou mesmo através da ajuda profissional.
5 sinais clássicos que você se cobra demais

5 sinais clássicos que você se cobra demais

Como lidar com a sensação incômoda de autocobrança excessiva? Como lidar com aquela voz que fica na nossa cabeça falando “você deveria ter feito isso”, “eu deveria dar conta… “você não podia ter feito aquilo”, “você podia ter feito diferente”, “porque eu sou assim?”, dentre outras tantas frases de cobrança que nós mesmos fazemos conosco.

6 dicas para lidar com a traição

A descoberta de uma traição é capaz de transformar qualquer relacionamento amoroso, seja namoro ou casamento. A vida do casal pode mudar para melhor ou piorar consideravelmente, mas, com certeza, nunca mais será a mesma.
Leia mais

3 estratégias para controlar seu dinheiro

Ser positivo é algo muito bom, porém quando falamos de dinheiro, devemos ser realistas e conhecer bem a nossa própria condição financeira. Por isso, ter inteligência emocional nas finanças se torna algo tão importante.
Leia mais

5 sinais clássicos que você se cobra demais

Como lidar com a sensação incômoda de autocobrança excessiva? Como lidar com aquela voz que fica na nossa cabeça falando “você deveria ter feito isso”, “eu deveria dar conta… “você não podia ter feito aquilo”, “você podia ter feito diferente”, “porque eu sou assim?”, dentre outras tantas frases de cobrança que nós mesmos fazemos conosco.
Leia mais

Geração Tik Tok: 3 vícios do momento

Uma tela de celular, um vídeo vertical e um minuto da sua vida. Esses três elementos são a essência do Tik Tok, a rede social de vídeos curtos que está viciando os jovens e já mudou os hábitos de consumo de vídeos de milhares de usuários. Você abre às 19h, e quando olha para o relógio novamente, já se passou uma hora.
Leia mais
Tenha o total controle das suas emoções conte com a Casule para o seu bem-estar.
Share This