homossexualidade na familia

Meu filho(a) é gay. E agora?

Atualizado em 12/02/2020
Por Renata Giovannini

Meu filho(a) é gay. E agora?

Atualizado em 12/02/2020
Por Renata Giovannini
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Meu filho(a) é gay. E agora?

Certa vez uma paciente chega ao consultório chorando desesperadamente. Começou a falar sobre seu filho e contar histórias sobre a infância dele e do irmão mais novo. Por um segundo, diante de sua fala, entendi que seu filho havia morrido de uma tragédia repentina. Mas após mais algumas palavras, seu relato se conduzia para uma triste notícia semelhante a uma doença gravíssima, sem chances de cura ou tratamento. Essa mãe estava me dizendo que, naquela semana, ela havia descoberto que seu filho mais velho é gay. A todo tempo se questionava sobre suas atitudes durante a infância das crianças, e não conseguia encontrar razões para isso ter acontecido. Dizia, no meio de muito choro, sobre sua total dedicação na criação dos filhos, boas escolas, viagens em família. Não demonstrava, em nenhum momento, ¨raiva¨ do filho, mas sim, uma grande frustração quanto ao seu papel de mãe.

Se você, pai ou mãe, está na mesma posição desta paciente, a primeira coisa que eu venho te dizer é que você não fez nada de errado! Não procure onde você errou, ou quando mimou demais, ou quando tratou diferente, ou o que fez e o que não fez. A homossexualidade não é algo errado, então a ¨culpa¨ não é de ninguém. Ninguém errou!

Descobrir que um filho(a) é homossexual é algo muito desconfortável. Se o seu filho te contou, ou se você descobriu, não importa. Seu sofrimento, suas dúvidas, e seus questionamentos são totalmente comuns e aceitáveis.

Mas você já se deu conta do quanto é desconfortável para o seu filho SE descobrir homossexual?

A descoberta pela homossexualidade não é apenas um desejo de novas experiências. Não é apenas uma aventura de adolescente. Não tem nada a ver com religião, com má criação ou revolta.

Nesse texto eu te convido a refletir sobre o quanto foi difícil para seu filho(a) entender seus próprios sentimentos. Sobre o quanto foi angustiante para ele se ver como ¨o diferente¨. E o quanto ele provavelmente sofreu sozinho por isso.

Frequentemente vejo jovens homossexuais com ressentimentos e angústias sobre seu próprio corpo. Jovens que se cobram para estar em uma sociedade que os recrimina, que os violenta, que os menospreza. E em meio a tantos relatos tristes, percebo que o início das agressões verbais, e até mesmo físicas, começou em casa.

Seu filho(a) homossexual não deixou de ser a criança que você criou.

terapia-online-casule-banner

Seu filho homossexual continua sendo a criança que você ensinou a andar de bicicleta, ou que você ensinou a jogar futebol. Sua filha homossexual ainda é a criança amável e cheia de carinho pelas bonecas.

Seu filho não deixou de ser seu filho por ser homossexual.

E você não deixou de ser pai ou mãe do seu filho.

É comum que você se sinta triste, que você chore e que você se questione. Eu te entendo!

E o seu filho(a) também entende essa sua dor!

Porém, as expectativas de um casamento heterossuexual são tão abusivas quanto expectativas profissionais. Se você impõe ou exige ao seu filho que ele se case com uma pessoa do sexo oposto, você está agindo da mesma forma que aquele pai/mãe que exige que o filho faça medicina quando ele tem o sonho e o interesse de fazer filosofia. Neste caso, eu te convido a cuidar das suas próprias expectativas, ao invés de exigir que ele(a) as corresponda.

Ser pai ou mãe de um homossexual não é uma tarefa fácil. Pode ser tão difícil quanto ser homossexual.

As dúvidas em relação ao futuro, a vergonha do que as pessoas vão pensar e vão dizer sobre o seu filho(a), as piadinhas da família e dos amigos vão continuar acontecendo. É impossível impedir que nossos filhos sofram. Mas é possível ser o apoio e o acalento do seu filho(a) quando a sociedade os fizer sofrer.

Se ele não puder chorar no seu colo, onde mais ele vai?

Guia com as 15 Técnicas para reduzir a ansiedade
Psicóloga, Terapeuta Cognitivo Comportamental, pós graduada em Avaliação Psicológica. Encantada pela profissão e pelo cuidado com o outro. Conheça o meu Instagram. | Clique para marcar uma consulta comigo
Casule Play

Meu filho(a) é gay. E agora?

Se você quiser saber mais ou conversar com um dos nossos profissionais sobre Meu filho(a) é gay. E agora?, você pode  agendar o seu horário clicando aqui. Ou você pode ver mais sobre Terapia Online, Acompanhamento semanal com nossa Nutricionista ou Como ter mais produtividade com o nosso Coach!
Renata Giovannini, aqui no Blog.
Psicóloga, Terapeuta Cognitivo Comportamental, pós graduada em Avaliação Psicológica. Encantada pela profissão e pelo cuidado com o outro. Conheça o meu Instagram. | Clique para marcar uma consulta comigo

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários sua opinião sobre: Meu filho(a) é gay. E agora?.

0 comentários

5 sinais clássicos que você se cobra demais

5 sinais clássicos que você se cobra demais

Como lidar com a sensação incômoda de autocobrança excessiva? Como lidar com aquela voz que fica na nossa cabeça falando “você deveria ter feito isso”, “eu deveria dar conta… “você não podia ter feito aquilo”, “você podia ter feito diferente”, “porque eu sou assim?”, dentre outras tantas frases de cobrança que nós mesmos fazemos conosco.

3 estratégias para controlar seu dinheiro

Ser positivo é algo muito bom, porém quando falamos de dinheiro, devemos ser realistas e conhecer bem a nossa própria condição financeira. Por isso, ter inteligência emocional nas finanças se torna algo tão importante.
Leia mais

5 sinais clássicos que você se cobra demais

Como lidar com a sensação incômoda de autocobrança excessiva? Como lidar com aquela voz que fica na nossa cabeça falando “você deveria ter feito isso”, “eu deveria dar conta… “você não podia ter feito aquilo”, “você podia ter feito diferente”, “porque eu sou assim?”, dentre outras tantas frases de cobrança que nós mesmos fazemos conosco.
Leia mais

Geração Tik Tok: 3 vícios do momento

Uma tela de celular, um vídeo vertical e um minuto da sua vida. Esses três elementos são a essência do Tik Tok, a rede social de vídeos curtos que está viciando os jovens e já mudou os hábitos de consumo de vídeos de milhares de usuários. Você abre às 19h, e quando olha para o relógio novamente, já se passou uma hora.
Leia mais
Tenha o total controle das suas emoções conte com a Casule para o seu bem-estar.
Share This