Os benefícios em olhar para o que já existe de bom em você
11 de abril de 2015
Saiba mais sobre insônia infantil!
14 de abril de 2015

Os benefícios da prática da atividade física na infância

esporte-criança-casule-psicologia

Benefícios físicos

Quanto mais cedo o esporte for apresentado, mais fácil será a aceitação pela criança. Os pais devem oferecer o esporte como uma atividade lúdica e não como uma obrigação e com cobranças por resultados. A criança atual apresenta habilidade enorme para mexer em computador e completar jogos no videogame. Isso não é nada interessante, sinal de que os pequenos estão cada vez menos praticando esportes e optando pelos jogos eletrônicos. O esporte é essencial (não se esqueçam disso, pais!) para o desenvolvimento da criança.

Algumas atividades físicas são indicadas para cada etapa do crescimento do pequeno. Especialista em Ortopedia Pediátrica do Hospital e Maternidade São Luiz, o Dr. Fabiano Prata, ressalta que é importante respeitar o estágio de desenvolvimento neuropsicomotor da criança de acordo com sua faixa etária. Ou seja: não surtirá tanto efeito exigir com que o filho aprenda as regras do futebol se ele tem apenas 2 anos.

Lembrando que qualquer esporte é importante, mesmo que não esteja incluído na lista abaixo descrita pelo Dr. Fabiano Prata.

Até o primeiro ano de vida – atividades básicas, como engatinhar, primeiros passos, pois são leves e harmoniosas, levando-se em conta que o bebê ainda está em estágio inicial de crescimento.

1 a 6 anos – Natação é uma grande pedida. Explicações não faltam para apontar a natação como benéfica. A natação ajuda a trabalhar o sistema respiratório e a melhorar o desenvolvimento motor, o equilíbrio e a postura. Além disso, não há regras, como o futebol, por exemplo. É tão somente pular na água e nadar. Mesmo não sendo um esporte, o subir e descer escadas é um bom exercício físico aos pequenos entre 1 a 6 anos. Também não se pode esquecer de atividades como andar de bicicleta ou triciclos e brincadeiras em parques como subir em escorregador e brinquedos que exijam pouco esforço.

6 a 12 anos – Esportes que envolvem técnicas e regras já se tornam interessantes a essa faixa etária. Antes de apontarmos as principais modalidades a serem seguidas, é interessante que as aptidões do filho sejam levadas em considerações.

Esportes como vôlei, futebol e basquete trabalham o aspecto psicológico, auxiliando a criança a trabalhar em equipe, conviver com diferentes tipos de personalidades, aprender a perder e ganhar.

O judo e caratê trabalham muito a disciplina. São esportes individuais e altamente técnicos. Nem sempre o mais forte vence. A concentração e a mentalização são importantes trunfos nessas modalidades. Essa disciplina pode trazer frutos na vida do menino ou menina.

“Hábitos saudáveis adquiridos desde cedo ajudam a criança a ter uma melhor qualidade de vida quando adulta, prevenindo possíveis doenças causadas pelo sedentarismo”, frisa o ortopedista.

Benefícios psicológicos

3036fc0ecf1c9319f069de203ef519a1

Através da atividade física, a criança desenvolve algumas habilidades sociais importantes para o seu desenvolvimento cognitivo e interpessoal e, como consequência, é mais competente socialmente. Com o esporte, a criança começa a aprender a conviver melhor com os colegas, valorizar as relações interpessoais, superar a sua própria resistência, aprimorar a capacidade de lidar com a frustração, compreender e aceitar mais as regras, resolver conflitos, além da consciência corporal, coordenação motora e orientação espacial que é estimulada. Além disso, a atividade física é essencial para regular o sono, melhorar a atenção e concentração, elevar a autoestima e aliviar a ansiedade e o estresse da criança. Portanto, com o esporte, a criança apresenta melhoras pessoais, escolares e sociais.

Qualquer esporte deve ser prazeroso! A criança deve procurar fazer aquela atividade que ela se sinta bem e que lhe traga benefícios. Nenhum tipo de exigência extrema por resultados é benéfica, nem dos pais, nem da criança e nem do educador físico. Para isso, os pais deverão monitorar as crianças nas atividades físicas e sempre conversar com o professor sobre o assunto. Além disso, não deve haver sobrecarga de atividades extras que a criança faz, senão haverá mais prejuízos do que benefícios. A criança precisa também de descansar, de brincar e estudar, tudo com planejamento e na medida certa. Caso a criança se cobre excessivamente, não apenas em relação ao esporte, mas em outros aspectos da vida, outra opção é procurar ajuda profissional de um psicólogo para que tais aspectos sejam trabalhados.

Fonte: http://www.desenvolvimentodobebe.com.br/esportes-ideais-para-cada-fase-da-crianca/

Os benefícios psicológicos da prática da atividade física na infância

Comentários

comentários

Nayara Benevenuto
Nayara Benevenuto
Especialista em Terapia Cognitivo-comportamental com crianças e adolescentes. Atende: adultos, casais, famílias, crianças e adolescentes. Afiliada à Federação Brasileira de Terapias Cognitivas (FBTC).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Marcar Consulta