Ciúme Patológico sob a perspectiva da Terapia Cognitivo Comportamental
10 de maio de 2017
Será que eu sou “normal”?
12 de maio de 2017

Abordagem psicológica para o Transtorno Obsessivo-Compulsivo em Juiz de Fora

O Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC) é uma doença incluída no ramo dos transtornos de ansiedade e considerada bastante comum atualmente. Seus sintomas estão diretamente relacionados às alterações sofridas na tríade Pensamento-Sentimento-Comportamento. As alterações do pensamento dizem respeito a obsessões como preocupação exagerada com doenças, dúvidas e pensamentos de conteúdo impróprio; as alterações comportamentais se manifestam, entre outros, através de repetições e evitações; enquanto as alterações emocionais se fazem presentes por meio de sentimentos de culpa, medo, desconforto etc.

No TOC, a mente é invadida por pensamentos obsessivos de conteúdo catastrófico e o sujeito responde com a realização de compulsões na tentativa de afastar o medo de possíveis consequências desastrosas relacionadas a tais obsessões.

toc ciclo

Conforme afirma Cordioli¹, lavar as mãos a todo o momento, revisar diversas vezes as portas antes de deitar, não usar roupas determinada cor, não passar em certos lugares com receio de que algo ruim possa acontecer depois, ficar aflito caso os objetos sobre a escrivaninha não estejam dispostos de uma determinada maneira, são atos muitas vezes vistos como “mania” pela maioria dos indivíduos, mas passam a ser considerados sintomas característicos do TOC quando a pessoa se vê obrigada a repeti-los inúmeras vezes por dia comprometendo boa parte do seu tempo, causando sofrimento e interferindo significativamente na sua rotina.

Sendo assim, muito mais que o simples fato de apresentar determinadas manias, o TOC é considerado uma doença mental grave, de curso crônico, que incapacita as pessoas e interfere significativamente nas suas relações sociais.

Não se sabe de uma causa específica para o surgimento desse transtorno, mas pesquisas vêm apontando fortes evidências para fatores biológicos, de ordem cerebral e até mesmo disposição genética, bem como para fatores de natureza psicológica, como aprendizagens errôneas e crenças distorcidas. Neste sentido, duas modalidades de tratamento vêm sendo apontadas como preferenciais e eficazes para o tratamento do TOC: o tratamento medicamentoso e a terapia cognitivo-comportamental (TCC).

A terapia cognitivo-comportamental, especialidade da Casule Saúde e Bem-estar, é um tratamento considerado de primeira linha para os sintomas obsessivos-compulsivos. Seu objetivo é corrigir aprendizagens erradas substituindo-as por novas aprendizagens, além de modificar pensamentos, avaliações e crenças distorcidas, através do emprego de técnicas específicas desta abordagem. Estudos têm demonstrado que cerca de 70% ou mais dos pacientes que realizam TCC podem obter redução satisfatória ou até a eliminação completa dos sintomas.

¹ Cordioli, A. V. (2008). Vencendo o Transtorno Obsessivo-Compulsivo: Manual de Terapia cognitivo-comportamental para pacientes e terapeutas. 2. Ed. Porto Alegre: Artmed.

Comentários

comentários

Mariana Fonseca
Mariana Fonseca
Especialista em Terapia Cognitivo-Comportamental. Atende: Adolescentes, Adultos, Idosos, Casais, Famílias e Grávidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Marcar Consulta