Neste artigo, vamos abordar uma das modalidades de tratamento para um dos transtornos psicológicos mais prevalentes na população: a Fobia Social.

Este transtorno caracteriza-se pelo medo excessivo e persistente de situações sociais, no qual uma pessoa teme e evita a convivência com outros pela preocupação de ser humilhada, constrangida ou avaliada de forma negativa. Os transtornos de ansiedade social atingem um número significativo de indivíduos na população e podem apresentar características distintas de acordo com o meio sociocultural e as particularidades dos sujeitos.

Entretanto, há um denominador comum que é representado pelo comprometimento das relações sociais; ocasionando a perda das interações e baixa qualidade de performance, gerando problemas na qualidade de vida das pessoas e trazendo sérios prejuízos ao seu bem-estar mental.

Um dos tratamentos mais requisitados para o transtorno baseia-se na Terapia Cognitivo Comportamental (TCC), atuando na modificação de crenças e pensamentos disfuncionais que fazem com que o sujeito interprete o mundo de forma distorcida e irreal. Este mesmo tratamento pode ser realizado em grupo. Apesar de contraditória a ideia de tratar pacientes com Fobia Social em grupo – já que eles sentem as relações sociais como ameaçadoras e ansiogênicas – o tratamento é bastante eficaz.

O trabalho em grupo tem sido referenciado como apropriado e positivo no tratamento do Transtorno de Ansiedade Social, por proporcionar ao indivíduo o convívio direto e o relacionamento com outras pessoas do grupo, fazendo com que o contato social seja estimulado, visando diminuir o isolamento do sujeito. O fato dos pacientes interagirem com pessoas que sofrem do mesmo problema cria um ambiente de identificação e o processo terapêutico torna-se um sucesso.

A proposta das sessões em grupo é oferecer às pessoas que sofrem deste transtorno uma oportunidade de aprimorar suas habilidades e adquirir ganhos nas relações sociais, auxiliando na modificação de pensamentos disfuncionais, no controle dos sintomas de ansiedade com o uso de técnicas de relaxamento e treinando suas habilidades sociais, como a comunicação, por exemplo.

Outro benefício deste tratamento clínico é ajudar um número maior de indivíduos. Por ser uma terapia grupal mais pessoas podem se beneficiar da proposta terapêutica e apresentar melhora na qualidade de vida e de suas relações sociais.

A psicoterapia cognitivo-comportamental em grupo permite um alcance maior de pessoas e a obtenção de resultados mais rápidos. Além disso, é um tratamento bastante rico e diverso, já que pode ser feito com pessoas de ambos os sexos, idades e de regiões geográficas distintas.

Outra vantagem de assistir um grupo de pessoas é sua viabilidade financeira, abarcando uma demanda maior e mais específica. O ideal é que o grupo seja assistido por mais de um terapeuta, sendo recomendado até 3 profissionais para administrar as sessões: um terapeuta principal, um co terapeuta e um observador.

Isto se deve ao fato de que mais informações possam ser retidas e mais técnicas trabalhadas a fim de desenvolver o grupo e aprimorar suas habilidades. Além disso, os terapeutas podem servir de apoio, se caso um ou dois deles precisarem se ausentar devido à intemperes terapêuticas e/ou pessoais.

Uma questão importante é o cuidado que o profissional deve ter ao criar o grupo terapêutico, pois deve priorizar-se a homogeneidade do mesmo. É necessário que estes participantes passem por uma triagem, a fim de verificar se realmente apresentam traços de Ansiedade Social e se não há nenhum outro transtorno grave acompanhando sua Fobia, como Transtorno Bipolar ou Depressão grave.

Comentários

comentários