Conversando-sobre-as-medicações-psiquiátricas-psicologia-casule

Conversando sobre as medicações psiquiátricas

Atualizado em 15/03/2018
Por Mariana Fonseca

Conversando sobre as medicações psiquiátricas

Atualizado em 15/03/2018
Por Mariana Fonseca
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Conversando sobre as medicações psiquiátricas

O exercício da psicologia em Centro de Atenção Psicossocial, a experiência clínica, bem como estudos a respeito do tema me fizeram refletir sobre a importância de falar a respeito das medicações psicotrópicas.  A motivação parte principalmente de dois aspectos dessa observação, de um lado pessoas extremamente resistentes ao seu uso e, de outro, o consumo abusivo dessas medicações, o que pode provocar diversas consequências. Neste texto falarei especialmente sobre a resistência ao uso dessas medicações.

A sociedade, de maneira geral, revela preconceitos em relação à área “psi” e, consequentemente, à utilização de remédios de cunho psiquiátrico. O imaginário oriundo do nosso modelo de saúde mental inicialmente hospitalocêntrico (manicomial), é de que o tratamento com psicólogos e psiquiatras deve ser somente para pessoas com transtornos mentais graves e as medicações deste cunho devem ser utilizadas somente pela parcela da população considerada “louca” ou doente mental, quais sejam, pessoas com estereotipias, com surtos psicóticos constantes e que vivem alheias à realidade e à margem da sociedade.

Dessa forma, é construído o preconceito em relação às pessoas que precisam fazer uso dessas substâncias, o que gera ainda mais sofrimento. Muitas são rotuladas como doidas por pessoas próximas, até mesmo por familiares. Outras, pela desinformação e pelo próprio preconceito, nem mesmo chegam a tomar a medicação, pois não  se consideram doidas. Assim, muitas vezes, acaba ocorrendo o agravamento de uma situação que poderia ter sido rapidamente tratada se não fosse essa resistência gerada pelo desconhecimento e opinião antecipada.

terapia-online-casule-banner

A tudo isso soma-se ainda  a crença da dependência da medicação, o medo de ter que toma-la pelo resto da vida e em doses cada vez altas para que desempenhem o efeito desejado. Com essa visão, geralmente minimiza-se o fato de que sua administração somente é realizada por um médico especialista que tem conhecimento sobre o que prescreve e acompanhará o paciente em sua evolução, buscando especialmente o bem-estar de seu paciente.

Hoje sabemos que a saúde mental é de fundamental importância para o bom funcionamento da pessoa de maneira geral, e que tratar desse âmbito da saúde é proporcionar qualidade de vida e bem estar. Os transtornos psiquiátricos não são caracterizados apenas por transtornos graves que comprometem o bom convívio em sociedade e acabam assim por marginalizar uma pessoa. Atualmente sabemos da existência de transtornos psiquiátricos que vão de leve até condições mais graves, existindo tratamento para cada um deles.

Seja lá qual for o tipo do transtorno, leve ou moderado, sempre há alterações químicas subjacentes e cabe ao médico psiquiatra avaliar e decidir pelo uso ou não da medicação, visando sempre a melhora e o bem-estar do paciente. Portanto, se você necessita de qualquer ajuda psíquica, não hesite em procurar ajuda de um profissional competente por seus medos e preconceitos. Sua saúde vale mais que um pensamento distorcido!

Guia com as 15 Técnicas para reduzir a ansiedade

Conversando sobre as medicações psiquiátricas

Se você quiser saber mais ou conversar com um dos nossos profissionais sobre Conversando sobre as medicações psiquiátricas, você pode  agendar o seu horário clicando aqui. Ou você pode ver mais sobre Terapia Online, Acompanhamento semanal com nossa Nutricionista ou Como ter mais produtividade com o nosso Coach!

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários sua opinião sobre: Conversando sobre as medicações psiquiátricas.

Quando a rede social deixa de ser um prazer e impacta sua saúde emocional

Atualmente, as redes sociais são uma grande forma de interação social, nos conectando a amigos, familiares e pessoas do mundo todo. Auxiliam também na compra e venda de produtos, e contribuem para a disseminação de informações. Mas, mesmo com todas essas vantagens, as redes sociais também podem ser um ambiente bem tóxico.
Leia mais

AVALIAÇÃO PARA CIRURGIA BARIÁTRICA: entenda porque não pode ser realizada em uma única sessão

A avaliação para cirurgia bariátrica é um processo que consiste na utilização de diversas ferramentas para avaliar o paciente e possibilitar a elaboração do laudo. E como todo processo, não é viável ser realizado em uma única sessão, pois uma série de requisitos precisa ser cumprida para zelar pelo cuidado e segurança do paciente, além da fidedignidade do resultado.
Leia mais
Tenha o total controle das suas emoções conte com a Casule para o seu bem-estar.
Share This