Falando sobre a AIDS e seus impactos psicológicos - casule

Falando sobre a AIDS e seus impactos psicológicos

Atualizado em 25/11/2017
Por Mariana Fonseca

Falando sobre a AIDS e seus impactos psicológicos

Atualizado em 25/11/2017
Por Mariana Fonseca
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Falando sobre a AIDS e seus impactos psicológicos

A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS) teve suas primeiras incidências no início da década de 80, nos EUA, chegando ao Brasil logo em seguida, tornando-se uma verdadeira questão de saúde pública. Desde seu surgimento, muitos preconceitos andaram atrelados à doença que, inicialmente, foi caracterizada por atingir a população homossexual do sexo masculino e também a que fazia uso de drogas injetáveis. Desse modo foram diferenciados os chamados grupos de risco, marcando a população que estaria mais vulnerável à contaminação ou a única que estaria sujeita a contrair o vírus.

Com a diferenciação entre grupos de risco, vieram também mitos e preconceitos que perduram mesmo após a mudança de perfil da doença que, atualmente, já atinge homens e mulheres de diversas camadas da população, sem qualquer distinção.

A falta de conhecimento sobre a doença, sem dúvida, ainda é o principal fator para a perpetuação dos preconceitos nela arraigados. Há um imaginário de que AIDS é sinônimo de morte, de que aqueles que a possuem estão sendo castigados por terem feito “atos condenados” pela sociedade e ainda algumas denominações religiosas que relacionam a doença aos “pecadores”. Além disso, há também aqueles que acreditam que o contágio se dá através de um simples contato físico ou convivência no mesmo ambiente.

Dessa forma perpetua-se o estigma relacionado à AIDS, o que gera consequências graves no próprio prognóstico da doença que sabemos ainda não ter cura, mas contar com tratamentos que possibilitam uma vida praticamente normal. O medo da discriminação muitas vezes faz com que a própria pessoa não saiba como agir diante de seus grupos sociais e vai dando lugar ao isolamento, podendo resultar em quadros graves de depressão e ansiedade, bem como na demora pela busca do tratamento, na dificuldade de aceitação da doença, culpabilização, prejuízos nas esferas profissional, afetiva e social como um todo.

terapia-online-casule-banner

Sentimentos mistos de incerteza, medo e vergonha muitas vezes tomam conta daqueles que descobrem a soropositividade. A tendência a sentir-se responsável pela doença se torna um peso difícil de ser carregado. O medo de ser visto buscando ou tomando as medicações desperta uma série de pensamentos negativos em relação ao que os outros vão pensar. O dilema sobre contar ou não para a família e outras pessoas importantes pelo medo de possíveis reações negativas e também pela vergonha ligada à culpa sentida pela doença. Dúvidas com relação a próximos envolvimentos afetivos e sexuais, medo de gostar de alguém e não saber como lidar com isso ou que o outro se afaste ao saber da doença. Medo da morte, do sofrimento, da finitude.

Diante de todas estas questões fica evidente que, tão importante como o tratamento da doença em si, é também fundamental o suporte psicológico, especialmente na fase de descoberta da doença. O acompanhamento psicoterápico pode possibilitar melhor aceitação e adaptação neste momento e talvez se constitua no único espaço onde é possível falar da dor, do sofrimento psíquico e de todos estes medos e incertezas, possibilitando uma forma menos sofrida de enfrentar a situação.

 

 

Guia com as 15 Técnicas para reduzir a ansiedade

Falando sobre a AIDS e seus impactos psicológicos

Se você quiser saber mais ou conversar com um dos nossos profissionais sobre Falando sobre a AIDS e seus impactos psicológicos, você pode  agendar o seu horário clicando aqui. Ou você pode ver mais sobre Terapia Online, Acompanhamento semanal com nossa Nutricionista ou Como ter mais produtividade com o nosso Coach!

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários sua opinião sobre: Falando sobre a AIDS e seus impactos psicológicos.

0 comentários

8 Dicas para melhorar a sua autoestima

8 Dicas para melhorar a sua autoestima

Tem dias que você acorda e não se sente satisfeito com o que é? Não consegue sentir orgulho do que faz e das suas conquistas? Tem dificuldade de enxergar seus pontos fortes e suas qualidades? Pois é, você pode estar com baixa autoestima e isso é muito comum de acontecer. Buscar meios para melhorar a autoestima é um grande passo. Seja através da leitura de um livro sobre o assunto, pesquisas, assistindo vídeos ou mesmo através da ajuda profissional.
5 sinais clássicos que você se cobra demais

5 sinais clássicos que você se cobra demais

Como lidar com a sensação incômoda de autocobrança excessiva? Como lidar com aquela voz que fica na nossa cabeça falando “você deveria ter feito isso”, “eu deveria dar conta… “você não podia ter feito aquilo”, “você podia ter feito diferente”, “porque eu sou assim?”, dentre outras tantas frases de cobrança que nós mesmos fazemos conosco.

6 dicas para lidar com a traição

A descoberta de uma traição é capaz de transformar qualquer relacionamento amoroso, seja namoro ou casamento. A vida do casal pode mudar para melhor ou piorar consideravelmente, mas, com certeza, nunca mais será a mesma.
Leia mais

3 estratégias para controlar seu dinheiro

Ser positivo é algo muito bom, porém quando falamos de dinheiro, devemos ser realistas e conhecer bem a nossa própria condição financeira. Por isso, ter inteligência emocional nas finanças se torna algo tão importante.
Leia mais

5 sinais clássicos que você se cobra demais

Como lidar com a sensação incômoda de autocobrança excessiva? Como lidar com aquela voz que fica na nossa cabeça falando “você deveria ter feito isso”, “eu deveria dar conta… “você não podia ter feito aquilo”, “você podia ter feito diferente”, “porque eu sou assim?”, dentre outras tantas frases de cobrança que nós mesmos fazemos conosco.
Leia mais

Geração Tik Tok: 3 vícios do momento

Uma tela de celular, um vídeo vertical e um minuto da sua vida. Esses três elementos são a essência do Tik Tok, a rede social de vídeos curtos que está viciando os jovens e já mudou os hábitos de consumo de vídeos de milhares de usuários. Você abre às 19h, e quando olha para o relógio novamente, já se passou uma hora.
Leia mais
Tenha o total controle das suas emoções conte com a Casule para o seu bem-estar.
Share This