fobia de cachorro - Psicóloga - Pedrita - casule

Medo, ansiedade e… cachorro?

Atualizado em 02/08/2018
Por Redatora Casule

Medo, ansiedade e… cachorro?

Atualizado em 02/08/2018
Por Redatora Casule
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Medo, ansiedade e… cachorro?

Fofinhos, bonitinhos, esquisitos, grandalhões, desengonçados… em sua maioria, quando pensamos em cachorros não associamos a uma grave ameaça à vida, certo? Mas, também é certo que já ouvimos alguém falar que tem PAVOR deles e aí pensamos “como assim”?

O medo e a ansiedade são emoções diferentes, contudo, ligadas à nossa defesa da vida, à nossa sobrevivência e, por isso, são consideradas emoções fundamentais para nós, seres humanos. Quando nos sentimos ameaçados, estas emoções são esperadas, uma ver que precisamos emitir comportamentos de proteção à nossa integridade.

O medo é um estado neurofisiológico de alarme que é ativado automaticamente quando o indivíduo avalia uma situação cognitivamente como ameaçadora ou perigosa. Ele está presente em todos os transtornos de ansiedade. A ansiedade é um sistema complexo de resposta (cognitivo, afetivo, fisiológico e comportamental) e é ativada de maneira antecipada a uma situação vista como incontrolável, imprevisível e ameaçadora. Ou seja, é a expectativa de que alguma coisa de ruim irá acontecer, e esta vem acompanhada de alterações desagradáveis.

A ansiedade possui uma relação estreita com um estado de vulnerabilidade aumentada: uma pessoa vulnerável percebe a si mesma como alguém que não consegue se proteger ou exercer controle diante de situações ameaçadoras internas ou externas. Por subestimarem suas capacidades de enfrentar uma situação ou perigo as respostas comportamentais são de fuga e evitação (outras respostas são: taquicardia, inatividade, cefaleia, sudorese, importância dada ao erro, avaliação negativa de si mesmo, etc). As respostas de ansiedade podem ser produzidas por estímulos externos (animais, água, procedimentos), bem como por estímulos internos (preocupações, percepções).

Embora as emoções de medo e ansiedade sejam naturais e fundamentais ao ser humano, quando estas respostas são demasiadas ou persistentes causam efeito contrário, dificultando seu manejo em situações ameaçadora e comprometendo a emissão de respostas adequadas, protetivas e saudáveis. Sendo assim, elas são consideradas patológicas e, toda vez, que o medo patológico está relacionado a um objeto ou situação bem circunscrito, fala-se que a pessoa possui uma fobia. Fobia é o medo persistente de uma situação, objeto ou atividade que não oferecem perigo e que provocam no indivíduo uma necessidade de evitar ou fugir do que causa o medo.

terapia-online-casule-banner

Voltamos, então, ao cachorro!

Claro que não há apenas fobia a cachorros. O estímulo fóbico pode ser especificado como: animal (olha o cachorro aqui, aranhas, insetos, etc); ambiente natural (altura, tempestade, água); sangue, injeção, ferimentos (agulhas, procedimentos médicos); situacional (aviões, elevadores, locais fechados); outro (situações que podem levar à asfixia ou ao vômito, sons altos, personagens fantasiados).

Importante destacar que fobia não é frescura ou bobeira. Ela é um transtorno de ansiedade, onde há presença de medo e ansiedade desproporcional a respeito de uma situação ou objeto, levando o indivíduo a um sofrimento significativo e à evitação das situações ou objetos temidos. Mas o mais importante é: possui tratamento!

A terapia cognitivo-comportamental baseia-se em dois princípios: “nossas cognições têm uma influência controladora sobre nossas emoções e comportamentos e o modo como agimos ou nos comportamos pode afetar profundamente nossos padrões de pensamentos e nossas emoções”!

Diante disso, a terapia cognitivo-comportamental, com o uso de algumas técnicas, estimula a identificação e mudança de formas de pensar patológicas. As intervenções têm como objetivo tratar pensamentos, crenças e avaliações ansiosas ajudando o indivíduo na mudança de percepção do que é visto como perigoso e que o torna vulnerável.

Guia com as 15 Técnicas para reduzir a ansiedade
Sou focada em achar o melhor conteúdo que já foi publicado na rede e trazer informações que são relevantes e agregam valor para você.
Casule Play

Medo, ansiedade e… cachorro?

Se você quiser saber mais ou conversar com um dos nossos profissionais sobre Medo, ansiedade e… cachorro?, você pode  agendar o seu horário clicando aqui. Ou você pode ver mais sobre Terapia Online, Acompanhamento semanal com nossa Nutricionista ou Como ter mais produtividade com o nosso Coach!
Redatora Casule, aqui no Blog.
Sou focada em achar o melhor conteúdo que já foi publicado na rede e trazer informações que são relevantes e agregam valor para você.

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários sua opinião sobre: Medo, ansiedade e… cachorro?.

Quando a rede social deixa de ser um prazer e impacta sua saúde emocional

Atualmente, as redes sociais são uma grande forma de interação social, nos conectando a amigos, familiares e pessoas do mundo todo. Auxiliam também na compra e venda de produtos, e contribuem para a disseminação de informações. Mas, mesmo com todas essas vantagens, as redes sociais também podem ser um ambiente bem tóxico.
Leia mais

AVALIAÇÃO PARA CIRURGIA BARIÁTRICA: entenda porque não pode ser realizada em uma única sessão

A avaliação para cirurgia bariátrica é um processo que consiste na utilização de diversas ferramentas para avaliar o paciente e possibilitar a elaboração do laudo. E como todo processo, não é viável ser realizado em uma única sessão, pois uma série de requisitos precisa ser cumprida para zelar pelo cuidado e segurança do paciente, além da fidedignidade do resultado.
Leia mais
Tenha o total controle das suas emoções conte com a Casule para o seu bem-estar.
Share This