Claustrofobia: uma doença que tem cura

Atualizado em 10/11/2015
Por Redatora Casule

Claustrofobia: uma doença que tem cura

Atualizado em 10/11/2015
Por Redatora Casule
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Claustrofobia: uma doença que tem cura

casule-psicologia-medo-de-lugar-fechado

A claustrofobia é uma doença diagnosticada como um distúrbio de ansiedade. A pessoa sente medo de ficar em lugares fechados, evitando assim a utilização de elevadores, aviões e ambientes com pouca ventilação. A gravidade da fobia pode variar de pessoa para pessoa. Tontura, náuseas, sensação de aperto no peito, suor e um mal estar perceptível, são alguns dos sintomas sentidos nos ambientes fechados, e podem ser confundidos com ataque de pânico.

Segundo a psicóloga Emanoele Almeida Moura, as causas deste transtorno podem ser decorrentes de algum trauma sofrido, e assim que o medo começar a interferir na vida cotidiana, é hora de procurar orientação médica. “A pessoa pode desenvolver a claustrofobia por algum trauma ou em alguma situação de sofrimento. Quando o claustrofóbico percebe que está limitando sua vida, deixando de fazer coisas do dia-a-dia, é o momento para procurar orientação, pois com a psicoterapia ele aprende a lidar com esse medo”.

Nos casos mais graves, a claustrofobia pode evoluir para a Síndrome do Pânico, sendo necessário acompanhamento de psiquiatras, que – com o auxilio de remédios – conseguem controlar a ansiedade do paciente e superar o problema.

terapia-online-casule-banner

A estudante de Direito Michelle Alves Rodrigues conhece bem o distúrbio. De acordo com ela, qualquer lugar fechado é sinal de preocupação. “Quando me vejo em lugares pequenos e fechados ou simplesmente cheios, começo a me sentir mal, minhas mãos começam a suar, sinto meu coração acelerado e muitas vezes falta de ar. Certa vez, estava em um ônibus que tem os vidros fechados pelo ar-condicionado, tive que sair. Aquela sensação de que estou presa, é simplesmente desesperadora. Quando entro no carro tem que ter janela aberta, mesmo que seja um pedacinho só”, conta Michele.

Segundo a estudante, o tratamento tem ajudado a lidar com o problema e o acompanhamento psicológico já possibilitou executar tarefas simples, como entrar no elevador e viajar novamente de ônibus. “Hoje entro no ônibus e sento nas poltronas próximas à porta, assim não me sinto tão presa, faço tratamento há alguns meses e desde então, já consigo até passar algum tempo no elevador coisa que julgava impossível alguns meses atrás”.

Tontura, náuseas, sensação de aperto no peito, suor e um mal estar perceptível, são alguns dos sintomas sentidos nos ambientes fechados, e podem ser confundidos com ataque de pânico.

Tratamento– A boa noticia é que a claustrofobia tem cura e com acompanhamento psicológico a pessoa é capaz de lidar com o medo e ter uma vida normal. Diversos tratamentos ajudam eliminar o problema, psicólogos,amigos e família são muito importantes na cura da doença.

FONTE:http://online.unisanta.br/2012/09-15/saude-4.htm

Guia com as 15 Técnicas para reduzir a ansiedade
Casule Play

Claustrofobia: uma doença que tem cura

Se você quiser saber mais ou conversar com um dos nossos profissionais sobre Claustrofobia: uma doença que tem cura, você pode  agendar o seu horário clicando aqui. Ou você pode ver mais sobre Terapia Online, Acompanhamento semanal com nossa Nutricionista ou Como ter mais produtividade com o nosso Coach!
Redatora Casule, aqui no Blog.
Sou focada em achar o melhor conteúdo que já foi publicado na rede e trazer informações que são relevantes e agregam valor para você.

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários sua opinião sobre: Claustrofobia: uma doença que tem cura.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O funcionamento do TDAH em adultos

O Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, conhecido como TDAH, é um transtorno do neurodesenvolvimento que apresenta como característica essencial um padrão persistente de desatenção, desorganização e/ou hiperatividade-impulsividade, o qual costuma persistir na vida adulta resultando no comprometimento do funcionamento social, acadêmico e profissional.
Leia mais
O funcionamento do TDAH em adultos

5 passos para solucionar um problema

Em nosso cotidiano sempre surgem problemas inesperados, não conseguimos fugir deles. Nesse vídeo busco explicar quais são os passos mais importantes para estruturarmos uma solução assertiva.
Leia mais
5 passos para solucionar um problema

Formas de Comunicação

A maneira como você expressa sua opinião e interesses está muito relacionada com a interpretação que o outro vai fazer de você, ou da conversa que vocês estão tendo.
Leia mais
formas de comunicação
Tenha o total controle das suas emoções conte com a Casule para o seu bem-estar.
Share This