dislexia
Entendendo a Dislexia
13 de julho de 2017
Uso excessivo de redes sociais (vídeo completo)
14 de julho de 2017
terapia de grupo

Você já ouviu falar em terapia de grupo?

Esta possibilidade de prática terapêutica tem apresentado bons resultados por possibilitar que pessoas que estejam vivenciando algum problema, possam buscar ajuda nas partilhas em grupo. Embora haja bons resultados, esse tipo de terapia ainda é pouco difundida e exercida em relação a outras práticas, como a terapia individual, por exemplo. A principal razão para que isso ocorra é o fato de que nem todas as pessoas se sentem a vontade com esta forma de terapia coletiva.

Nos grupos terapêuticos é incentivado que os participantes compartilhem seus problemas, troquem informações, ideias e vivências com o objetivo de aprender novas maneiras de resolução dos seus problemas. Esta busca pelo aprendizado de novas formas de lidar com os problemas é incentivada pela comunicação e interação entre os componentes do grupo, que proporcionam de forma natural às trocas emocionais.

Como são definidos os grupos?

Os grupos são formados por no mínimo três ou quatro pessoas, com encontros que podem ser semanais, quinzenais ou ainda mensais dependendo da demanda dos participantes e do que for combinado entre eles. Os encontros tem duração aproximada de 1hora e 30 minutos.

Os grupos podem ser formados de maneira livre, onde os problemas e interesses serão apresentados de acordo com a demanda dos participantes. Ou grupos temáticos, nestes serão abordados assuntos dentro do interesse e demanda do grupo. São exemplos de temas de grupos terapêuticos questões relacionadas à obesidade, consumo de cigarro, álcool ou outras drogas, luto, depressão, ansiedade, timidez, as mudanças na terceira idade, medo de dirigir etc.

Como acontecem os grupos?

Para um bom desenvolvimento do grupo e bons resultados para os participantes de forma individual, é fundamental que o paciente se identifique com o grupo e com o formato da terapia, estando disposto a ouvir os outros participantes.

Para que se alcance essa relação, é importante que o facilitador do grupo deixe claro aos integrantes que todas as informações partilhadas no grupo serão mantidas em sigilo. Esta informação traz mais segurança e confiança para que os pacientes sejam sinceros e não tenham vergonha de relatar suas experiências.

No desenvolvimento do grupo as pessoas começam a perceber que tão importante quanto relatar as suas vivências, é ouvir com respeito às histórias dos demais integrantes e desta forma, os participantes passam a opinar e sugerir formas mais adequadas de lidar com o problema, de acordo com as suas experiências.

Função do psicólogo

O primeiro passo para a formação dos grupos acontece com uma entrevista realizada pelo psicólogo. Esta entrevista acontece de maneira individual e tem por objetivo compreender a necessidade e interesse de cada pessoa. Desta forma, os participantes são encaminhados para os grupos que atenderam melhor ao seu perfil, a sua motivação ou necessidade naquele momento.

Para que estas partilhas ocorram de maneira mais eficiente e produtiva, os psicólogos atuam como mediadores, buscando facilitar as interações que ocorrem entre os integrantes do grupo, possibilitando a participação de todos os integrantes através de questionamentos e/ou dinâmicas.

Benefícios da Psicoterapia de Grupo

A psicoterapia em grupo traz inúmeros benefícios para os seus participantes. Sendo alguns deles:

  • O paciente passa a relatar de forma mais verdadeira sua forma de agir ou pensar;
  • Desenvolvimento das habilidades sociais, colaborando, por exemplo, em casos de timidez;
  • Aumento da capacidade de falar, como também de ouvir outras pessoas;
  • Ao perceber que outras pessoas também passam por problemas como o seu, ou tem dificuldades como as suas, os pacientes sentem-se mais acolhidos por saberem que não estão sozinhos;
  • Favorece o fortalecimento emocional, o autoconhecimento e o sentimento de ajuda quando um participante do grupo percebe ter ajudado outros integrantes;
  • Descobrir novas formas de enfrentamento diante de suas angústias e problemas, através da troca de experiências dos participantes;
  • Exercitar o sentimento de ajuda e de compaixão com os outros;

Comentários

comentários

Christina Daret
Christina Daret
Psicóloga, pós graduada em Terapia Cognitivo Comportamental. Apaixonada pela Psicologia e o atendimento clínico. Adora viajar e estar com a família.

Os comentários estão encerrados.

Marcar Consulta