Amor-patológico---psicóloga---Nayara---Casule

Amor patológico

Atualizado em 15/10/2018
Por Nayara Benevenuto

Amor patológico

Atualizado em 15/10/2018
Por Nayara Benevenuto
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Amor patológico

O amor patológico (AP) se caracteriza pelo comportamento de prestar cuidados e atenção ao parceiro, de modo repetitivo e sem controle, em um relacionamento amoroso. Querer cuidar, dar atenção, passar tempo juntos e dividir a vida com outro é normal, mas quando isso se torna uma obsessão, ocorrendo extrema dependência emocional do parceiro, a pessoa faz de tudo para não perder o outro, muitas vezes se presta a situações de subjugação para evitar o abandono (real ou imaginário), deixando de lado os próprios interesses e desejos.

 

Mesmo quando a pessoa percebe o quão danoso é a sua percepção e seus comportamentos em relação ao relacionamento amoroso, a pessoa com esse transtorno ainda permanece adotando tais medidas, mesmo diante dos prejuízos para a sua vida e de seus familiares, sobretudo do parceiro.

Alguns estudiosos compararam as características de quem sofre com AP à dependência de substâncias, sugerindo que pelo menos seis desses critérios estejam presentes: (a) sinais e sintomas de abstinência; (b) ocorrência do comportamento em maior quantidade do que o indivíduo gostaria; (c) atitudes para reduzir o comportamento são fracassadas; (d) longos períodos de tempo despendidos; (e) abandono de interesses e de atividades antes valorizadas; (f) o comportamento patológico é mantido, apesar dos problemas que acarreta.

 

terapia-online-casule-banner

As pessoas que sofrem com AP sentem medo extremo de serem solitárias, rejeitadas, abandonadas, de não merecerem amor, pensam que só poderão ser felizes e estáveis emocionalmente se estiverem com alguém. E, para “garantir” que nada disso ocorra, as pessoas com AP tendem a assumir um papel de subjugação e começam a fazer de tudo em função do parceiro, inclusive se anulam. A partir dessa escolha, é comum que as pessoas com AP sofram por ansiedade, depressão e até mesmo transtorno obsessivo-compulsivo.

 

Em relação ao aspectos de desenvolvimento, pode-se dizer que as necessidades emocionais básicas de pessoas com AP não foram supridas pelos seus pais na infância. Receber cuidado e afeto são muito importantes para que as crianças cresçam mais confiantes, seguras e autônomas. Quando isso não acontece, ou seja, quando a família assume uma postura mais fria, distante (tanto fisicamente quanto emocionalmente) e pouco acolhedora, os filhos tornam-se carentes do suporte afetivo e passam a ter muito medo de perder os pais ou outras figuras de apego. Para evitar o abandono, a criança passa a se comportar de forma disfuncional, ela pode passar a fazer tudo para receber a confirmação de que é amada (por exemplo, buscar sempre agradar, assumir responsabilidades, etc.) pela família. Na vida adulta não é diferente, a pessoa tende a repetir os mesmos esquemas, então busca, geralmente, parceiros mais frios, inseguros, e distantes. Sendo assim, ocorre uma autoperpetuação do esquema na medida em que a pessoa pode pensar que a crença que tem está sendo “confirmada”, reforçada por outras pessoas.

 

O tratamento psicológico tem por objetivo a reestruturação cognitiva, pois pessoas com AP permanecem em relacionamentos desgastantes devido às crenças que adquiriram ao longo da vida. Modificar a forma como a pessoa se vê, vê o mundo e as pessoas é essencial para ter uma vida mais saudável. A terapia ajuda a reduzir os níveis de ansiedade, angústia, tristeza causados pelo AP, além de tratar também de outras comorbidades, caso estejam presentes.

Guia com as 15 Técnicas para reduzir a ansiedade
PSICÓLOGA Especialista em terapia cognitiva-comportamental com adultos e tem formação em terapia cognitiva sexual além de atuar na avaliação bariátrica. Clique para marcar uma consulta comigo
Casule Play

Amor patológico

Se você quiser saber mais ou conversar com um dos nossos profissionais sobre Amor patológico, você pode  agendar o seu horário clicando aqui. Ou você pode ver mais sobre Terapia Online, Acompanhamento semanal com nossa Nutricionista ou Como ter mais produtividade com o nosso Coach!
Nayara Benevenuto, aqui no Blog.
PSICÓLOGA Especialista em terapia cognitiva-comportamental com adultos e tem formação em terapia cognitiva sexual além de atuar na avaliação bariátrica. Clique para marcar uma consulta comigo

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários sua opinião sobre: Amor patológico.

0 comentários

8 Dicas para melhorar a sua autoestima

8 Dicas para melhorar a sua autoestima

Tem dias que você acorda e não se sente satisfeito com o que é? Não consegue sentir orgulho do que faz e das suas conquistas? Tem dificuldade de enxergar seus pontos fortes e suas qualidades? Pois é, você pode estar com baixa autoestima e isso é muito comum de acontecer. Buscar meios para melhorar a autoestima é um grande passo. Seja através da leitura de um livro sobre o assunto, pesquisas, assistindo vídeos ou mesmo através da ajuda profissional.

6 dicas para lidar com a traição

A descoberta de uma traição é capaz de transformar qualquer relacionamento amoroso, seja namoro ou casamento. A vida do casal pode mudar para melhor ou piorar consideravelmente, mas, com certeza, nunca mais será a mesma.
Leia mais

3 estratégias para controlar seu dinheiro

Ser positivo é algo muito bom, porém quando falamos de dinheiro, devemos ser realistas e conhecer bem a nossa própria condição financeira. Por isso, ter inteligência emocional nas finanças se torna algo tão importante.
Leia mais

5 sinais clássicos que você se cobra demais

Como lidar com a sensação incômoda de autocobrança excessiva? Como lidar com aquela voz que fica na nossa cabeça falando “você deveria ter feito isso”, “eu deveria dar conta… “você não podia ter feito aquilo”, “você podia ter feito diferente”, “porque eu sou assim?”, dentre outras tantas frases de cobrança que nós mesmos fazemos conosco.
Leia mais

Geração Tik Tok: 3 vícios do momento

Uma tela de celular, um vídeo vertical e um minuto da sua vida. Esses três elementos são a essência do Tik Tok, a rede social de vídeos curtos que está viciando os jovens e já mudou os hábitos de consumo de vídeos de milhares de usuários. Você abre às 19h, e quando olha para o relógio novamente, já se passou uma hora.
Leia mais
Tenha o total controle das suas emoções conte com a Casule para o seu bem-estar.
Share This