Remédios- quando associá-los a terapia - casule

Remédios: quando associá-los a terapia?

Atualizado em 16/11/2017
Por Redatora Casule

Remédios: quando associá-los a terapia?

Atualizado em 16/11/2017
Por Redatora Casule
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Remédios: quando associá-los a terapia?

Psiquiatra? Psicólogo? Terapia? Medicamentos? O quê ou a quem recorrer para aliviar o sofrimento de pessoas com problemas, distúrbios ou doenças mentais? Por mais comum que seja essa dúvida, a resposta não é tão clara e óbvia assim.

As doenças e distúrbios psicológicos variam muito e vão desde os mais graves até os mais simples. Fato é que todos precisam de tratamento e em sua maioria são curáveis. Porém, em alguns casos, a psicoterapia é suficiente e, em outros, é necessário entrar com medicamentos para complementar o tratamento. Somente uma consulta com um psicólogo e médico psiquiatra pode determinar qual é o caso.

Não é fácil identificar quando a situação exige medicação ou não. O que se tem visto atualmente, é que, por causa da correria, do estresse e da grande velocidade com que as coisas acontecem, as pessoas estão tomando remédios indiscriminadamente porque procuram um alívio rápido. O problema é que alguns sintomas desconfortáveis podem até desaparecer, mas não curam a doença central, que pode estar causando insônia, ansiedade, frustração e até mesmo depressão. Isto é, os sintomas desaparecem quase que por magia enquanto se toma os medicamentos, porém quando se deixa de tomá-los, os sintomas voltam e por vezes de forma mais intensa e descontrolada.

Observa-se que com o avanço da indústria farmacêutica no desenvolvimento de medicamentos cada vez mais eficazes e com menos efeitos colaterais, juntamente com os atuais valores que prioriza satisfações imediatas, a crença excessiva no medicamento como instrumento de “cura mágica” para as dores psíquicas tornou a medicação um novo modo de vida.

Inicialmente utilizados como um recurso para possibilitar ao sujeito curar-se de seu sofrimento, os psicofármacos acabaram por alienar o homem na promessa de libertar-se das dores da própria essência humana, tornando-se um meio de camuflar o sofrimento humano.

Os medicamentos que agem no sistema nervoso central têm o nome de drogas psi-coativas ou substâncias psicotrópicas. Estas podem atuar sobre a percepção, humor, comportamento e consciência, tendo consequências diretas e indiretas sobre outras capacidades cognitivas.

A depressão é o quadro predominante no uso medicamentoso e os antidepressivos e ansiolíticos são os medicamentos mais utilizados.

Os psicofármacos tornaram-se uma revolução no tratamento daqueles antes denominados loucos. No lugar dos manicômios e tratamentos de choques, a medicação possibilitou ao paciente uma diminuição de seus sintomas e sofrimento, a adaptação do sujeito ao mundo e, conseqüentemente, sua integração à sociedade.

terapia-online-casule-banner

Os medicamentos só podem ser ministrados por médicos. Os psicólogos não podem receitá-los. O ideal é quando se estabelece uma parceria entre o médico, psicólogo e paciente, de forma a aliar a psicoterapia à medicação, pelo menos durante algum tempo. Normalmente, o paciente toma os remédios durante a fase mais aguda da doença (crise) e depois os mesmos podem ser diminuídos e até cessados, sendo que a terapia continua porque é um tratamento com efeitos em logo prazo. O uso medicamentoso, orientado por um profissional de confiança, pode auxiliar a escuta, percepção e orientação do sujeito.

No caso de pacientes em processo terapêutico que necessitam de medicação, mas encontram-se resistentes (devido ao medo da dependência, ao “susto do psiquiatra” ou ao conhecimento de efeitos adversos) se faz necessário a participação ativa do psicólogo sobre a importância da associação naquele momento (psicoterapia + medicamentos), bem como a psicoeducação sobre o transtorno e as formas de tratamento (inclusive medicamentosa).

No entanto, é importante ressaltar que entre a medicação e a psicoterapia, deve-se dar prioridade à psicoterapia ou em alguns casos a associação de ambas. Não aconselha-se optar unicamente pela medicação visto que por si só, a medicação é capaz de aliviar os sintomas, mas não curar a doença.

Fontes:

www.psicologiafree.com/curiosidades/medicamentos-ou-psicoterapia/

newpsi.bvs-psi.org.br/tcc/220.pdf

www.psicologoeterapia.com.br/psicoterapia/psicoterapia-ou-medicacao/

 

 

Guia com as 15 Técnicas para reduzir a ansiedade
Sou focada em achar o melhor conteúdo que já foi publicado na rede e trazer informações que são relevantes e agregam valor para você.
Casule Play

Remédios: quando associá-los a terapia?

Se você quiser saber mais ou conversar com um dos nossos profissionais sobre Remédios: quando associá-los a terapia?, você pode  agendar o seu horário clicando aqui. Ou você pode ver mais sobre Terapia Online, Acompanhamento semanal com nossa Nutricionista ou Como ter mais produtividade com o nosso Coach!
Redatora Casule, aqui no Blog.
Sou focada em achar o melhor conteúdo que já foi publicado na rede e trazer informações que são relevantes e agregam valor para você.

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários sua opinião sobre: Remédios: quando associá-los a terapia?.

0 comentários

8 Dicas para melhorar a sua autoestima

8 Dicas para melhorar a sua autoestima

Tem dias que você acorda e não se sente satisfeito com o que é? Não consegue sentir orgulho do que faz e das suas conquistas? Tem dificuldade de enxergar seus pontos fortes e suas qualidades? Pois é, você pode estar com baixa autoestima e isso é muito comum de acontecer. Buscar meios para melhorar a autoestima é um grande passo. Seja através da leitura de um livro sobre o assunto, pesquisas, assistindo vídeos ou mesmo através da ajuda profissional.
5 sinais clássicos que você se cobra demais

5 sinais clássicos que você se cobra demais

Como lidar com a sensação incômoda de autocobrança excessiva? Como lidar com aquela voz que fica na nossa cabeça falando “você deveria ter feito isso”, “eu deveria dar conta… “você não podia ter feito aquilo”, “você podia ter feito diferente”, “porque eu sou assim?”, dentre outras tantas frases de cobrança que nós mesmos fazemos conosco.

6 dicas para lidar com a traição

A descoberta de uma traição é capaz de transformar qualquer relacionamento amoroso, seja namoro ou casamento. A vida do casal pode mudar para melhor ou piorar consideravelmente, mas, com certeza, nunca mais será a mesma.
Leia mais

3 estratégias para controlar seu dinheiro

Ser positivo é algo muito bom, porém quando falamos de dinheiro, devemos ser realistas e conhecer bem a nossa própria condição financeira. Por isso, ter inteligência emocional nas finanças se torna algo tão importante.
Leia mais

5 sinais clássicos que você se cobra demais

Como lidar com a sensação incômoda de autocobrança excessiva? Como lidar com aquela voz que fica na nossa cabeça falando “você deveria ter feito isso”, “eu deveria dar conta… “você não podia ter feito aquilo”, “você podia ter feito diferente”, “porque eu sou assim?”, dentre outras tantas frases de cobrança que nós mesmos fazemos conosco.
Leia mais

Geração Tik Tok: 3 vícios do momento

Uma tela de celular, um vídeo vertical e um minuto da sua vida. Esses três elementos são a essência do Tik Tok, a rede social de vídeos curtos que está viciando os jovens e já mudou os hábitos de consumo de vídeos de milhares de usuários. Você abre às 19h, e quando olha para o relógio novamente, já se passou uma hora.
Leia mais
Tenha o total controle das suas emoções conte com a Casule para o seu bem-estar.
Share This