Vida e morte:lidando com o luto
30 de novembro de 2016
Síndrome do ninho vazio: quando chega a hora de se despedir dos filhos
6 de dezembro de 2016

De quem é a culpa do seu estresse?

Apontado sempre como o principal vilão responsável por doenças e má qualidade de vida o estresse se tornou o personagem mais lembrado por todos atualmente. Mas será que as pessoas que falam tanto de estresse sabem realmente o que é realmente isso, como e porque se manifesta?

A definição mais simples de se entender pode ser a seguinte. O estresse é um sinal de alerta que o organismo envia em forma de códigos ou mensagens, avisando que está na hora de parar e rever alguns conceitos.

Quando o corpo e a mente estão em ritmo acelerado, em velocidade além da máxima permitida, o estresse, através do cérebro envia tais mensagens, dando ordem para parar ou desacelerar. Realmente é assim mesmo, como nas leis de transito. O estresse funciona como um agente que orienta e avisa primeiro, se não adiantar, vem a punição, com as multas, que podem custar muito caro ao organismo humano.

Como e porque se manifesta o estresse

As linguagens ou códigos mais usados pelo estresse são as frequentes dores de cabeça, tonturas, distúrbios do sono e alimentares, irritabilidade, taquicardia e outras manifestações cardíacas, cansaço físico e mental, irregularidade no ciclo menstrual, hipertensão, imunidade baixa.

Mesmo com tanta diversidade de linguagem e formas de envio das mensagens, as pessoas ignoram e continuam o percurso, até que, lá na frente acontece o que seria o acidente mas, nesse percurso em especial vem a doença. E então vem a pergunta: De quem é a culpa?

As mulheres principalmente devem responder a essa pergunta para si mesmas. Com o acumulo de funções e fatores hormonais, elas são as mais atingidas pelos acidentes de percurso que compõem uma lista de nomes bem conhecidos como o infarto de miocárdio, derrame cerebral, alergias, fobias,alterações do ciclo menstrual, enxaquecas, oscilações de peso e muitas outras.

Diante de lista tão sugestiva, vale a pena obedecer à ordem de “pare” e rever hábitos e conceitos que estão enraizados no dia a dia e prestar atenção na linguagem recebida. Uma vez entendida a mensagem, o estresse já cumpriu sua missão e vai embora a procura de mais alguém em excesso de velocidade.

Existem coisas simples na vida que ajudam e muito nesse processo de reduzir velocidade. Procurar algo que mais identifique com as preferências ou necessidades do momento é de suma importância. Comece ouvindo aquela música tanto gosta e que não teve mais tempo de ouvir. Cante, mesmo que seja embaixo do chuveiro, conte e ouça histórias, principalmente as infantis por conter muita fantasia, magia, imaginação, porque não contar ou ler histórias para os filhos ou sobrinhos? Com certeza quem ler vai gostar muito mais do que quem ouve, procure fazer atividade física, talvez seja hora de retomar o hábito de conversar com amigos, visitar parentes que não vê há muito tempo, mesmo morando na mesma cidade. De repente aquela ou aquele vizinho(a), que você raramente vê e nem sabe o nome, pode se tornar amigo ou amiga de todas as horas, para a vida inteira.

Alguém tem que dar o primeiro passo para as mudanças acontecerem. E porque não começar por você? Se precisar procure ajuda profissional, só você sabe o que é melhor para você. Procure viver ao máximo o que te faz feliz. As respostas que precisa para traçar os caminhos estão dentro de cada um, basta querer e buscar entender as mensagens e entender que o estresse é apenas o agente medidor do processo. O sujeito ativo é você.

FONTE;http://www.diariofeminino.com/psicologia/disturbios/materias/culpa-estresse/

Comentários

comentários

Redatora Casule
Redatora Casule
Sou focada em achar o melhor conteúdo que já foi publicado na rede e trazer informações que são relevantes e agregam valor para você.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Marcar Consulta