casal brigado
O que é assertividade?
6 de julho de 2017
briga de casal
Relacionamentos conjugais conflituosos
10 de julho de 2017
bailarina na praia

Para usufruir de uma vida melhor é preciso estar com a saúde em dia, e ao se falar em saúde não se deve pensar apenas de maneira física.

Com o crescimento pela busca de se exercitar, a dança se tornou uma das opções mais procuradas por ser uma atividade prazerosa de se praticar, seja por profissionais ou simpatizantes.

A dança nas fases da vida

  • Infância: A criança é um ser em constante busca de conhecimento de si mesmo e daquilo que a rodeia, e a dança têm a função de permitir a criação de movimentos de livre expressão, domínio do corpo, descoberta de novos espaços e formas e condições para enfrentar novos desafios motores, sociais, afetivos e cognitivos.
  • Adolescência: Conhecida como um período de intensas mudanças e descobertas, o adolescente se encontra em uma situação de confusão de identidade. Para essa fase da vida, permanecer ou ingressar na dança permite um meio social de apoio mútuo e uma regulação das emoções como forma de prevenção da ansiedade, estresse e depressão, além de explorar capacidades do corpo e da mente.
  • Meia idade: Período de perdas e de instabilidade emocional devido às limitações que ocorrem ao longo da vida. Com isso, passa a existir a necessidade de melhorar esse processo de envelhecimento tornando a vida mais prazerosa, e a dança por ser uma atividade estimuladora surge como uma atividade física que proporciona um cuidado com o corpo, com a mente e com as relações sociais.
  • Terceira idade: A dança passou a ser uma recomendação médica não só com o objetivo de amenizar sintomas de algumas doenças como depressão, hipertensão, obesidade e osteoporose, mas também, estimular a sociabilidade e promover o bem-estar emocional e ganhos como força, ritmo, agilidade, equilíbrio e flexibilidade.

Saúde e Dança

  • Autismo: Evolução na parte de imitação, inferência em relação a emoções e sincronização.
  • Parkinson: Benefícios físicos, emocionais e sociais.
  • Esquizofrenia: Terapias de dança são altamente eficazes no tratamento de sintomas de pacientes com esquizofrenia.
  • Hipertensão: Melhora da condição médica e diminuição de sintomas.
  • Prevenção de doenças: Dança, música e literatura devem ser incentivadas com periodicidade para uma boa promoção de saúde.
  • Pacientes com implante coclear: Promove a aprendizagem de música em crianças surdas com implante coclear.

Qual a ligação da clínica de psicologia com a dança?

A terapia cognitivo comportamental é considerada uma abordagem mais estruturada e direcionada a resolver problemas atuais. Ela se 07fundamenta na mudança de pensamentos e comportamentos disfuncionais.

A psicologia clínica voltada para a dança pode cuidar de algumas questões específicas, como por exemplo: rendimento, orientação profissional, ansiedade, transtornos alimentares e treinamento de habilidades sociais.

A dança tem a capacidade de promover vários aspectos físicos, como equilíbrio, força e emagrecimento. Porém, o que algumas pessoas não sabem é que ela também promove saúde mental, sendo capaz de diminuir sintomas diversos como ansiedade, estresse e depressão.

Dessa forma, a dança é considerada uma terapia complementar.

Comentários

comentários

Milena Magiolo
Milena Magiolo
Psicóloga que percebe a infância como uma etapa importante na vida do ser humano e valoriza a atenção e o cuidado em suas sessões. Apaixonada pela família, amigos, dança e chocolate.

Os comentários estão encerrados.

Marcar Consulta