Ou eu digo sim ou eu grito não Aprendendo um pouco sobre a Assertividade-casule

“Ou eu digo ‘sim’, ou eu grito ‘não’…” – Aprendendo um pouco sobre a Assertividade

Atualizado em 18/11/2017
Por Redatora Casule

“Ou eu digo ‘sim’, ou eu grito ‘não’…” – Aprendendo um pouco sobre a Assertividade

Atualizado em 18/11/2017
Por Redatora Casule
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

“Ou eu digo ‘sim’, ou eu grito ‘não’…” – Aprendendo um pouco sobre a Assertividade

Se você é daquelas pessoas que, ou possuem dificuldade em dizer “não”, ou acabam explodindo e exagerando quando precisam se impor diante de alguma situação, está na hora de entender um pouquinho sobre a Assertividade.

De acordo com o dicionário, assertivo é “aquele que declara algo, positivo ou negativo, afirmação que é feita com muita segurança, em cujo teor acredita profundamente. Assertividade vem de “asserto” que significa afirmação categórica”. Esse termo muitas vezes costuma parecer relacionado a ideia de acerto. Mas na realidade, a assertividade é uma atitude comportamental frente a outras pessoas ou ocorrências cotidianas, ou seja, a nossa maneira de expor e defender nossas opiniões e ideais.

Por exemplo: quando você está em uma fila e alguém entra na sua frente, ou quando um amigo ou colega de trabalho te pedem um favor que você não pode realizar… Qual sua maneira de se comportar diante disso?

É comum nos depararmos com duas formas bem distintas de responderem a situações como essas: aquelas pessoas que torcem pra que o “furão” saia da fila, mas não falam nada com ele para não magoá-lo e que dizem “sim” para o amigo ou colega de trabalho que lhes pediu o favor; e aquelas pessoas que de forma bastante grosseira se impõe diante da fila e dizem “não” a quem pediu um favor.

A verdade é que em nenhum dos dois casos houve o uso da assertividade.

Ser assertivo é ser firme e direto. Saber se afirmar de forma objetiva e clara sem causar ou sentir constrangimentos. Pessoas assertivas resistem à tentativas de manipulação e se posicionam de maneira firme, decidida e convincente. Sem ser autoritárias ou prejudicar relacionamentos, utilizam da qualidade de seus argumentos e de sua capacidade de síntese para ir direto ao ponto sem rispidez e sem se omitirem.

Nesse contexto existem três tipos básicos de comportamento:

 

Comportamento passivo

 

Passivo são aqueles que não querem desagradar o outro e por isso fogem de conflitos.  Desconsideram seus próprios desejos em detrimento dos desejos do outro, fazendo sempre o que os outros querem. Geralmente possuem dificuldade em manifestar suas vontades e costumam usar frases como “Não quero incomodar”. Possuem uma postura mais omissa e escolhida deixando sempre que a vontade do outro prevaleça. No comportamento passivo, a pessoa vai sempre ceder e fazer tudo que os outros querem porque o que o passivo menos se importa é com ele. Por medo de magoar e até mesmo afastar as pessoas de si, pessoas com comportamento passivo tem muita dificuldade em dizer “não”, e por isso acabam muitas vezes se prejudicando, deixando de lado seus compromissos e vontades para poder ajudar ao outro ou ceder a favores e pedidos que, na verdade, não gostaria ou não poderia executar.

 

Comportamento agressivo

 

Completamente oposto ao comportamento anterior, o agressivo geralmente consegue aquilo o que quer em curto prazo, contudo, de maneira bastante grosseira. É aquela pessoa direta, incisiva e que costuma usar um tom alto. O agressivo desrespeita os direitos individuais e desconsidera os desejos dos demais, fazendo com que o outro se sinta magoado, indefeso e humilhado. Sua atitude costuma gerar ressentimento e frustração nas outras pessoas. Alguns autores defendem, inclusive, que a longo prazo, a raiva tem um efeito muito negativo na clareza e eficácia da comunicação com as outras pessoas, uma vez que elas prestam mais atenção à raiva e menos ao que está sendo dito. É socialmente inapropriado e normalmente é inflexível e rude no trato com os outros. Não possuem nenhuma dificuldade em dizer “não” ou exporem suas vontades e ideais, porém, o fazem de forma muito ríspida e agressiva.

 

terapia-online-casule-banner

Comportamento assertivo

 

Por fim o comportamento assertivo, que entre o passivo e agressivo se mantém mais equilibrado e elegante. O assertivo defende suas ideias sem ansiedade e expressas seus sentimentos de forma tranquila. Exerce seus direitos sem negar os dos outros, tratando as pessoas com respeito e sem “passar por cima” de ninguém. Usa um tom de voz equilibrado, é claro para falar e também sabe ouvir. Possui a capacidade de concordar, discordar, e expor suas opiniões de maneira firme, porém delicada. Vai direto ao ponto sem ser áspero, palavras suaves e argumentos fortes.

O comportamento assertivo se subdivide em categorias que envolvem fazer pedidos; recusar pedidos; dizer não; fazer críticas; receber críticas; pedir mudança de comportamento; expressar amor, grado e afeto; expressar desagrado, incômodo e desgosto de forma justificada.

Nem sempre conseguimos apresentar só um tipo de comportamento em todas as situações. É comum que pessoas apresentem um comportamento passivo no local de trabalho, agressivo dentro de casa e assertivo com um grupo de amigos, por exemplo. Mas é importante manter a atenção na forma com que lidamos com o outro, com que costumamos elucidar nossas opiniões e até mesmo nas diferenças comportamentais que cometemos em contextos distintos.

 

Como ser assertivo?

 

Ser assertivo nem sempre é fácil, principalmente se estamos envolvido emocionalmente. Os grandes vilões da assertividade são o medo e a culpa. Quando lidamos com essas emoções dificilmente conseguimos desempenhar comportamentos assertivos. Por isso costumamos ter dificuldade em dizer não ou recusar pedidos nas relações íntimas ou de trabalho para um chefe, por exemplo, porque, na maioria das vezes, esses estados emocionais estão envolvidos.

Por isso, ser assertivo muitas vezes exige treinamento!

È importante que o treino dessa habilidade social esteja sempre adequado ao tipo de categoria que se encontra e também levar em conta todos os aspectos individuais da vida e contexto de cada um. Trabalhar a empatia (se colocar no lugar do outro) entendendo que as pessoas têm direito de sentir, agir e dizer; ser claro e conciso, mostrando suas opiniões de forma firme e em tom de voz ameno; desenvolver a autoconfiança; observar comportamentos assertivos de outras pessoas, observando como agiram ou falaram; trabalhar a objetividade; observar se seus comportamentos tem sido assertivos, e como estão as suas relações interpessoais são algumas das pontualidades que podem aparecer no treinamento de assertividade e variar de caso a caso.

 

Por que ser assertivo?

 

Quanto mais assertivo você for, melhor poderá lidar com os confrontos, mais ganhará confiança em si mesmo, menos lidará com estresse, melhor será sua credibilidade e mais saberá lidar com as tentativas de manipulação. Assertividade, autenticidade e transparência caminham juntas, mas devem sempre ser orientadas por um profundo respeito às outras pessoas. Pessoas assertivas demonstram credibilidade e são percebidas como altamente sábias em função de sua autenticidade, objetividade habilidade de argumentação. A assertividade é uma virtude pessoal que demonstra maturidade e segurança.

Em suma, a assertividade é uma habilidade social que como qualquer outra precisa ser praticada. Os trabalhos para desenvolver assertividade priorizam o aspecto comportamental, porém, é importante ressaltar que os aspectos emocionais e cognitivos precisam ser considerados para que o treinamento obtenha êxito. A assertividade é fundamental para o crescimento e desenvolvimento pessoal visto que, quando somos assertivos dizendo e fazendo o que queremos, estamos realmente guiando nossas vidas e ganhamos tempo e energia para nos dedicarmos ao que realmente nos importa. Um desempenho social assertivo gera autoconfiança e motivação para potencializar forças pessoais que promoverão bem estar e maior qualidade de vida.

Guia com as 15 Técnicas para reduzir a ansiedade
Casule Play

“Ou eu digo ‘sim’, ou eu grito ‘não’…” – Aprendendo um pouco sobre a Assertividade

Se você quiser saber mais ou conversar com um dos nossos profissionais sobre “Ou eu digo ‘sim’, ou eu grito ‘não’…” – Aprendendo um pouco sobre a Assertividade, você pode  agendar o seu horário clicando aqui.


Ou você pode ver mais sobre Terapia Online, Acompanhamento semanal com nossa Nutricionista ou Como ter mais produtividade com o nosso Coach!
Redatora Casule, aqui no Blog.
Sou focada em achar o melhor conteúdo que já foi publicado na rede e trazer informações que são relevantes e agregam valor para você.

O que você achou deste conteúdo?
Conte nos comentários sua opinião sobre: “Ou eu digo ‘sim’, ou eu grito ‘não’…” – Aprendendo um pouco sobre a Assertividade.


0 comentários

Mães-Narcisistas
Mães Narcisistas

Mães Narcisistas

O termo “narcisismo” já faz parte da cultura ocidental há mais de século. Tem origem no mito grego de Narciso, rapaz jovem e orgulhoso cuja beleza era admirada por todos. Em uma caminhada ao lado de um rio, Narciso vê seu reflexo na água pela primeira vez. Apaixonado pela própria imagem, ele se mantém junto ao rio para melhor apreciá-la. Por recusar-se a abandoná-la, Narciso morre no local, admirando a si mesmo.
Insonia
Insônia

Insônia

Algumas pessoas enfrentam dificuldades na hora de dormir, seja para iniciar ou manter o sono, como por exemplo, acordam muito mais cedo do que estão habituadas e não conseguem voltar a dormir, acordam no meio da noite ou dormem durante toda a noite e acordam com a sensação de cansaço. Assim, a insônia é caracterizada como a incapacidade de conciliar o sono, seja para adormecer ou permanecer dormindo. “É possível identificar suas causas?” Sim, em sua maioria são consideradas psicofisiológicas.
Ensine seu filho(a) a lidar com as emoções
Ensine seu filho(a) a lidar com as emoções

Ensine seu filho(a) a lidar com as emoções

As crenças dos pais e cuidadores influenciam diretamente em como as crianças irão enxergar o mundo, o outro e principalmente a si mesmas. Todos nós temos nossos medos, ansiedades, sentimos raiva, tristeza e para cada um de nós as emoções têm uma intensidade, um significado e um motivo para que elas se expressem. Ensinar os pequenos a reconhecer as emoções, é muito importante para que tenhamos pessoas mais inteligentes emocionalmente.

Metáfora do alarme desregulado e a ansiedade

Pra que serve um alarme em casa? Para dar segurança e avisar quando a casa é invadida, por exemplo. Imagina se esse alarme está desregulado e ele começa a disparar quando não tem invasão ou até mesmo quando um amigo seu vem te visitar.
Leia mais
Metáfora do alarme desregulado e a ansiedade blog casule

O que é a terapia de Aceitação e Compromisso (ACT) e como ela pode te ajudar

A Terapia de Aceitação e Compromisso ou ACT (Acceptance and Commitment Therapy) foi desenvolvida nos Estados Unidos pelo psicólogo Steven Hayes e por seus colegas Kelly Wilson e Kirk Strosahl. Ela tem se mostrado altamente eficaz na solução de uma série de problemas, desde depressão, ansiedade, dor crônica e até mesmo vício em drogas.
Leia mais

Por que não dá para fugir do que te causa ansiedade?

Um comportamento muito comum em quem sofre de ansiedade é fugir do que a causou. Para uma pessoa que tem medo de falar em público – que tem crises de ansiedade só de pensar que vai estar na frente de uma plateia falando sobre algum assunto – recusar um convite para dar a palestra vai trazer um alívio imediato dos sintomas. Mas será que o problema foi resolvido?
Leia mais

Quando eu devo perdoar meu parceiro?

A reposta para esta pergunta é SEMPRE! Sempre Cris? Mas ele não merece!!! O perdão não é para ele… porque ele merece… é para você! Porque você merece PAZ! Te explico melhor aqui neste vídeo. Vem Comigo!!!
Leia mais

Como ter inteligência emocional?

Quanto maior a inteligência emocional, maior a qualidade das relações e interações sociais. Você já parou para pensar como podemos ter mais inteligência emocional?
Leia mais

Rede Social x Saúde Mental

Existem muitas pesquisas que relacionam problemas de saúde mental, principalmente depressão e ansiedade, com o uso excessivo das redes sociais. Mas o que acontece para que um número cada vez maior de pessoas se sinta atraída como se estivessem hipnotizadas, mesmo sabendo o quanto esse hábito em excesso pode ser prejudicial à saúde mental?
Leia mais

Como lidar com a Ansiedade diante da chegada de um Novo Ano?

A chegada do Ano Novo traz consigo a ideia de Recomeço! Para muitas pessoas, representa esperança, prosperidade e expectativas positivas para ”uma nova vida”. Nessa época, também é comum nos sentirmos ansiosos pela vontade de renovação e mudança. Mas, não podemos nos esquecer que a Ansiedade é uma sensação normal e nem sempre ruim. Ela faz parte do nosso instinto de proteção e nos prepara para lidar com as situações de perigo ou estresse.
Leia mais
Como lidar com a Ansiedade diante da chegada de um Novo Ano

Você reclama demais?

Você já parou para reparar quantas vezes você reclamou hoje? O nosso dia a dia está cada vez mais cheio de obrigações e afazeres. Muitas vezes o cansaço e as preocupações fazem com que façamos das reclamações um hábito. Se você se identificou com esse conteúdo, assista ao vídeo.
Leia mais
Voce Reclama Demais blog casule

Como sair do efeito platô?

Você já percebeu que, no processo de emagrecimento, a perda de peso costuma ser ótima nos primeiros meses, mas depois estaciona? Por que será que isso acontece? E como evitar tal efeito platô e continuar a ter resultados? É isso que a nutricionista Isa Polastri explica no vídeo de hoje.
Leia mais
Como-sair-do-efeito-plato-BLOG
Tenha o total controle das suas emoções conte com a Casule para o seu bem-estar.
Share This