Transtorno do Estresse Pós-traumático (TEPT) em crianças e adolescentes

Atualizado em 16/10/2017
Por Nayara Benevenuto

Transtorno do Estresse Pós-traumático (TEPT) em crianças e adolescentes

Atualizado em 16/10/2017
Por Nayara Benevenuto
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Transtorno do Estresse Pós-traumático (TEPT) em crianças e adolescentes

O conceito de trauma foi sendo modificado ao longo do tempo e com ele, os critérios diagnósticos do TEPT. Atualmente, segundo o DSM-V (APA, 2014), o TEPT é caracterizado pela presença de cinco grupos de sintomas: exposição a um evento traumático, presença de sintomas intrusivos, evitação de estímulos associados ao trauma, alterações negativas no humor e nas cognições associadas ao evento e aumento da reatividade fisiológica. Em relação ao primeiro, deve haver exposição a episódio concreto ou ameaça de morte, lesão grave ou violência sexual em uma, ou mais, das seguintes formas:

  1. Vivenciar diretamente o evento traumático;
  2. Testemunhar pessoalmente o evento traumático ocorrido com outras pessoas;
  3. Saber que o evento traumático ocorreu com familiar ou amigo próximo. Nos casos de episódio concreto ou ameaça de morte envolvendo um familiar ou amigo, é preciso que o evento tenha sido violento ou acidental;
  4. Ser exposto de forma repetida ou extrema a detalhes aversivos do evento traumático (como socorristas que recolhem restos de corpos humanos; policiais repetidamente expostos a detalhes de abuso infantil).

O segundo grupo de sintomas se referem aos seguintes sintomas intrusivos associados ao evento traumático, começando depois de sua ocorrência:

  1. Lembranças intrusivas angustiantes, recorrentes e involuntárias do evento traumático. Em crianças acima de seis anos de idade, pode ocorrer brincadeira repetitiva na qual temas ou aspectos do evento traumático são expressos;
  2. Sonhos angustiantes recorrentes nos quais o conteúdo e/ou o sentimento do sonho estão relacionados ao evento traumático. Em crianças, pode haver pesadelos sem conteúdo identificável;
  3. Reações dissociativas nas quais o indivíduo sente ou age como se o evento traumático estivesse ocorrendo novamente. Essas reações podem ocorrer em um continuum, com a expressão mais extrema na forma de uma perda completa de percepção do ambiente ao redor. Em crianças, a reencenação específica do trauma pode ocorrer na brincadeira;
  4. Sofrimento psicológico intenso ou prolongado ante a exposição a sinais internos ou externos que simbolizem ou se assemelhem a algum aspecto do evento traumático;
  5. Reações fisiológicas intensas a sinais internos ou externos relacionados a algum aspecto do trauma;

O terceiro grupo de sintomas se relaciona à evitação persistente de estímulos associados ao evento traumático, começando após a ocorrência do evento, conforme evidenciado por um ou ambos dos seguintes aspectos:

  1. Evitação ou esforços para evitar recordações, pensamentos ou sentimentos angustiantes acerca do situação marcante, ou associados de perto a ela;
  2. Evitação ou esforços para evitar lembranças externas (pessoas, lugares, conversas, atividades, objetos, situações) que despertem recordações, pensamentos ou sentimentos angustiantes acerca do ao evento traumático, ou associados de perto a ele.

O quarto grupo de sintomas são alterações negativas em cognições e no humor associadas ao evento traumático começando ou piorando depois da ocorrência de tal evento, conforme evidenciado por dois (ou mais) dos seguintes aspectos:

  1. Incapacidade de recordar algum aspecto importante do evento traumático, geralmente devido à amnésia dissociativa, e não a outros fatores, como traumatismo craniano, álcool ou drogas;
  2. Crenças ou expectativas negativas persistentes e exageradas a respeito de si mesmo, dos outros e do mundo;
  3. Cognições distorcidas persistentes a respeito da causa ou das consequências do evento traumático que levam o indivíduo a culpar a si mesmo ou os outros;
  4. Estado emocional negativo persistente;
  5. Interesse ou participação bastante diminuída em atividades significativas;
  6. Sentimentos de distanciamento e alienação em relação aos outros;
  7. Incapacidade persistente de sentir emoções positivas.

O último grupo de sintomas diz respeito às alterações marcantes na excitação e na reatividade associadas ao evento traumático, começando ou piorando após o evento, conforme evidenciado por dois ou mais dos seguintes aspectos:

  1. Comportamento irritadiço e surtos de raiva (com pouca ou nenhuma provocação) geralmente expressos sob a forma de agressão verbal ou física em relação a pessoas e objetos;
  2. Comportamento imprudente ou autodestrutivo;
  3. Hipervigilância;
  4. Resposta de sobressalto exagerada;
  5. Problemas de concentração;
  6. Perturbação do sono.

O TEPT é considerado mais um dos transtornos de ansiedade, segundo Stallard (2010), estes transtornos constituem o maior grupo de problemas de saúde mental durante a infância, podendo causar um efeito significativo no funcionamento diário, criar impacto na trajetória do desenvolvimento e interferir na capacidade de aprendizagem, no desenvolvimento de amizades e nas relações familiares. O autor afirma que muitos são persistentes e se não forem tratados aumentam a probabilidade de problemas na idade adulta. O TEPT se diferencia dos demais transtornos de ansiedade por requerer a identificação de um acontecimento desencadeante. Devido às intensidades e naturezas dos estímulos traumáticos, esses produzem medo, terror e desamparo extremos à pessoa (Caballo & Simón, 2011).

A prevalência de TEPT é de 6,5% na população geral (Cunha & Borges, 2014), e seus sintomas podem perdurar por meses, ou por toda a vida. São marcados por persistência de pensamentos, sensações e comportamentos especificamente relacionados ao trauma. Tais pensamentos são indesejáveis e acabam por tomar conta do funcionamento psíquico, dificultando o desempenho do indivíduo em outras atividades (Cunha & Borges, 2014; Friedman, 2009). Devido a isso, eventos traumáticos na infância podem acarretar prejuízos significativos no desenvolvimento global, comprometendo sua vida adulta (Tricolli, 2011).

O TEPT em crianças e adolescentes ganha uma atenção especial, devido ao momento crítico do desenvolvimento e fragilidade. Muitos dos sintomas encontrados entre crianças e adolescentes com TEPT são comuns aos adultos com o mesmo transtorno, porém algumas particularidades vem sendo destacadas nos estudos com crianças: tendências a reexperimentar ou reviver o acontecimento em formas estereotipadas e repetitivas de brincadeiras, pode ocorrer ausência de cenas retrospectivas instantâneas, regressão de etapas de desenvolvimento com comportamentos regressivos evidentes e perdas habilidades já adquiridas. Além disso são comuns sonhos aterrorizantes e outros transtornos cognitivos (Cunha & Borges, 2014; Caballo & Simón, 2011).

A Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) procura identificar as principais crenças do paciente e suas relações com os sintomas apresentados, além disso aposta em novos condicionamentos para a melhora do transtorno. Procura ainda desenvolver habilidades de resolução de problemas e fortalece os pontos de amparo do indivíduo (Clarck & Beck, 2012). A TCC infantil tem o mesmo propósito, porém utiliza técnicas lúdicas, brincadeiras, contos, desenhos e jogos para alcançar as mudanças necessárias. (Petersen & Wainer, 2011)

Todos os tratamentos para TEPT com bases na TCC possuem cinco etapas básicas: psicoeducação sobre o transtorno, treinamento de relaxamento para diminuição da ansiedade, reestruturação cognitiva, exposição a objetos e lugares geradores de ansiedade, prevenção de recaídas. Esses pontos também são trabalhados com crianças e adolescentes com TEPT (Tricolli, 2011; Reinecke, Dattilio & Freeman, 2009). A TCC é a base teórica mais apontada na literatura em relação a sua eficácia no tratamento desse transtorno em crianças e adolescentes.

Algumas abordagens buscam complementar as intervenções da TCC, entre elas a Terapia dos esquemas e TCC-Focada no trauma. Ambas propões complementos às TCC tradicional com crianças e adolescentes, alcançando resultados satisfatórios. Pesquisas que busquem testar novos meios de tratamento e novas adaptações da TCC fortalecem os tratamentos clínicos, por isso são tão importante para população como um todo.

terapia-online-casule-banner

No Brasil, estudos sobre TEPT e TCC são escassos, aqueles que objetivam a testagem de intervenções, como novas técnicas e formas de tratamento são ainda em menor quantidade. Se faz necessário mais produções científicas brasileiras que avaliem os tratamentos para TEPT com crianças e adolescentes, que testem as intervenções oferecidas e possam traçar o perfil daquelas que apresentem resultados positivos, com o propósito de melhorar a qualidade dos tratamentos psicológicos no país.

#trauma #transtornodoestressepostraumatico #tept #crianca #adolescente

Referências

American Psychiatric Association (2014). Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders – Fifith edition: DSM-V. 5th ed. Washington (DC): American Psychiatric Association.

Caballo, V.E. & Simón, M.A., (2011). Manual de psicologia clínica e infantil e do adolescente. Editora Santos, São Paulo, SP

Clarck, D.A. & Beck, A.T. (2012). Terapia cognitive para os transtornos de ansiedade. Artmed. Porto Alegre, RS

Cunha, M.P & Borges, L. M., 2014. Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT) na infância e na adolescência e sua relação com a violência familiar. Academia paulista de psicologia. v. 33. n. 2. pp 1-24.

Friedman, M., (2009). Transtorno de estresse agudo e pós-traumático. Artmed, 4 ed. Porto Alegre, RS.

Petersen, C.S & Wainer, R., 2011. Princípios básicos da terapia cognitivo-comportamental de crianças e adolescentes, in Terapias cognitivo-comportamentais para crianças e adolescentes, org. Petersen, C.S.& Wainer, R., 2011. Artmed, Porto Alegre, RS.

Reinecke, M.A, Dattilio, F.M. & Freeman, A., 2009. Terapia cognitiva com crianças e adolescentes: relatos de casos e a prática clínica. LMP, São Paulo, SP.

Stallard, P. (2010). Ansiedade: Terapia Cognitivo-comportamental para crianças e jovens. Porto Alegre: Artmed.

Tricolli, V.A.C., 2011. Terapia cognitivo-comportamental aplicada ao estresse pós-traumático na infância, in Terapias cognitivo-comportamentais para crianças e adolescentes, org. Petersen, C.S.& Wainer, R., 2011. Artmed, Porto Alegre, RS.

Guia com as 15 Técnicas para reduzir a ansiedade
PSICÓLOGA Especialista em terapia cognitiva-comportamental com adultos e tem formação em terapia cognitiva sexual além de atuar na avaliação bariátrica. Clique para marcar uma consulta comigo
Casule Play

Transtorno do Estresse Pós-traumático (TEPT) em crianças e adolescentes

Se você quiser saber mais ou conversar com um dos nossos profissionais sobre Transtorno do Estresse Pós-traumático (TEPT) em crianças e adolescentes, você pode  agendar o seu horário clicando aqui. Ou você pode ver mais sobre Terapia Online, Acompanhamento semanal com nossa Nutricionista ou Como ter mais produtividade com o nosso Coach!
Nayara Benevenuto, aqui no Blog.
PSICÓLOGA Especialista em terapia cognitiva-comportamental com adultos e tem formação em terapia cognitiva sexual além de atuar na avaliação bariátrica. Clique para marcar uma consulta comigo

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários sua opinião sobre: Transtorno do Estresse Pós-traumático (TEPT) em crianças e adolescentes.

0 comentários

5 sinais clássicos que você se cobra demais

5 sinais clássicos que você se cobra demais

Como lidar com a sensação incômoda de autocobrança excessiva? Como lidar com aquela voz que fica na nossa cabeça falando “você deveria ter feito isso”, “eu deveria dar conta… “você não podia ter feito aquilo”, “você podia ter feito diferente”, “porque eu sou assim?”, dentre outras tantas frases de cobrança que nós mesmos fazemos conosco.

Entenda o caso: mulher flagrada com mendigo

A notícia do envolvimento de uma mulher com um morador de rua trouxe muita repercussão na mídia. A mulher foi extremamente exposta e o morador de rua infelizmente teve "dias de glória". Mas o que pode explicar esse surto que a mulher teve? Neste vídeo, a Dra. Cristiane Schumann levanta algumas hipóteses e explica o que é transtorno bipolar do humor com sintomas psicóticos, em estado hipomaníaco. Lembrando que o mais importante é que saúde mental da mulher seja reabilitada e as pessoas esqueçam rápido o que aconteceu e a ajude nesse processo de recuperação.
Leia mais

Perigo! Exercícios em excesso

Neste vídeo, a Dra Cristiane Schumann fala sobre vigorexia. Um transtorno onde já uma distorção da imagem corporal e a pessoa tende a se ver menos “forte” do que ela realmente é. Com isto, há uma necessidade constante por musculação, atividade física em busca de um corpo muscularmente perfeito.
Leia mais

A importância de dizer ‘não’

Você é o amigo bonzinho que diz sim pra todo mundo? Muitas pessoas apresentam essa dificuldade de dizer não e isso pode atrapalhar nossa vida de várias maneiras. Nesse vídeo eu vou te mostrar a a importância de dizer não e te ajudar a falar sim pra você mesmo!
Leia mais
Tenha o total controle das suas emoções conte com a Casule para o seu bem-estar.
Share This