Amor-patológico---psicóloga---Nayara---Casule

Amor patológico

Atualizado em 15/10/2018
Por Nayara Benevenuto

Amor patológico

Atualizado em 15/10/2018
Por Nayara Benevenuto
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Amor patológico

O amor patológico (AP) se caracteriza pelo comportamento de prestar cuidados e atenção ao parceiro, de modo repetitivo e sem controle, em um relacionamento amoroso. Querer cuidar, dar atenção, passar tempo juntos e dividir a vida com outro é normal, mas quando isso se torna uma obsessão, ocorrendo extrema dependência emocional do parceiro, a pessoa faz de tudo para não perder o outro, muitas vezes se presta a situações de subjugação para evitar o abandono (real ou imaginário), deixando de lado os próprios interesses e desejos.

 

Mesmo quando a pessoa percebe o quão danoso é a sua percepção e seus comportamentos em relação ao relacionamento amoroso, a pessoa com esse transtorno ainda permanece adotando tais medidas, mesmo diante dos prejuízos para a sua vida e de seus familiares, sobretudo do parceiro.

Alguns estudiosos compararam as características de quem sofre com AP à dependência de substâncias, sugerindo que pelo menos seis desses critérios estejam presentes: (a) sinais e sintomas de abstinência; (b) ocorrência do comportamento em maior quantidade do que o indivíduo gostaria; (c) atitudes para reduzir o comportamento são fracassadas; (d) longos períodos de tempo despendidos; (e) abandono de interesses e de atividades antes valorizadas; (f) o comportamento patológico é mantido, apesar dos problemas que acarreta.

 

terapia-online-casule-banner

As pessoas que sofrem com AP sentem medo extremo de serem solitárias, rejeitadas, abandonadas, de não merecerem amor, pensam que só poderão ser felizes e estáveis emocionalmente se estiverem com alguém. E, para “garantir” que nada disso ocorra, as pessoas com AP tendem a assumir um papel de subjugação e começam a fazer de tudo em função do parceiro, inclusive se anulam. A partir dessa escolha, é comum que as pessoas com AP sofram por ansiedade, depressão e até mesmo transtorno obsessivo-compulsivo.

 

Em relação ao aspectos de desenvolvimento, pode-se dizer que as necessidades emocionais básicas de pessoas com AP não foram supridas pelos seus pais na infância. Receber cuidado e afeto são muito importantes para que as crianças cresçam mais confiantes, seguras e autônomas. Quando isso não acontece, ou seja, quando a família assume uma postura mais fria, distante (tanto fisicamente quanto emocionalmente) e pouco acolhedora, os filhos tornam-se carentes do suporte afetivo e passam a ter muito medo de perder os pais ou outras figuras de apego. Para evitar o abandono, a criança passa a se comportar de forma disfuncional, ela pode passar a fazer tudo para receber a confirmação de que é amada (por exemplo, buscar sempre agradar, assumir responsabilidades, etc.) pela família. Na vida adulta não é diferente, a pessoa tende a repetir os mesmos esquemas, então busca, geralmente, parceiros mais frios, inseguros, e distantes. Sendo assim, ocorre uma autoperpetuação do esquema na medida em que a pessoa pode pensar que a crença que tem está sendo “confirmada”, reforçada por outras pessoas.

 

O tratamento psicológico tem por objetivo a reestruturação cognitiva, pois pessoas com AP permanecem em relacionamentos desgastantes devido às crenças que adquiriram ao longo da vida. Modificar a forma como a pessoa se vê, vê o mundo e as pessoas é essencial para ter uma vida mais saudável. A terapia ajuda a reduzir os níveis de ansiedade, angústia, tristeza causados pelo AP, além de tratar também de outras comorbidades, caso estejam presentes.

Guia com as 15 Técnicas para reduzir a ansiedade
Casule Play

Amor patológico

Se você quiser saber mais ou conversar com um dos nossos profissionais sobre Amor patológico, você pode  agendar o seu horário clicando aqui. Ou você pode ver mais sobre Terapia Online, Acompanhamento semanal com nossa Nutricionista ou Como ter mais produtividade com o nosso Coach!
Nayara Benevenuto, aqui no Blog.
Especialista em terapia cognitiva-comportamental com adultos e tem formação em terapia cognitiva sexual além de atuar na avaliação bariátrica. Conheça o meu Instagram. | Clique para marcar uma consulta comigo

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários sua opinião sobre: Amor patológico.

0 comentários

Saiba quais são os 9 indicadores de violência infantil
Saiba quais são os 9 indicadores de violência infantil

Saiba quais são os 9 indicadores de violência infantil

Antes de qualquer coisa precisamos pensar em uma prática muito comum dos adultos em atribuírem qualquer discurso da criança somente à imaginação e à fantasia, podendo estar negligenciando situações de risco ou de violência consumada. É claro que, em muitos casos, essas situações não são óbvias e nem mesmo fáceis de serem identificadas, por isso é de extrema importância nos atentarmos para os indicadores de violação de direitos e violência.
Como-escolher-minha-futura-profissão-BLOG
Como escolher minha futura profissão?

Como escolher minha futura profissão?

Este momento de decidir em qual curso ingressar optando por uma faculdade, representa uma tomada de decisão importante e significativa na vida de todos nós. Muitas vezes se torna um grande desafio, pois junto com as pressões de notas e prazos para os exames seletivos, surgem também sentimentos de insegurança e incerteza. E o que fazer para tomar uma decisão com coerência e tranquilidade?
Como organizar as finanças do casal
Como organizar as finanças do casal

Como organizar as finanças do casal

A primeira coisa que é importante saber é que não existe o que é o ideal para todas as pessoas, ou seja, não há uma forma adequada que vá se encaixar na vida de todos casais. Por isso, é importante que você e seu parceiro(a) conversem e estabeleçam qual vai ser a forma de organização financeira que vai ser melhor para o caso de vocês. Mas, há quatro formas principais para organizar a vida financeira do casal
voce sabe pedir ajuda
Você sabe pedir ajuda?

Você sabe pedir ajuda?

Você provavelmente passou por alguma situação em que sentia que precisava de ajuda , mas não conseguiu pedir. Parece simples, mas muitas pessoas resistem a isso e para elas, pedir ajuda pode representar não só assumir a própria fragilidade, como a exposição dessa fragilidade para outras pessoas.

Devo comer de 3 em 3 horas?

Quando se inicia um processo de reeducação alimentar e/ou emagrecimento é muito comum associar “dieta” com o ato de comer de 3 em 3 horas, este tipo de analogia na prática clínica é algo recorrente. Entretanto, quando surge este tipo de questionamento a resposta é: depende.
Leia mais
devo comer de 3 em 3 horas

Como se tornar uma pessoa mais interessante?

Não se sentir uma pessoa interessante tem uma relação com o medo do julgamento dos outros, da insegurança e da baixa autoestima. O que você precisa é se tornar interessante primeiro para você, e com isso, tornará mais fácil entender que alguns irão gostar do seu jeito e outras não, e está tudo bem, pois cada um é de um jeito.
Leia mais
como se tornar mais interessante

Você tem vivido como adulto saudável ou como uma criança ferida?

A maneira como vivemos hoje está muito relacionada à nossa história de vida, as nossas experiências passadas, ao que nos foi dado e ao que nos faltou na nossa infância. No entanto, conforme vamos crescendo, precisamos aprender a desenvolver nossa maturidade emocional. Isso significa que precisamos ter controle sobre nossas emoções, comportamentos e olhar para as adversidades de forma mais realista e objetiva. Nesse texto, eu vou explicar as principais características do adulto saudável.
Leia mais
Você tem vivido como adulto saudável ou como uma criança ferida

Você é uma pessoa perfeccionista?

Já ouviu falar sobre o perfeccionismo? Sabia que a longo prazo ele pode causar muitos prejuízos para nossa saúde mental e pode ser fator de risco para transtornos de ansiedade, depressão, burnout e transtornos alimentares?
Leia mais
Você-é-uma-pessoa-perfeccionista

É possível haver relacionamentos abusivos entre pais e filhos?

Sim! É possível sofrer violência na relação entre pais e filhos. Aqui, neste texto, você entenderá mais sobre essa relação tóxica que pode acontecer desde a infância de quem passa por isso. Identificar um relacionamento abusivo na relação entre pai e filho não é nada fácil, considerando que o indivíduo passa por isso desde sempre e pode estar sendo manipulado a enxergar que os castigos e repreensões que sofre são normais devido ao seu mau comportamento.
Leia mais
É possível haver relacionamentos abusivos entre pais e filhos

Fui traído(a) e não consegui superar

É muito comum que pessoas decidam permanecer em um relacionamento mesmo após uma traição. A questão é que muitas vezes, a insegurança, a desconfiança e conflitos por causa disso tomam conta do relacionamento.
Leia mais
Fui-traído-e-não-consegui-superar

Síndrome da Boazinha: Você já ouviu falar sobre ela?

Você conhece alguém que sempre precisa da aprovação do outro, que se colocam em segundo plano, necessitam agradar todos ao redor e sentem dificuldade em dizer não, mesmo que não tenha tempo ou não tenha interesse para atender tais solicitações? Se sim, talvez você sofra com a “Síndrome da Boazinha”
Leia mais
Síndrome da Boazinha- Você já ouviu falar sobre ela
Tenha o total controle das suas emoções conte com a Casule para o seu bem-estar.
Share This