Mundo da Criança: Transtornos Disruptivos
14 de outubro de 2016
As 4 leis do desapego para a liberação emocional
18 de outubro de 2016

Esse estranho prazer não é nosso, na verdade, embora pareça que sim.

As emoções negativas que nós guardamos têm uma vida própria. Elas desejam se alimentar. A raiva quer sentir mais raiva, a tristeza quer sentir mais tristeza, a culpa quer sentir mais culpa… Os sentimentos tomam conta dos nossos pensamentos e assumem o controle para que possam se alimentar e se fortalecer.

E são várias as formas que as emoções nos usam para que elas possam se energizar e permanecer dentro de nós. Exemplos: relembrar um diálogo de uma briga que tivemos com alguém, faz-nos sentir a raiva e alimentar essa emoção. Ouvir uma música triste depois de terminar um relacionamento ajuda a alimentar a tristeza. Um diálogo mental interno de autocondenação e recriminação alimenta a culpa que sentimos de alguma situação. Discutir com alguém no dia a dia alimenta a raiva que já sentimos. Ver notícias desagradáveis na televisão alimenta a raiva, tristeza etc.. Fazemos tudo isso de forma inconsciente.

No momento em que esses processos ocorrem, estamos possuídos pelas emoções. Estamos sendo usados por elas. Desavisados, pensamos que somos nós que estamos gerando aqueles pensamentos e sentimentos. São essas emoções que estão se deleitando, sentindo prazer em se perpetuar. Ao mesmo tempo que sofremos com a dor que a emoção provoca, também sentimos o prazer que ela sente por se fortalecer e sobreviver.

Pela nossa falta de autoconhecimento nos enganamos e nos confundimos com os pensamentos e emoções que passam pela nossa mente e corpo. Achamos que somos essas emoções. Entretanto, elas não fazem parte da nossa verdadeira essência. São energias que passam por nós e que podem ser dissolvidas. Se elas realmente fizessem parte de quem somos, jamais poderiam ser liberadas.

Guardar raiva, mágoa, rancor, ressentimentos, mesmo que secretamente. Embora essas emoções provoquem sofrimento, elas também nos causam uma sensação de superioridade. Quando sentimos raiva de alguém, dá um sensação de poder, um senso interior de que “eu estou certo” e “o outro está errado”. O ego, que é a nossa identificação com esses pensamentos e emoções, adora sentir que está certo, pois isso lhe causa uma falsa sensação de engrandecimento. O mesmo ocorre quando julgamos e criticamos os outros, mesmo que apenas mentalmente, sentimo-nos também superiores.

Mesmo que a raiva e os ressentimentos não sejam expressos, eles continuam no nosso interior criando diálogos mentais conscientes e inconscientes sentindo prazer em se alimentar.

Existe ainda a crença, normalmente oculta, de que estamos punindo a outra pessoa com a nossa raiva. Claro que racionalmente isso não faz sentido. Mas essa é uma das razões que fazem com que as pessoas não queiram perdoar as outras. Elas acham que o perdão seria um prêmio para o outro, ou seja, se elas não perdoam estão de alguma forma punindo quem lhes causou um mal. Perdoar, na verdade, é apenas se libertar de todo rancor, raiva e qualquer outro sentimento negativo com relação a alguma pessoa, e voltar a ficar em paz consigo mesmo.

A raiva que está guardada dentro de nós sente um prazer em “punir” o outro, ao mesmo tempo em que ela se alimenta e se fortalece. Todos esses mecanismos são formas de perpetuar o sofrimento coletivo que a humanidade vem acumulando, através do sofrimento individual de cada um ser humano. Esse sofrimento também pode ser chamado de “sombra”. Eckhart Tolle, autor do livro “Um novo mundo, o despertar de uma nova consciência” e do “O poder do agora” chama esse sofrimento de “corpo de dor”.

Cada emoção presa dentro de nós é uma parte do corpo de dor, ou da sombra. Somando várias emoções negativas, criamos um corpo de dor cada vez mais denso e pesado. E quanto mais emoções ele acumula, mais domina os nossos pensamentos e ações e tende a se fortalecer ainda mais. É esse corpo de dor acumulado que gera pensamentos negativos, falta de autoconfiança, gera baixa autoestima, e quando se intensifica, acaba dando origem a doenças mais sérias: depressão, ansiedade generalizada, vício por drogas, compulsões, obesidade etc…

FONTE:http://www.eftbrasil.com.br/o-prazer-nos-sentimentos-negativos/

Comentários

comentários

Redatora Casule
Redatora Casule
Sou focada em achar o melhor conteúdo que já foi publicado na rede e trazer informações que são relevantes e agregam valor para você.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Marcar Consulta