Terapia cognitivo-comportamental ajuda tabagistas a pararem de fumar

Atualizado em 12/03/2014
Por Redatora Casule

Terapia cognitivo-comportamental ajuda tabagistas a pararem de fumar

Atualizado em 12/03/2014
Por Redatora Casule
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Terapia cognitivo-comportamental ajuda tabagistas a pararem de fumar

(Agência USP de Notícias) − A terapia cognitivo-comportamental pode ser uma grande aliada dos fumantes que desejam abandonar o vício do cigarro. Uma pesquisa apresentada recentemente na Faculdade de Medicina da USP mostrou que, por meio dessa terapia, 93,4% dos pacientes deixaram de fumar até o final da 6ª semana de tratamento. Na literatura, este índice é de 59%.“Esses dados revelam que o atendimento psicológico aumenta as chances de sucesso do tratamento antitabagista”, afirma a autora do estudo, a psicóloga Silvia Maria Cury Ismael.Silvia trabalhou com 61 pacientes, com idades entre 18 e 60 anos, que procuraram o Hospital do Coração, em São Paulo, em busca de um tratamento que a instituição oferece para tabagistas. As sessões da terapia, de uma hora cada, ocorreram uma vez por semana, em grupos de 5 a 10 pacientes, durante 6 semanas.A psicóloga explica que os tabagistas desenvolvem uma crença disfuncional relacionada ao fumo. “Eles têm pensamentos como ‘Se eu não fumar, não consigo pensar’, porém eles podem realizar qualquer atividade sem o cigarro”, afirma. De acordo com a pesquisadora, esses pensamentos são automáticos. “O tabagista fuma quando fica estressado ou ansioso porque tem a falsa impressão de que o ato de fumar vai aliviar o estresse ou a ansiedade. Ou então ele fuma em situações condicionadas, como falar ao telefone, após tomar café ou antes de dormir”, esclarece.Terapia 

A terapia consistiu em mudar esse padrão de comportamento a partir da descoberta de alternativas para lidar com essas situações e de levar essas novas respostas para outros setores da vida.

Na primeira sessão, os pacientes responderam a um questionário sobre seus hábitos de tabagismo, e por que buscaram tratamento. Na segunda sessão, foi traçado o perfil do fumante com base nas respostas, e se havia ou não necessidade de uso de medicamento. Os participantes também receberam uma tabela de redução do número de cigarros fumados ao dia. Em todas as sessões, os pacientes levavam um material de apoio (folhetos) para casa. Nos encontros seguintes, foram discutidos os progressos e as dificuldades que cada um do grupo estava enfrentando.Após a 6ª semana e até o 12° mês, a pesquisadora continuou mantendo contato telefônico periódico com os pacientes para verificar o sucesso do tratamento. Silvia esclarece que, de acordo com a literatura, para ser considerado um ex-fumante, o paciente deve ficar, no mínimo, um ano sem fumar, em total abstinência.Os pacientes foram divididos em três grupos: os abstinentes, os que recaíram e os que não conseguiram parar de fumar. Aos 6 meses, eram 78,6% os abstinentes, contra 21,3% do grupo dos que recaíram. Aos 12 meses, o índice era de 49,7% de abstinentes contra 50,24% de recaída. “O número de pacientes que não conseguiu parar de fumar foi muito baixo, e não contabilizamos”, ressalta a pesquisadora.Recaídas 

Entre as situações que facilitam as recaídas, Sílvia destaca: um maior tempo como tabagista; uma menor quantidade diária de cigarros; morar com outros fumantes; os que fumavam cigarros com baixo teor de nicotina; os que nunca tentaram parar de fumar; os que apresentaram uma baixa freqüência nas sessões; aqueles que responderam no questionário que usam o cigarro como estimulante; os que fumam quando estão felizes; os que têm uma baixa auto-estima; e os que não estão satisfeitos com a própria vida.

As recaídas por estresse representaram 77% dos casos e as por ansiedade, 19%. Sílvia destaca que 70% dos pacientes analisados tiveram pais fumantes. “Eles acabam se tornando modelos para as crianças”, observa.

Fonte: http://www2.uol.com.br/vivermente/noticias/terapia_cognitivo-comportamental_ajuda_tabagistas_a_pararem_de_fumar.html
terapia-online-casule-banner
Guia com as 15 Técnicas para reduzir a ansiedade
Sou focada em achar o melhor conteúdo que já foi publicado na rede e trazer informações que são relevantes e agregam valor para você.
Casule Play

Terapia cognitivo-comportamental ajuda tabagistas a pararem de fumar

Se você quiser saber mais ou conversar com um dos nossos profissionais sobre Terapia cognitivo-comportamental ajuda tabagistas a pararem de fumar, você pode  agendar o seu horário clicando aqui. Ou você pode ver mais sobre Terapia Online, Acompanhamento semanal com nossa Nutricionista ou Como ter mais produtividade com o nosso Coach!
Redatora Casule, aqui no Blog.
Sou focada em achar o melhor conteúdo que já foi publicado na rede e trazer informações que são relevantes e agregam valor para você.

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários sua opinião sobre: Terapia cognitivo-comportamental ajuda tabagistas a pararem de fumar.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Quando a rede social deixa de ser um prazer e impacta sua saúde emocional

Atualmente, as redes sociais são uma grande forma de interação social, nos conectando a amigos, familiares e pessoas do mundo todo. Auxiliam também na compra e venda de produtos, e contribuem para a disseminação de informações. Mas, mesmo com todas essas vantagens, as redes sociais também podem ser um ambiente bem tóxico.
Leia mais

AVALIAÇÃO PARA CIRURGIA BARIÁTRICA: entenda porque não pode ser realizada em uma única sessão

A avaliação para cirurgia bariátrica é um processo que consiste na utilização de diversas ferramentas para avaliar o paciente e possibilitar a elaboração do laudo. E como todo processo, não é viável ser realizado em uma única sessão, pois uma série de requisitos precisa ser cumprida para zelar pelo cuidado e segurança do paciente, além da fidedignidade do resultado.
Leia mais

Você já parou para pensar no seu propósito de vida?

A autocobrança excessiva é entendida como uma super exigência que fazemos para nos disciplinar a alcançar um determinado objetivo. Porém, como o próprio nome já diz, a autocobrança é uma pressão interna, uma “voz” interna que é extremamente exigente com você e que não minimiza a cobrança apesar de qualquer situação.
Leia mais

5 sinais clássicos que você se cobra demais

A autocobrança excessiva é entendida como uma super exigência que fazemos para nos disciplinar a alcançar um determinado objetivo. Porém, como o próprio nome já diz, a autocobrança é uma pressão interna, uma “voz” interna que é extremamente exigente com você e que não minimiza a cobrança apesar de qualquer situação.
Leia mais
Tenha o total controle das suas emoções conte com a Casule para o seu bem-estar.
Share This