como-ajudar-uma-criança-a-expressar-emocoes-psicologia-casule
As crianças e suas emoções (vídeo completo)
22 de novembro de 2018
expectativa---psicóloga---Suelen---Casule
Criar expectativas é um problema?
26 de novembro de 2018

O recomeço como forma de cura

O recomeço como forma de cura_--psicóloga---Christina---Casule

Todos nós passamos por situações que podem gerar dor e/ou sofrimento. Estamos sempre expostos à possibilidade de sermos demitidos, perdemos alguém que nos era importante e faleceu, termos uma forte decepção com o término de uma relação amorosa ou mesmo por termos sido promovidos, por exemplo, e isso ter nos obrigado a mudar de cidade, deixando assim toda a nossa rotina ou amizades para traz. Os motivos podem ser diversos e jamais teremos como nos proteger de maneira absoluta de tais dores.

            No momento em que nos vemos atingidos pelo sofrimento é necessário que tenhamos claro que cada dor é pessoal, ainda que passemos por experiências parecidas. Compreendermos aquilo que nos causou tanto sofrimento e aceitarmos que, ao passarmos pelo processo de cicatrização, teremos a oportunidade de recomeçar, pode nos trazer ganhos e ajudar a diminuir o que está nos causando dor. É preciso reconhecê-la, aceitá-la e entender a sua importância enquanto meio de aprendizagem para que, só então se possa seguir.     

Como podemos buscar a cicatrização da dor que nos permitirá o recomeço?

  • Reconheça a sua dor e a aceite

O esforço que por vezes fazemos tentando esconder, de nós mesmos e de quem nos cerca, as tristezas que sentimos, é quase tão grande e significativo quanto a dor em si. É necessário que reconheçamos a dor que estamos passando e a aceitemos para que seja possível superá-la. Permitir-nos viver tal dor, sentir, sofrer, refletir é o que nos ajudará a superá-la e é preciso habituar-se a esse processo. 

  • Descubra o que de fato alivia a sua dor

Cada pessoa precisa descobrir aquilo que traz alívio a sua dor. Alguns buscam algo que lhe permita estar em contato com a natureza, outros preferem fazer uma atividade física, dedicar seu tempo a uma boa leitura, aprender algo novo (nova língua, instrumento musical, pintura, bordados, etc), ajudar alguém com visitas em hospitais ou trabalhos voluntários com pessoas carentes, por exemplo. Muitas são as opções, o importante é que você possa descobrir o que vai ser mais prazeroso para você e lhe permitirá que se desconecte em alguns momentos dos seus problemas e se torne mais fortalecido para encará-los.

  • Não tenha receio de solicitar auxílio

Um período de isolamento pode ser necessário para se alcançar a cura. No entanto, passar por períodos longos de solidão pode ser prejudicial. Busque apoio com seus amigos e familiares, recorra aos grupos de ajuda e caso você siga alguma religião busque fortalecimento na sua crença.

  • Perceba o que foi positivo nessa experiência

Por maior que tenha sido a sua dor, sempre é possível retirar algo de positivo. Olhar para trás, distanciando-se do sentimento de culpa, pode lhe permitir sair dessa situação, que lhe trouxe tanta dor, mais sábio e resiliente. 

E lembre-se de algo importante. A escolha sempre será sua! O caminho de buscar culpados, de reclamar, de se posicionar como vítima ou de permanecer no sofrimento é uma das opções. Assim como o caminho de viver o sofrimento, mas não se entregar a ele, e se você não conseguir sozinho (a) não hesite em solicitar ajuda.

Comentários

comentários

Christina Daret
Christina Daret
Psicóloga, pós graduada em Terapia Cognitivo Comportamental. Apaixonada pela Psicologia e o atendimento clínico. Adora viajar e estar com a família.

Os comentários estão encerrados.

Marcar Consulta