Entendendo-o-transtorno-bipolar-nayara-casule

Entendendo o transtorno bipolar

Atualizado em 03/03/2018
Por Nayara Benevenuto

Entendendo o transtorno bipolar

Atualizado em 03/03/2018
Por Nayara Benevenuto
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Entendendo o transtorno bipolar

O transtorno bipolar é considerado um dos transtornos psiquiátricos mais graves devido à sua complexidade clínica, por envolver aspectos cognitivos, psicológicos, sociais, funcionais, até mesmo, neuroquímicos (Suppes & Dennehy, 2009). Além disso, é uma doença crônica e com elevados índices de comorbidade, prejudicando sensivelmente a qualidade de vida.

Segundo o Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais, DSM -5, o transtorno bipolar é caracterizado por uma desregulação do estado de humor, que oscila entre o extremamente baixo – depressão – ao extremamente alto – mania e/ou hipomania. Um paciente que se encontra em episódio depressivo maior pode apresentar perda de interesse/prazer por quase todas as atividades durante pelo menos duas semanas; alterações no apetite ou peso, no padrão de sono e atividade psicomotora; diminuição da energia; sentimento de culpa e/ou desvalia; dificuldade para pensar ou concentrar-se ou tomar decisões; pensamentos recorrentes sobre a morte, ideação, planos ou mesmo tentativas suicidas (APA, 2014).

No polo oposto, o paciente em estado maníaco pode apresentar humor elevado, eufórico e irritável. O comportamento é marcado por ser excessivo, ele passa a fazer diversas atividades de alto risco; reduz drasticamente a necessidade de sono; tem delírios por grandiosidade ou autoestima inflada; apresenta fuga de ideias ou pensamentos acelerados; sua atenção é desviada muito mais facilmente por estímulos externos insignificantes e, também, há um aumento da loquacidade (pressão por falar). Ressalte-se que, para diagnosticar um episódio maníaco, deve haver graves prejuízos no funcionamento psicossocial do paciente, por exemplo, presença de sintomas psicóticos ou até mesmo internação.

 

entendendo transtorno bipolar nayara casule 1

 

O DSM-5 faz distinção entre o transtorno bipolar de tipos I e II, sendo o tipo I caracterizado pela presença de episódios maníacos ou mistos sindrômicos completos e, no tipo II, haver pelo menos um episódio depressivo maior e um episódio hipomaníaco. O transtorno bipolar é comórbido com outras condições, algumas que fazem com que haja piora no prognóstico. Entre as principais comorbidades, destacam-se os transtornos de ansiedade, transtornos do déficit de atenção e hiperatividade, transtorno de oposição desafiante e transtornos relacionados ao uso de substâncias (Barlow, 2016).

 

Tratamento

terapia-online-casule-banner

 

O tratamento envolve farmacoterapia, psicoterapia e intervenções familiares. Atualmente, há estabilizadores de humor, anticonvulsivantes e antipsicóticos atípicos que aliviam os sintomas, controlam os episódios agudos e ainda ajudam a prevenir episódios futuros com duração ou gravidade maiores.

Ademais, a psicoterapia cognitivo-comportamental, como método de tratamento do transtorno em questão, tem por objetivo a psicoeducação, isto é, ensina aos pacientes e seus familiares e amigos sobre o transtorno, seu tratamento e dificuldades associadas à doença; facilita a cooperação e o engajamento no tratamento; atua como suporte no enfrentamento das situações de estresse que podem interferir no tratamento ou precipitar episódios de mania ou depressão; ensina habilidades de solução de problemas; promove o treino de comunicação; realiza intervenções e ensina o paciente a realizar o automonitoramento do humor e reestrutura crenças e esquemas cognitivos (Neto, 2004).

 

Referências:

APA (2014). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed.

Barlow, D.H. (2016). Manual clínico dos transtornos psicológicos. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed.

Neto, F.L. (2004). Terapia comportamental cognitiva para pessoas com transtorno bipolar. Rev Bras Psiquiatr 26 (Supl III): 44-6. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rbp/v26s3/22339.pdf

Suppes, T.; Dennehy, E. B. (2009). Transtorno Bipolar. Tradução Marina Fodra. Porto Alegre: Artmed, 2009.

 

Guia com as 15 Técnicas para reduzir a ansiedade
PSICÓLOGA Especialista em terapia cognitiva-comportamental com adultos e tem formação em terapia cognitiva sexual além de atuar na avaliação bariátrica. Clique para marcar uma consulta comigo
Casule Play

Entendendo o transtorno bipolar

Se você quiser saber mais ou conversar com um dos nossos profissionais sobre Entendendo o transtorno bipolar, você pode  agendar o seu horário clicando aqui. Ou você pode ver mais sobre Terapia Online, Acompanhamento semanal com nossa Nutricionista ou Como ter mais produtividade com o nosso Coach!
Nayara Benevenuto, aqui no Blog.
PSICÓLOGA Especialista em terapia cognitiva-comportamental com adultos e tem formação em terapia cognitiva sexual além de atuar na avaliação bariátrica. Clique para marcar uma consulta comigo

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários sua opinião sobre: Entendendo o transtorno bipolar.

0 comentários

5 sinais clássicos que você se cobra demais

5 sinais clássicos que você se cobra demais

Como lidar com a sensação incômoda de autocobrança excessiva? Como lidar com aquela voz que fica na nossa cabeça falando “você deveria ter feito isso”, “eu deveria dar conta… “você não podia ter feito aquilo”, “você podia ter feito diferente”, “porque eu sou assim?”, dentre outras tantas frases de cobrança que nós mesmos fazemos conosco.

3 estratégias para controlar seu dinheiro

Ser positivo é algo muito bom, porém quando falamos de dinheiro, devemos ser realistas e conhecer bem a nossa própria condição financeira. Por isso, ter inteligência emocional nas finanças se torna algo tão importante.
Leia mais

5 sinais clássicos que você se cobra demais

Como lidar com a sensação incômoda de autocobrança excessiva? Como lidar com aquela voz que fica na nossa cabeça falando “você deveria ter feito isso”, “eu deveria dar conta… “você não podia ter feito aquilo”, “você podia ter feito diferente”, “porque eu sou assim?”, dentre outras tantas frases de cobrança que nós mesmos fazemos conosco.
Leia mais

Geração Tik Tok: 3 vícios do momento

Uma tela de celular, um vídeo vertical e um minuto da sua vida. Esses três elementos são a essência do Tik Tok, a rede social de vídeos curtos que está viciando os jovens e já mudou os hábitos de consumo de vídeos de milhares de usuários. Você abre às 19h, e quando olha para o relógio novamente, já se passou uma hora.
Leia mais
Tenha o total controle das suas emoções conte com a Casule para o seu bem-estar.
Share This