Como minha autoestima pode afetar meu relacionamento

Como minha autoestima pode afetar meu relacionamento?

Atualizado em 16/08/2021
Por Redatora Casule

Como minha autoestima pode afetar meu relacionamento?

Atualizado em 16/08/2021
Por Redatora Casule
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Como minha autoestima pode afetar meu relacionamento?

Aperte o play para escutar este conteúdo.

Como você se sente em relação a si mesmo? A maneira como você se percebe influencia diretamente na forma como você se relaciona consigo e com os outros. 

Quando sua autoestima está saudável, você reconhece seu valor e isso diminui bastante a probabilidade de você entrar num relacionamento tóxico ou abusivo, por exemplo. Entretanto, quando a pessoa está com a autoestima rebaixada ela não reconhece o seu próprio valor, não se sente satisfeita consigo mesmo(a), é muito autocrítica, tem dificuldade de tolerar as próprias falhas e o outro é sempre melhor que você. Contudo, no outro extremo e que também mostra uma autoestima rebaixada estão aquelas pessoas que se elogiam demais, porque no fundo pensa o inverso delas mesmas. 

Quando a autoestima está baixa é muito comum encontrarmos quatro principais problemas no relacionamento como:

– Ciúmes excessivo: Vigia e controla cada passo que o parceiro(a) dá. 

– Submissão: Faz coisas contra a própria vontade apenas para agradar o outro, se rebaixa e até permanece em relacionamentos tóxicos e/ou abusivos por acreditar que é isso que merece.

– Medo de ficar só e/ou de ser rejeitado(a): Medo dele(a) se apaixonar e me trocar por outro(a).

– Traições anteriores: Se já fui traído(a), mas não perdoei, provavelmente vou carregar o peso dessa traição dentro do relacionamento atual ou nos relacionamentos seguintes. 

Por outro lado, quando a autoestima está elevada de forma desproporcional alguns comportamentos que encontramos e que também afetam os relacionamentos são desde desvalorização do outro, arrogância, autossuficiência, relações extraconjugais, afinal “eu sou muito bom/boa para ele(a)” e, até (em casos muito extremos), o narcisismo. 

O que posso fazer se identifiquei algum desses comportamentos em mim?

Se você identificou comportamentos de uma autoestima rebaixada é fundamental começar a ser menos crítica com você mesma e mais autocompassiva, isto é, comece a se tratar e a falar para você mesmo(a) o que você falaria para um melhor amigo(a). Além disso, tente enxergar e valorizar o que você tem de bom e evite se comparar com os outros.

terapia-online-casule-banner

Por outro lado, se você identificou que sua autoestima está elevada de forma desproporcional, é muito importante compreender que valorizar o outro, ser empático não diminui o seu valor. Portanto, seja mais flexível com você e com os outros.

Vale ressaltar também que se meu parceiro(a) está com a autoestima rebaixada, isso também pode afetar diretamente a minha autoestima, pois é muito comum ele(a) me diminuir para que se sinta melhor. Além disso, ele(a) me rebaixa para evitar uma possível traição uma vez que ele(a) acredita que não é bom/boa o suficiente para mim. E, se ele(a) não tem comportamentos de se cuidar, de se arrumar, de se sentir bem consigo mesmo, provavelmente eu também não me sentirei estimulada e motivada a fazer isso por mim.

Não tenho autoestima baixa, mas meu parceiro(a) tem. Como posso ajudá-lo(a)?

– Estimule o autocuidado dele(a): Compre um presente, um perfume, facilite que ele(a) pratique atividade física, estimule que ele(a) busque ajuda, se coloque à disposição também para ajudá-lo(a).

– Faça elogios: Quando ele(a) usar o presente que você deu, elogie. Ressalte os pontos fortes dele(a). E, cada mudança dele(a) parabenize e o(a) incentive a continuar. 

– Fale o quanto você o(a) admira: O que você mais admira nele(a) para além das características físicas? Comunique isso para ele(a).

Por fim, cuidar da nossa autoestima não é fácil e requer um cuidado diário. Mas, ter uma autoestima equilibrada vai facilitar bastante suas relações desde a escolha do parceiro(a) até a construção e manutenção de um relacionamento saudável.

Terapia Casule

A Casule é uma clínica que pensa na sua saúde e no seu bem-estar que atende de forma presencial e online. Isso faz que possamos cuidar de pessoas em qualquer parte do Brasil e do Mundo!

Venha nos conhecer! Marque uma conversa com nossos terapeutas clicando aqui!

Curtiu o texto? Fica a vontade para relaxar com a gente, conheça nossos áudios de relaxamento, é GRÁTIS!

Compartilhe também a Casule em suas redes sociais, InstagramFacebook e Youtube.

Guia com as 15 Técnicas para reduzir a ansiedade
Sou focada em achar o melhor conteúdo que já foi publicado na rede e trazer informações que são relevantes e agregam valor para você.
Casule Play

Como minha autoestima pode afetar meu relacionamento?

Se você quiser saber mais ou conversar com um dos nossos profissionais sobre Como minha autoestima pode afetar meu relacionamento?, você pode  agendar o seu horário clicando aqui. Ou você pode ver mais sobre Terapia Online, Acompanhamento semanal com nossa Nutricionista ou Como ter mais produtividade com o nosso Coach!
Redatora Casule, aqui no Blog.
Sou focada em achar o melhor conteúdo que já foi publicado na rede e trazer informações que são relevantes e agregam valor para você.

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários sua opinião sobre: Como minha autoestima pode afetar meu relacionamento?.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Transtorno de Personalidade Antissocial

Você sabia que a cada 100 pessoas que você conhece, 4 são psicopatas? Hoje vamos conversar um pouquinho sobre a personalidade antissocial mais comumente conhecida como psicopatia e sociopatia.
Leia mais

Autoestima na Infância

A autoestima da criança vai sendo estabelecida a partir do contato com o outro e sofre influência de fatores internos e externos.
Leia mais
Tenha o total controle das suas emoções conte com a Casule para o seu bem-estar.
Share This