Entenda-os-fatores-de-risco-e-de-protecao-para-o-comportamento-suicida-blog-casule

Entenda os fatores de risco e de proteção para o comportamento suicida

Atualizado em 18/09/2019
Por Nayara Benevenuto

Entenda os fatores de risco e de proteção para o comportamento suicida

Atualizado em 18/09/2019
Por Nayara Benevenuto
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Entenda os fatores de risco e de proteção para o comportamento suicida

A Organização Mundial de Saúde divulgou um dado preocupante relatando o suicídio como uma das três principais causas de morte de indivíduos entre 15 e 44 anos. Sendo assim, o suicídio é considerado um grave problema de saúde pública, necessitando de medidas preventivas e remediadoras eficazes. 

Diferente da concepção de muitas pessoas, o suicídio envolve diversas dimensões além do aspecto psicológico, que podem ser internos e externos ao indivíduo. Os fatores de risco se relacionam com eventos e características negativas da vida, e sua presença aumenta as chances de alguns problemas se manifestarem. Esses fatores tendem a aumentar a vulnerabilidade dos indivíduos a situações adversas, diminuindo a resiliência emocional. Um ponto importante a ser ressaltado é que não é apenas a presença desses fatores que define seu impacto na vida do indivíduo, mas também a intensidade, a frequência e a maneira como são interpretados por cada pessoa. 

terapia-online-casule-banner

Os principais fatores de risco podem ser divididos entre fatores psicológicos, biológicos, psicossociais, culturais e outros. Seguem abaixo alguns fatores de risco ao comportamento suicida: 

  • transtornos mentais: depressão; transtorno bipolar; uso/dependência de álcool e drogas; esquizofrenia; transtorno de personalidade borderline
  • histórico familiar de doença mental;
  • história familiar de suicídio;
  • tentativa de suicídio anterior;
  • abuso físico ou sexual;
  • perda dos pais na infância;
  • instabilidade familiar;
  • violência doméstica;
  • desesperança, desamparo;
  • ansiedade intensa;
  • vergonha, humilhação, bullying;
  • baixa autoestima;
  • traços de personalidade: impulsividade, agressividade, labilidade do humor, perfeccionismo;
  • ausência de apoio social, solidão;
  • rigidez cognitiva;
  • desemprego, endividamento;
  • aposentadoria;
  • pouca flexibilidade para enfrentar adversidades; dificuldade em lidar com frustrações;
  • fácil acesso a meios letais (armas de fogo, venenos, etc.);
  • doenças físicas incapacitantes, estigmatizantes, dolorosas, terminais;
  • falta de adesão ao tratamento ou falta de tratamento ativo e continuado em saúde mental;

Já os fatores de proteção ao suicídio são aqueles que levam a uma vida mais saudável, com maior bem-estar e maior resiliência emocional, ou seja, a capacidade de resolver problemas levando em consideração também, as habilidades sociais para reduzirem o impacto das adversidades que o indivíduo enfrenta na vida. Podemos destacar os principais fatores de proteção ao comportamento suicida:

  • Personalidade:
    • Flexibilidade cognitiva;
    • Motivação para buscar ajuda;
    • Habilidade de comunicação;
    • Habilidade para solucionar problemas;
    • Capacidade para fazer uma boa avaliação da realidade;
  • Estrutura familiar:
    • Bom relacionamento interpessoal;
    • Senso de responsabilidade em relação à família;
    • Pais atenciosos e consistentes;
    • Apoio familiar;
  • Fatores socioculturais:
    • Formação de vínculos com outras pessoas, bons relacionamentos em grupos sociais;
    • Ter/formar uma família a qual os membros estejam emocionalmente envolvidos, que passam tempo de qualidade juntos;  
    • Adesão a valores e normas sociais;
    • Prática religiosa e outras práticas coletivas (clubes culturais, esportivos, etc.);
    • Rede social que promove apoio, acolhimento;
    • Emprego;
    • Disponibilidade de serviços de saúde mental;
  • Outros:
    • Boa qualidade de vida;
    • Regularidade de sono;
    • Saúde física e mental;

A terapia cognitivo-comportamental é uma abordagem clínica que tem por objetivo manejar a crise do paciente com comportamento suicida, adotar diversas estratégias para que os fatores de risco sejam minimizados e os de proteção potencializados.  

Guia com as 15 Técnicas para reduzir a ansiedade
PSICÓLOGA Especialista em terapia cognitiva-comportamental com adultos e tem formação em terapia cognitiva sexual além de atuar na avaliação bariátrica. Clique para marcar uma consulta comigo
Casule Play

Entenda os fatores de risco e de proteção para o comportamento suicida

Se você quiser saber mais ou conversar com um dos nossos profissionais sobre Entenda os fatores de risco e de proteção para o comportamento suicida, você pode  agendar o seu horário clicando aqui. Ou você pode ver mais sobre Terapia Online, Acompanhamento semanal com nossa Nutricionista ou Como ter mais produtividade com o nosso Coach!
Nayara Benevenuto, aqui no Blog.
PSICÓLOGA Especialista em terapia cognitiva-comportamental com adultos e tem formação em terapia cognitiva sexual além de atuar na avaliação bariátrica. Clique para marcar uma consulta comigo

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários sua opinião sobre: Entenda os fatores de risco e de proteção para o comportamento suicida.

0 comentários

5 sinais clássicos que você se cobra demais

5 sinais clássicos que você se cobra demais

Como lidar com a sensação incômoda de autocobrança excessiva? Como lidar com aquela voz que fica na nossa cabeça falando “você deveria ter feito isso”, “eu deveria dar conta… “você não podia ter feito aquilo”, “você podia ter feito diferente”, “porque eu sou assim?”, dentre outras tantas frases de cobrança que nós mesmos fazemos conosco.

3 estratégias para controlar seu dinheiro

Ser positivo é algo muito bom, porém quando falamos de dinheiro, devemos ser realistas e conhecer bem a nossa própria condição financeira. Por isso, ter inteligência emocional nas finanças se torna algo tão importante.
Leia mais

5 sinais clássicos que você se cobra demais

Como lidar com a sensação incômoda de autocobrança excessiva? Como lidar com aquela voz que fica na nossa cabeça falando “você deveria ter feito isso”, “eu deveria dar conta… “você não podia ter feito aquilo”, “você podia ter feito diferente”, “porque eu sou assim?”, dentre outras tantas frases de cobrança que nós mesmos fazemos conosco.
Leia mais

Geração Tik Tok: 3 vícios do momento

Uma tela de celular, um vídeo vertical e um minuto da sua vida. Esses três elementos são a essência do Tik Tok, a rede social de vídeos curtos que está viciando os jovens e já mudou os hábitos de consumo de vídeos de milhares de usuários. Você abre às 19h, e quando olha para o relógio novamente, já se passou uma hora.
Leia mais
Tenha o total controle das suas emoções conte com a Casule para o seu bem-estar.
Share This