Transtorno de Pânico!

Atualizado em 09/11/2015
Por Redatora Casule

Transtorno de Pânico!

Atualizado em 09/11/2015
Por Redatora Casule
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Transtorno de Pânico!

casule-psicologia-transtoron-do panico

terapia-online-casule-banner

Transtorno do Pânico

Transtorno de pânico é considerado um dos transtornos de ansiedade mais freqüentes, atingindo 1,5 a 2% da população, na maioria dos casos mulheres entre 18 e 35 anos.

O transtorno é caracterizado pela presença de: ataques de pânico inesperados e repetidos, seguidos por pelo menos um mês de preocupação persistente acerca de ter um novo ataque, perder o controle, ter uma complicação cardíaca e até enlouquecer.

Um ataque de pânico é definido por um período de intenso medo ou desconforto acompanhado por pelo menos 04 dos sintomas citados a seguir: palpitações, sudorese, tremores, sensação de falta de ar ou sufocamento, dor ou desconforto no peito, náusea ou desconforto abdominal, tontura, desrealização (sensações de irrealidade), despersonalização (distanciamento de si mesmo), medo de perder o controle ou de enlouquecer, medo de morrer, anestesia ou sensações de formigamento, calafrios ou ondas de calor. Os ataques podem ocorrer diariamente ou semanalmente, no período de vários meses.

O medo de ter um próximo ataque, pode gerar um comportamento de esquiva denominado agorafobia caracterizado por: ansiedade em permanecer em locais ou situações de difícil saída, ou a percepção da impossibilidade de auxílio caso ocorra um novo ataque de pânico. As situações podem ser várias, dentre elas: ficar sozinho e não obter socorro, estar no meio de uma multidão, permanecer numa fila, estar em uma ponte e viajar de ônibus, trem ou automóvel

Ataque de Pânico

Modelo Comportamental do Transtorno do Pânico 

No Transtorno do Pânico o indivíduo tende a se esquivar das interações e situações estressoras como, também, das próprias emoções (ansiedade e suas manifestações físicas) (3). Neste caso, ele passa a acreditar que fica livre do mal estar, o que acarretará, cada vez mais, o comportamento de esquiva, limitando sua vida. O modelo de Barlow valoriza o condicionamento interoceptivo. Ele diz que o ataque de pânico inicial é um “alarme falso”. O indivíduo sente-se mal frente a um estímulo estressor e associa este mal estar à situação vivida(4).

Este ataque inicial é tão traumático e assustador que coloca a pessoa em estado de alerta a espera de um novo episódio. Com isto, ele passa a evitar as situações, reduzindo sua ansiedade. O modelo comportamental, portanto, enfoca o condicionamento dos ataques, ou seja, a cada novo ataque de pânico espontâneo, o mesmo circuito é instalado. ( 2)

Tratamento

A técnica comportamental mais utilizada no tratamento do transtorno do pânico é a exposição. Esta técnica consiste em ensinar o paciente a enfrentar as situações temidas, lidar com os sintomas físicos causados pela ansiedade durante um ataque de pânico e comportar-se diferentemente diante destas situações.

Espera-se que haja uma redução da resposta de ansiedade quando o indivíduo entra em contato várias vezes com o estímulo que lhe causa o medo e os respectivos sintomas desagradáveis.

Este confronto de forma sistemática faz com que ele desconfirme a ideia de uma conseqüência negativa, promovendo a redução do seu desconforto e a segurança para parar de evitar as situações. O terapeuta deve orientar o paciente a se expor progressivamente a situações geradoras de ansiedade. Estas situações podem estar relacionadas ao ambiente do indivíduo (exposição aos estímulos externos), ou aos sintomas físicos (exposição aos estímulos internos ou exposição interoceptiva). É necessário que o paciente esteja em estado de relaxamento durante os exercícios de exposição.

Neste caso, o terapeuta deverá ensinar o paciente a relaxar e a técnica que normalmente é utilizada é o relaxamento muscular progressivo de Jacobson.

É, também, importante que o paciente aprenda a respiração abdominal, que contribui no relaxamento e, consequentemente, na diminuição da ansiedade e seus sintomas físicos. Os tratamentos de exposição funcionam por permitirem aos pacientes com TP experimentarem a situação temida e, desse modo, perceber que seus temores são infundados. Uma vez iniciado o tratamento, é importante que se faça uma monitoração contínua dos exercícios de exposição para verificar os progressos obtidos. Caso contrário, o terapeuta deverá identificar as variáveis que estão interferindo no sucesso do tratamento e que podem estar relacionadas com a hierarquia elaborada ou mesmo com as dificuldades ou resistências do paciente. O procedimento mais comum de monitoração é o diário, onde o paciente registra as situações de exposição, as sensações experimentadas e uma nota para sua ansiedade (5).

FONTE:http://www.aporta.org.br/site/ampliar_foto.asp?retorno=transtorno-de-ansiedade.asp&cod_pagina=187&codigo_foto=66&cod_ev&mes&ano&cod_not&cod_pgr&autenticacao&cod_idioma=1
Guia com as 15 Técnicas para reduzir a ansiedade
Casule Play

Transtorno de Pânico!

Se você quiser saber mais ou conversar com um dos nossos profissionais sobre Transtorno de Pânico!, você pode  agendar o seu horário clicando aqui.


Ou você pode ver mais sobre Terapia Online, Acompanhamento semanal com nossa Nutricionista ou Como ter mais produtividade com o nosso Coach!
Redatora Casule, aqui no Blog.
Sou focada em achar o melhor conteúdo que já foi publicado na rede e trazer informações que são relevantes e agregam valor para você.

O que você achou deste conteúdo?
Conte nos comentários sua opinião sobre: Transtorno de Pânico!.


0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mães-Narcisistas
Mães Narcisistas

Mães Narcisistas

O termo “narcisismo” já faz parte da cultura ocidental há mais de século. Tem origem no mito grego de Narciso, rapaz jovem e orgulhoso cuja beleza era admirada por todos. Em uma caminhada ao lado de um rio, Narciso vê seu reflexo na água pela primeira vez. Apaixonado pela própria imagem, ele se mantém junto ao rio para melhor apreciá-la. Por recusar-se a abandoná-la, Narciso morre no local, admirando a si mesmo.
Insonia
Insônia

Insônia

Algumas pessoas enfrentam dificuldades na hora de dormir, seja para iniciar ou manter o sono, como por exemplo, acordam muito mais cedo do que estão habituadas e não conseguem voltar a dormir, acordam no meio da noite ou dormem durante toda a noite e acordam com a sensação de cansaço. Assim, a insônia é caracterizada como a incapacidade de conciliar o sono, seja para adormecer ou permanecer dormindo. “É possível identificar suas causas?” Sim, em sua maioria são consideradas psicofisiológicas.
Ensine seu filho(a) a lidar com as emoções
Ensine seu filho(a) a lidar com as emoções

Ensine seu filho(a) a lidar com as emoções

As crenças dos pais e cuidadores influenciam diretamente em como as crianças irão enxergar o mundo, o outro e principalmente a si mesmas. Todos nós temos nossos medos, ansiedades, sentimos raiva, tristeza e para cada um de nós as emoções têm uma intensidade, um significado e um motivo para que elas se expressem. Ensinar os pequenos a reconhecer as emoções, é muito importante para que tenhamos pessoas mais inteligentes emocionalmente.

Os Efeitos Psicológicos da Pandemia

Muito se fala sobre os impactos físicos que o Covid-19 pode trazer ao corpo. Mas ainda é pouco falado sobre o agravamento dos quadros de transtornos mentais que a Pandemia gerou.
Leia mais

Metáfora do alarme desregulado e a ansiedade

Pra que serve um alarme em casa? Para dar segurança e avisar quando a casa é invadida, por exemplo. Imagina se esse alarme está desregulado e ele começa a disparar quando não tem invasão ou até mesmo quando um amigo seu vem te visitar.
Leia mais
Metáfora do alarme desregulado e a ansiedade blog casule

O que é a terapia de Aceitação e Compromisso (ACT) e como ela pode te ajudar

A Terapia de Aceitação e Compromisso ou ACT (Acceptance and Commitment Therapy) foi desenvolvida nos Estados Unidos pelo psicólogo Steven Hayes e por seus colegas Kelly Wilson e Kirk Strosahl. Ela tem se mostrado altamente eficaz na solução de uma série de problemas, desde depressão, ansiedade, dor crônica e até mesmo vício em drogas.
Leia mais

Por que não dá para fugir do que te causa ansiedade?

Um comportamento muito comum em quem sofre de ansiedade é fugir do que a causou. Para uma pessoa que tem medo de falar em público – que tem crises de ansiedade só de pensar que vai estar na frente de uma plateia falando sobre algum assunto – recusar um convite para dar a palestra vai trazer um alívio imediato dos sintomas. Mas será que o problema foi resolvido?
Leia mais

Quando eu devo perdoar meu parceiro?

A reposta para esta pergunta é SEMPRE! Sempre Cris? Mas ele não merece!!! O perdão não é para ele… porque ele merece… é para você! Porque você merece PAZ! Te explico melhor aqui neste vídeo. Vem Comigo!!!
Leia mais

Como ter inteligência emocional?

Quanto maior a inteligência emocional, maior a qualidade das relações e interações sociais. Você já parou para pensar como podemos ter mais inteligência emocional?
Leia mais

Rede Social x Saúde Mental

Existem muitas pesquisas que relacionam problemas de saúde mental, principalmente depressão e ansiedade, com o uso excessivo das redes sociais. Mas o que acontece para que um número cada vez maior de pessoas se sinta atraída como se estivessem hipnotizadas, mesmo sabendo o quanto esse hábito em excesso pode ser prejudicial à saúde mental?
Leia mais

Como lidar com a Ansiedade diante da chegada de um Novo Ano?

A chegada do Ano Novo traz consigo a ideia de Recomeço! Para muitas pessoas, representa esperança, prosperidade e expectativas positivas para ”uma nova vida”. Nessa época, também é comum nos sentirmos ansiosos pela vontade de renovação e mudança. Mas, não podemos nos esquecer que a Ansiedade é uma sensação normal e nem sempre ruim. Ela faz parte do nosso instinto de proteção e nos prepara para lidar com as situações de perigo ou estresse.
Leia mais
Como lidar com a Ansiedade diante da chegada de um Novo Ano

Você reclama demais?

Você já parou para reparar quantas vezes você reclamou hoje? O nosso dia a dia está cada vez mais cheio de obrigações e afazeres. Muitas vezes o cansaço e as preocupações fazem com que façamos das reclamações um hábito. Se você se identificou com esse conteúdo, assista ao vídeo.
Leia mais
Voce Reclama Demais blog casule
Tenha o total controle das suas emoções conte com a Casule para o seu bem-estar.
Share This